A comissão de deputados e senadores que analisa a medida provisória da reforma ministerial tirou o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) do Ministério da Justiça e Segurança Pública, pasta comandada pelo ministro Sérgio Moro. O grupo também decidiu pela transferência da Fundação Nacional do Índio (Funai) para o Ministério da Justiça.

Com o requerimento votado, a estrutura do Coaf volta para o guarda-chuva do Ministério da Economia. Foram 14 votos contra 11 para a mudança. O texto ainda precisa passar pelos plenários da Câmara e do Senado. Parlamentares do Centrão e da oposição se juntaram para tirar o Coaf das mãos de Moro e se articularam para impor uma derrota ao governo. Assinaram o requerimento que devolve o órgão para o Ministério da Economia líderes de PT, PRB, PTB, PP, MDB, Pode, PSC, DEM, PR, Solidariedade e Patriotas.

O senador Telmário Mota (PROS), que tinha retornado como titular na comissão e era favorável ao Coaf com Moro, não estava presente na reunião, deixando a vaga com o senador Jean Paul Prates (PT-RN), que votou por passar o órgão para a Economia. Na quarta-feira, 8, Mota declarou que havia um movimento de trocar titulares para que o Coaf saísse do Ministério da Justiça, mas não compareceu à reunião nesta quinta.

Botto na Quadro Negro

O Tribunal de Justiça (TJ-PR) terminou agora pouco o julgamento de um recurso apresentado pelo ex-procurador do Estado, Sérgio Botto de Lacerda, para ser excluído da ação da Quadro Negro. A operação, deflagrada pelo Gaeco, desbaratou um esquema que desviou mais de R$ 20 milhões para reforma e construção de escolas no Paraná. O relator do pedido de Habeas Corpus de Botto de Lacerda, Francisco Pinto Rebelo, não aceitou o pedido, no que foi seguido de forma unânime pelos demais magistrados do colegiado.

Botto contesta Fanini

Após ser envolvido na denúncia, Botto de Lacerda disse que o delator, o ex-diretor da Secretaria de Educação, Maurício Fanini, agia por vingança. A ação tem como alvo ainda o ex-governador Beto Richa e outros figurões da política nativa.

Garcia enquadrado

Já venceu o prazo de 30 dias para Renê Garcia Jr. responder ao pedido de informações encaminhado em março pela deputada licenciada Maria Victoria – o que em tese pode enquadrá-lo em crime de responsabilidade

É crime

Encaminhado à Casa Civil via requerimento pela deputada licenciada Maria Victoria (PP) no dia 13 de março e enviado de lá à Secretaria de Estado da Fazenda (Sefa) doze dias depois, no dia 25 – que marca o início do trâmite –, o pedido de informações feito ao titular da pasta, Renê Garcia Jr., ainda aguarda a assinatura e o retorno do secretário-chefe da Casa Civil, Guto Silva. Passadas nesta quinta (9) duas semanas além do prazo limite para a resposta do secretário, estabelecido em 30 dias pelo artigo 55 da Constituição do Estado do Paraná – o que já o enquadraria em crime de responsabilidade.

 Patético

Tony Garcia assistiu o vídeo do depoimento de Deonilson Roldo, e ficou tiririca com as acusações que o ex-secretário chefe de Gabinete de Beto Richa fez contra ele. Tony diz que são incontestáveis as informações que prestou ao Ministério Público Federal em delação premiada sobre suas relações empresariais com o grupo Bertin e com sua subsidiária Contern, que se mostravam interessados em participar da PPP lançada pelo governo do estado para a duplicação da PR-323. “O Deonilson é patético e mentiroso”, disse Tony Garcia sobre o depoimento prestado por Deonilson Roldo, na quarta feita, na 23.ª Vara Criminal Federal de Curitiba, onde tramita a ação penal referente à Operação Piloto.

