Muita confusão desde o início da manhã de ontem, além de troca de empurrões, agressões e a invasão do plenário da Câmara adiaram, mais uma vez, a votação de quatro projetos do Plano de Recuperação da Prefeitura de Curitiba.
O policiamento solicitado pela Câmara estava à postos às 6 da manhã, e os manifestantes começaram a chegar por volta das 7 e meia, enquanto que dentro do prédio os vereadores chegaram antes disso para ter acesso. O primeiro a chegar foi o líder do prefeito, Pier Petruzzielo (PTB), que entrou no prédio por volta das 5 da manhã.
Dirigentes sindicais circulavam no prédio desde as 8 horas, quando acompanharam a reunião da Comissão de Economia e o início da sessão plenária, às 9 horas.
A sessão foi aberta com a presença de 37 dos 38 vereadores, constando da pauta a alteração da previdência dos servidores municipais, o congelamento das carreiras, o leilão de dívidas e a Lei de Responsabilidade Fiscal do Município. Serginho do Posto (PSDB), que presidia a sessão, suspendeu os trabalhos para reunião de lideranças, com o objetivo de estabelecer regras para a discussão dos projetos do Executivo.
Mas por volta das 10 e meia a reunião foi suspensa quando os manifestantes passaram pelas grades e pelo isolamento policial, subiram as escadarias do prédio histórico e invadiram o plenário.
Como não houve acordo sobre os pronunciamentos, a favor e contra o pacote de medidas, e a invasão do plenário, o debater foi adiado para a próxima segunda-feira, dia 26.
Também a greve foi suspensa até a próxima segunda, e os manifestantes desocuparam o plenário. A proposta anunciada pelos sindicalistas é que uma nova greve começa na segunda-feira, e que na sexta-feira ocorrerá panfletagem e no sábado os manifestantes pretendem fazer mobilizações nas casas dos vereadores.
Como essas quatro iniciativas enviadas pelo prefeito Rafael Greca ao Legislativo tramitam em regime de urgência, elas trancam a pauta da Câmara Municipal. Nenhum outro projeto de lei pode ser votado enquanto elas não passarem pelo plenário ou tiverem a tramitação especial retirada.