Um manifestante integrante do MST (Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra) ficou ferido durante os protestos na manhã desta sexta-feira (14) próximo à Repar (Refinaria Getúlio Vargas), em Araucária, região metropolitana de Curitiba.
Sandro de Lima, de 44 anos, foi atingido por um tiro de bala de borracha no rosto e está internado no Hospital do Trabalhador, na capital. Ele vai passar por uma tomografia na cabeça para constatar a gravidade do ferimento.
Segundo o MST, os manifestantes foram atacados pela Guarda Municipal de Araucária na rodovia federal BR 426 (do Xisto), durante um trancamento da via para um protesto pela manhã. Eles alegam que estavam se retirando do local quando receberam os tiros.
Participavam do ato também representantes da Frente Brasil Popular, do Sindicato dos Petroleiros, professores e caminhoneiros.
Já a prefeitura da cidade alega que enquanto os guardas tentavam desbloquear o fluxo, os manifestantes jogaram gasolina em pneus que já queimavam na rodovia. Para dispersar o protesto, os guardas municipais teriam atirado apenas munições que fazem barulho, mas, como os manifestantes teriam insistido no bloqueio, atiraram três balas de borracha, que acabaram atingindo Sandro e outras duas pessoas.
Para o MST, a repressão atenta contra a democracia e o direito de greve.
“A Rodovia Federal BR 426, está sob jurisdição da Polícia Rodoviária Federal, no entanto os tiros foram disparados pela Guarda Municipal de Araucária, agravando a situação, uma vez que não compete a uma guarda municipal atuar em área federal”, diz a nota.
Procurada, a prefeitura informou que enviaria uma nota oficial sobre o ocorrido, mas até as 14h30 não se manifestou.