Cada um na sua

Sóstenes Cavalcante, do DEM do Rio de Janeiro, acaba de protocolar mais um projeto de lei na Câmara que tem tudo para gerar uma enorme gritaria entre alguns atletas e efusivos aplausos por parte de outros. A proposta estabelece o sexo biológico como critério exclusivo para a definição de gênero de participantes de competições esportivas oficiais. Em outras palavras: se o projeto passar no Congresso, atletas como a jogadora de vôlei Tiffany (foto), que nasceu homem e, hoje, após tratamento, disputa a Liga Feminina da modalidade, será obrigada a competir no masculino, por exemplo. As informações são do Blog do Lauro Jardim.

Novos conselheiros

O presidente da República, Jair Bolsonaro, nomeou três novos conselheiros da Itaipu Binacional. A decisão foi publicada na edição desta quinta-feira (9) do Diário Oficial da União. Foram nomeados o presidente da Eletrobras, Wilson Pinto Ferreira Júnior, o ex-diretor-geral brasileiro da Itaipu, Luiz Fernando Leone Vianna, o chefe da Assessoria Especial do Presidente da República, Célio Faria Júnior. O mandato dos três novos conselheiros vai até 16 de maio de 2020.

Exoneração

O Diário Oficial também traz a exoneração de Samantha Ribeiro Meyer-Plug Marques, Paulo Jerônimo Bandeira de Mello Pedrosa e Orlando Moisés Fischer Pessuti. O Conselho de Administração da Itaipu Binacional é composto de 14 integrantes, sendo sete de cada país (seis conselheiros e um representante do Ministério de Relações Exteriores).

Desvio no Banco do Brasil

A Polícia Civil do Distrito Federal deu início, na manhã desta quinta-feira (9), a uma megaoperação em oito estados e no DF para prender suspeitos de desviar quase R$ 30 milhões do Banco do Brasil entre 2017 e 2018. Informações do G1. Até as 10h30, 15 pessoas já tinham sido detidas (veja lista abaixo). Em Poços de Caldas (MG), o dono e o funcionário de uma empresa de recuperação de crédito foram levados para a delegacia da região. A Polícia Civil do DF informou também que, durante a manhã, apreendeu 23 carros de luxo.

Superpoder para Assembleias

O STF autorizou, por 6 votos a 5, que as assembleias legislativas podem anular as prisões de deputados estaduais decretadas pela Justiça. Agora, parlamentares têm o poder de dar a palavra final se um colega pode ou não ser preso. O julgamento sobre a extensão da imunidade dos deputados estaduais começou em dezembro de 2017, dividiu o plenário do Supremo e sofreu uma reviravolta nos minutos finais, após o presidente da Corte, ministro Dias Toffoli, alterar o voto que havia lido há um ano e meio.

Incólumes

Com o entendimento do STF, deputados estaduais não poderão ser presos, salvo em flagrante de crime inafiançável, como tortura ou estupro – essas regras já estão previstas na Constituição para deputados federais e senadores. Já o presidente da República só pode ser preso após condenação. Os governadores, por outro lado, não possuem a mesma blindagem.

Bolsonaro em Curitiba

O presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL), virá a Curitiba hoje para participar da ativação do Centro Integrado de Inteligência de Segurança Pública da Região Sul (CIISP-Sul), estrutura inaugurada em dezembro do passado pelo então ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann.

CISP-Sul

O CIISP-Sul funcionará no prédio da Secretaria de Estado da Segurança Pública e Administração Penitenciária do Paraná (Sesp), no Centro Cívico. Além de agentes de segurança pública dos três estados do Sul, a estrutura reunirá representantes da Polícia Federal, da Polícia Rodoviária Federal e de outros órgãos do Ministério da Justiça e Segurança Pública. Bolsonaro deve chegar perto das 16h. Será recepcionado pelo Governador Ratinho Jr no Palácio Iguaçu. Essa é primeira vez que o presidente vem a Curitiba desde que foi eleito.

