(Reuters) – Importadores do México reservaram um carregamento de 35 mil toneladas de milho do Brasil, com navio programado para deixar o porto de Santarém, Pará, no próximo dia 22, apontou nesta quarta-feira um analista da corretora e consultoria INTL FCStone.

O negócio, que já aparece em relatórios com a programação de navios nos portos brasileiros, os chamados line-ups, vem em um momento em que os mexicanos cogitam retaliações se ameaças de aumentos de tarifas por parte dos Estados Unidos ao México se confirmarem.

O México é o principal destino do milho dos EUA, os maiores produtores e exportadores globais do cereal, que têm grandes facilidades logísticas, pela proximidade, para exportar ao seu vizinho.

“Não é comumo carga do Brasil para o México, e tem toda essa discussão sobre tarifas, pode ser um sinal do México querendo mostrar que pode originar em outros lugares”, afirmou à Reuters o analista Lucas Pereira, da FCSTone.

Este seria o primeiro embarque de milho do Brasil para o México desde janeiro, quando um carregamento de 33 mil toneladas foi assinalado nas estatísticas de exportações do Ministério da Agricultura.

Pereira disse que o produto exportado provavelmente é de Mato Grosso, onde a colheita já começou. Parte da produção de soja e milho matogrossense é escoada para mercados externos via portos do Norte do Brasil, como o de Santarém.

Mato Grosso é o maior produtor de milho do Brasil, que deverá ter uma produção recorde próxima de 100 milhões de toneladas na atual safra.

Fontes disseram à Reuters no México que o presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador, recebeu uma lista oficial de produtos norte-americanos que podem estar sujeitos a tarifas de retaliação se as taxas ameaçadas pelo governo Trump entrarem em vigor.

O foco de uma eventual retaliação mexicana estaria nos Estados que votaram em Trump em 2016, nos quais a agricultura desempenha um importante papel na economia local, disse uma fonte.

A lista submetida ao gabinete presidencial mexicano exclui o milho dos EUA, disseram duas das fontes. Segundo uma delas, porém, isso pode mudar de acordo com o tempo.