Edson Rodrigo Toledo Neto, 1º lugar na categoria profissional, durante cerimônia de entrega do 6º Prêmio Serviço Florestal Brasileiro em Estudos de Economia e Mercado Florestal, na Confederação Nacional da Indústria (CNI). Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

Agência Brasil

Um projeto que trata de alternativas para a definição de um Produto Interno Bruto (PIB) Florestal foi o vencedor da categoria profissional do 6° Prêmio Serviço Florestal Brasileiro em Estudos de Economia e Mercado Florestal. A premiação nas categorias profissional e estudante foi entregue hoje (30), em Brasília, na Confederação Nacional da Indústria (CNI).

O vencedor é Edson Rodrigo Toledo Neto, mestre em Economia e engenheiro florestal. “Na prática tentamos traduzir como o capital natural é tratado dentro do sistema das contas nacionais. A conta de florestas não é simples de ser constituída dentro do sistema de contas e para obtenção do PIB”, explicou.

Edson Rodrigo Toledo Neto, 1º lugar na categoria profissional, durante cerimônia de entrega do 6º Prêmio Serviço Florestal Brasileiro em Estudos de Economia e Mercado Florestal, na Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Edson conta que o PIB Florestal dá uma visão, ainda que mínima, de como os setores estão demandando, consumindo e ofertando energia, por exemplo.

“A importância do trabalho é conseguir traduzir a oferta e demanda”, afirmou. O título do trabalho é “Alternativas para definição do PIB Florestal a partir do sistema de contas nacionais.”

O plantio de florestas para a extração de madeira de forma planejada e sustentável para gerações de renda no noroeste do Estado do Rio de Janeiro foi o tema da vencedora do terceiro lugar na categoria estudante. A autora do projeto, Carla Johanna Lessa, desenvolveu o programa a partir de sua realidade local, no noroeste fluminense. A área tem atividade mais voltada ao agronegócio e também forte demanda por madeira e potencial de plantio de florestas.

O presidente do Serviço Florestal Brasileiro, Valdir Colatto, ressaltou a importância das pesquisas apresentadas nesta edição do prêmio, que tem temas como concessões florestais e Produto Interno Brasileiro – PIB – Verde.

O prêmio foi idealizado pelo Serviço Florestal Brasileiro e visa estimular pesquisas em temas relacionados à economia e mercado, como foco em estudos sobre a produção florestal sustentável, seus desafios e as perspectivas socioeconômicas e ambientais.

Foram premiados três projetos na categoria profissional e três na estudante. Os valores pagos aos premiados vão de R$ 5 mil a R$ 25 mil.