Juros básicos

Pela nona vez seguida, o Banco Central (BC) não alterou os juros básicos da economia. Por unanimidade, o Comitê de Política Monetária (Copom) manteve a taxa Selic em 6,5% ao ano. A decisão era esperada pelos analistas financeiros. Com a decisão, a Selic continua no menor nível desde o início da série histórica do Banco Central, em 1986. De outubro de 2012 a abril de 2013, a taxa foi mantida em 7,25% ao ano e passou a ser reajustada gradualmente até alcançar 14,25% ao ano em julho de 2015. Em outubro de 2016, o Copom voltou a reduzir os juros básicos da economia até que a taxa chegasse a 6,5% ao ano em março de 2018.

A marcha da estupidez

Jair Bolsonaro avançou um passo importante rumo a um isolamento que lhe poderá custar caro na hora em que precisar de aliados além da militância virtual de redes sociais. Não conseguiu convencer ninguém de que não tem participação na cascata de ataques contra alguns generais em seu governo, que culminou em baixaria inominável contra o ex-comandante do Exército general Villas Bôas, personalidade admirada nos mais variados setores. “Herói nacional”, disse Sérgio Moro.

 “Doleiro dos doleiros”

Foragido há mais de um ano, o doleiro Dario Messer joga com duas peças no tabuleiro. De um lado, entrou com pedido de habeas corpus junto ao ministro Gilmar Mendes; de outro, teria autorizado seus advogados a conversarem com o pessoal do Ministério Público Federal para um possível acordo de colaboração premiada. A delação do “doleiro dos doleiros” seria daquelas de “derrubar quarteirões”, a se usar linguagem mais popular.

Quer ir embora

O embaixador Celso Amorim, ex-ministro das Relações Exteriores e da Defesa dos governos Lula e Dilma, quer deixar o Brasil. Não aguenta acompanhar de perto os “muitos equívocos da nova administração” e fica irritado com o “messianismo” que tomou conta do Itamaraty. Amorim pode ir morar em Portugal, cada vez mais lotado de brasileiros que, à propósito, estão introduzindo nos imóveis de lá, via reforma, o quarto da empregada, como aconteceu em Miami há anos.

Ladeira abaixo

Os investimentos estão sendo cortados em grande volume pelo governo. Para se ter melhor ideia: o total de investimento público era de 1,33% do PIB em 2014, caiu para 0,77% em 2018 e neste ano, fica – com sorte – 0,5% do PIB. Gente bem informada do governo acha que encosta em zero.

Novo aperto

Anote: a Agência Nacional de Saúde se prepara para anunciar o reajuste anual dos planos de saúde. Há quem aposte que, pela primeira vez desde 204, ficará abaixo de dois dígitos. Só que, mesmo assim, muito acima do reajuste da maior parte dos trabalhadores brasileiros.

Lá embaixo

Pela primeira vez, o Brasil não aparece na lista dos países considerados os melhores para se investir, segundo tradicional ranking organizado pela consultoria. A.T. Kearney. O país vinha caindo nos últimos anos e em 2018 chegou à 25ª classificação. Agora, em 2019, desaparece da relação e nem é citada sua nova colocação. O ranking é elaborado desde 1998.

Rótulo

Os militares – de dentro e fora do governo – agora só se referem a Olavo de Carvalho e seus seguidores, onde estão incluídos os filhos de Bolsonaro, como “favelagem”.

 

Último lugar

O Brasil está em último lugar entre 44 países que publicaram ao menos, mil trabalhos científicos em 2017, ano mais recente do levantamento do Scimago Journal & Country Rank. O número de artigo foi de 73,6 mil, mas 5,1 mil trabalhos na área de ciências sociais não produziram maior impacto: apenas 711 citações. Os Estados Unidos fizeram 64,5 mil pesquisas sociais, quase 13 vezes a mais que o Brasil.

Queria o lugar

A ministra Damares Alves, da Mulher, Família e Direitos Humanos, demitiu a ex-deputada Tia Eron (PRB-BA) da Secretaria de Promoção Social. Ela teria atribuído a ex-secretária os boatos sobre sua suposta saída do cargo. Tia Eron queria o lugar de Damares. Detalhe: tia Eron não vai ser abrigada com um cargo da administração de ACM Neto, em Salvador.

