Com ajuda da força econômica, mão-de-obra qualificada e infraestrutura disponíveis em São José dos Pinhais, a Renault pretende dobrar sua participação no mercado automotivo brasileiro dentro de cinco anos.

Hoje, 6,5% dos carros vendidos no Brasil pertencem ao grupo. Até 2016, o objetivo da Renault/Nissan é alcançar 13%.

Para atingir esta meta, o preço dos automóveis do grupo tendem a ficar mais competitivos, segundo o presidente mundial da Renault/Nissan, Carlos Ghosn. “Não se consegue dar esse salto no mercado aumentando os preços”, disse.

Além de aumentar a produção em São José dos Pinhais, a montadora conta com a nova fábrica da Nissan em Resende (RJ) parar baratear os carros da marca, que hoje vêm da planta da companhia no México.

Segundo o presidente da Renault/Nissan, o mercado brasileiro é o terceiro maior do mundo, com cerca de 3,6 milhões de carros vendidos por ano, perdendo apenas para Estados Unidos, Japão e China. Ele estima que dentro de 5 anos este volume salte para 5 milhões, e que até lá o País pule para o terceiro lugar no ranking de veículos vendidos.