*Ayrton Baptista

Avisando de sua chegada, Maringá, na verdade, já estava vindo. Agora já se instalou. E com candidata a governadora, a atual vice – Cida Borghetti, ex-federal, ex-estadual. Integra a família atualmente mais representativa da política paranaense, com Ricardo Barros comandando as jogadas, a filha na Assembleia Legislativa e o secretário do Planejamento, Silvio Barros II. Todos devidamente filiados a partidos diferentes, o que já forma uma coligação para registro eleitoral. Ex-prefeito, filho de prefeito, Ricardo tem liderança nacional no Partido Progressista, o PP, também abalado pelo mensalão, mas com a torcida de que não pague por problemas na operação Lava Jato e seu desfecho cada vez mais próximo.

Silvio Barros II deu uma entrevista à Gazeta do Povo no último domingo, que merece ser lida. Secretário do Planejamento estadual após dois mandatos na prefeitura daquele município do noroeste paranaense, Silvio não esconde os objetivos da família, mas não ostenta posição de mando como se estivesse se referindo a um bloco independente na política. “Garoto propaganda de Maringá”, Silvio Barros credita à sociedade local movimentos a que os políticos se mostram obedientes seguidores.

Ele ressalta o que entende ser Maringá, hoje, uma importante referência em gestão pública. Sobre seu ingresso no governo Richa, diz Silvio que essa experiência de Maringá é o que o governador do Paraná quer ver instalada no segundo mandato. Então, com Cida Borghetti ao lado de Richa, o irmão a frente de um importante bloco político a nível nacional, ele no executivo, a sobrinha no legislativo, o que se quer mais. Que Maringá não só chegue mas que se tenha como inteiramente instalada na cúpula da política no Estado. Daí porque ele destaca que o município já está focado no centenário, em 2047, pois é Maringá um exemplo de obediência aos apontamentos da sociedade local, uma vez que trabalha com o documento Maringá 2030, elaborado pela comunidade.

Fazendo dupla com o secretário da Fazenda, Mauro Ricardo Costa, o êxito da atual gestão é importante para os objetivos dos Barros. Ele pode ajudar a que as finanças do Paraná sejam colocadas no devido lugar, com o valor natural de que merece pelo significado do Estado no cenário nacional. Silvio não esconde que não só recebeu carta branca de Beto Richa como lhe reservou autoridade para sua posição no Governo.

Daí entender-se que Ratinho Júnior, Fernando Francisquini, Eduardo Sciarra e poucos outros que se cuidem, pois quem joga em família tem mais poder de ataque.

*Ayrton Baptista, jornalista