Prato do dia

Mais uma vez, devido a seus tropeções de informações e mesmo de gramática, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, virou o prato do dia nas redes sociais, nas últimas 48 horas, com direito a gozações e até cartoons. Falando na Comissão do Senado, na terça-feira (7), Abraham soltou um “Kafta” quando queria dizer “Kafka”. Trocou o nome do escritor alemão pelo conhecido espeto de carne moída árabe.

Virando as costas

Entre muitos defeitos de personalidade do presidente Jair Bolsonaro, os analistas de plantão começam a acreditar que ele cultiva o hábito de virar as costas a quem o ajudou. E colocam nessa lista Gustavo Bebianno, Magno Malta, Santos Cruz e Eduardo Villas Boas, só para começo de conversa.

Tesoura afiada

O corte de 43% no orçamento do Ministério da Defesa deixou os comandantes do Exército, Marinha e Aeronáutica atônitos e mais do que desanimados: uma redução desse tamanho eles nem sabem como administrar. O almoço desta semana do presidente Jair Bolsonaro com o Alto Comando das Forças Armadas foi mais que indigesto. Informou-se que está havendo uma queda de R$ 30 bilhões nas receitas, além dos R$ 12 bilhões que entrariam caso a Eletrobras fosse privatizada.

Alta prevista

No Orçamento, a alta prevista do PIB era de 2,5% já foi revista para 2,2% e poderá chegar a 1,75% com novo corte esperado na reunião da Junta Orçamentária do próximo dia 22. Todos os sinais que desembarcam no governo são de economia esfriando – e não pouco.

Ao contrário

Nessa fase em que acha que está sendo ameaçada, a ministra Damares Alves, da Mulher, Família e Direitos Humanos, inclui uma suposta ação na área do tráfico de drogas. Até assessores acham a hipótese um tanto surrealista: afinal, traficantes não atentariam contra ela por ser contrária a legalização das drogas. O que menos quer o traficante é a legalização. Poderia acabar com seu negócio.

Outro museu

Uma das maiores coleções de arte do Brasil deverá ganhar novo abrigo. Gilberto Chateaubriand, 94 anos, está criando o Centro Cultural da Fazenda do Rio Corrente, em Porto Ferreira, no interior de São Paulo. O museu será instalado num galpão centenário de Chateaubriand e receberá cerca de 500 obras de arte. De segunda a sexta-feira, apenas estudantes terão acesso gratuito; nos finais de semana, será aberto a visitações pagas.

Quem pressionava

Leticia Catelani, olavete, demitida da Apex, saiu atirando e dizendo que “sofreu pressão dentro do governo pela manutenção de contratos espúrios, além de ameaças e difamações”. Agora, anda recolhida enquanto ganha nova pressão: deve revelar quem a pressionava, dentro do governo, para “renovar contratos espúrios”.

“Falta de pulso”

Militares com cargos no primeiro escalão do governo estão mais que apreensivos com a “falta de pulso” de Jair Bolsonaro para enquadrar seus filhos e Olavo de Carvalho. E acham que a situação “chegou ao limite”. Mais: a fala de Bolsonaro na defesa de Olavo, esta semana, foi rascunhada antes pelo filho Carlos.

No ataque

Os militares pararam de responder a Olavo de Carvalho. O general Paulo Chagas, candidato derrotado ao governo do Distrito Federal, não aguentou e disparou: “Desocupado é o ânus de Olavo, que foi substituído pela boca”.

Reparo

No programa de Luciana Gimenez, o presidente Jair Bolsonaro fez um reparo a seus generais: “Eles voltaram a ter protagonismo no Brasil. O que falta para alguns deles é tato político, que estão aprendendo”. Para muitos integrantes civis do governo, falta de tato político é exatamente o que falta a Bolsonaro.

Conselheiro

Pouca gente sabe: um dos conselheiros mais próximos da procuradora-geral da República, Raquel Dodge, que está pensando seriamente em disputar sua recondução ao cargo, é o general Augusto Heleno, que comanda o GSI.

Emplacou

O ex-governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel, tem prestigio no governo de Romeu Zuma (Novo). Conseguiu emplacar a amigona Ana Marta Horta Veloso na presidência da Light, que tem como acionista a estatal Cemig do governo mineiro. Marta foi aluna mais aplicada do petista na Faculdade de Economia da UFMG.

Quieto

O governador de São Paulo, João Doria não entrou no meio da guerra contra militares, deflagrada, com direito a palavrões, pelo ex-astrólogo Olavo de Carvalho. Afinal, nunca se sabe o que acontecerá amanhã ou no ano de 2022.

Não dura

Cientistas políticos acham que o novo ministro da Educação, Abraham Weintraub não irá durar nem 98 dias, período de permanência na pasta de seu antecessor Vélez Rodriguez.

Debandada

Existe uma ideia de fusão entre PSDB, DEM e PSD idealizada pelo governador de São Paulo, João Doria (PSDB). As outras duas siglas já mandaram avisar aos líderes tucanos, que por enquanto, não existe interesse na fusão, só que nunca se sabe o dia de amanhã, a lembrar o velho ditado. Se isso acontecer, muitos veteranos tucanos deverão pular fora do barco, entre eles, Antonio Anastasia e Tasso Jereissati.

É baixo

O ministro da Secretaria do Governo, Santos Cruz, disse que os ataques do ex-astrólogo Olavo de Carvalho, juntamente com Carlos Bolsonaro, na tentativa de derrubá-lo é “baixo”, e resolveu ignorá-los. “Essa função você não pede para sair nem para entrar. O cargo não me emociona, mas estou aqui para trabalhar, para ajudar”.

De volta

Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE) líder do governo no Senado, é autor da medida provisória da reestruturação do governo, que poderia trazer de volta dois ministérios, o das Cidades e da Integração Nacional.

Incentivos

O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, acha que o diagnóstico do BID sobre a qualidade dos gastos públicos está alinhado como o diagnóstico da equipe econômica. O relatório mostra que o país gasta de forma ineficiente, desperdiçando US$ 68 bilhões por ano. E Mansueto engasga quando fala da necessidade de reduzir gastos tributários. Neste ano, o Brasil deixará de arrecadar R$ 300 bilhões por causa de incentivos.

Na geladeira

Hoje, mais da metade dos jogadores do PSG não falam com Neymar. Fora do campo, literalmente, ignoram o brasileiro.

Fez força

O ex-ministro Gilberto Kassab, presidente do PSD, é um dos que mais vem trabalhando para tirar o Coaf do bloco de Sérgio Moro.

Indignação

O general Augusto Heleno, do GSI, ficou mais do que indignado pela forma com que Olavo de Carvalho se referiu ao general Eduardo Villas Boas, ex-comandante do Exército, que sofre de uma doença degenerativa e presta consultoria no mesmo Gabinete de Segurança Institucional.  Em outro momento, Augusto Heleno tentou introduzir comentários sobre esse episódio com Bolsonaro, que manteve sua postura, já devidamente alimentado pelo filho Carlos. Augusto Heleno preferiu recolher-se.

Concordam

Pesquisa encomendada pela Confederação Nacional da Indústria feita pelo Ibope aponta que 59% dos entrevistados concordam que é necessário uma reforma da Previdência no Brasil. 36% não concordam; 1% não concordam e nem discordam e 5% não souberam ou não quiseram responder.

Altíssimo risco

No encontro com 25 governadores, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que investir hoje no Brasil “é um esporte de altíssimo risco” por conta a situação econômica. “Temos que facilitar a vida de quem quer produzir e de quem tem coragem ainda de investir no Brasil, o que é um esporte de altíssimo risco dada a situação que temos agora”. E completou: “Não podemos falar agora em ideologia, temos que ter um norte que sirva para todos nós. O governo está aberto aos governadores para o diálogo”.

Frases

“Deonilson é patético e mentiroso.”

Tony Garcia

 “Você sabe com quem está falando?”

Neymar, se achando.