Macunaíma exulta.

526

Aqui, na terrinha, corre a confusa agitação em torno de candidaturas ao governo do Paraná. Osmar Dias, a única certeza e disparado na frente em todas as pesquisas, vive a rotina dos top stars. O assédio nem sempre confortável da rapaziada que quer pegar uma beirada em sua canoa. Inclusive Requião, que faz de conta que quer ser candidato a governador para arrumar quem possa lhe ajudar a ser candidato ao Senado com um mínimo de chance de reeleição. Os outros polos de atração são Cida Borghetti e Ratinho Junior, que navegam em mar de dúvidas.

De resto, as alianças na política nativa se aproximam de obsceno troca-troca de parceiros. Espetáculo de viés circense, consideradas as péssimas intenções dos candidatos, que o povo aprendeu a repudiar. Os acordos de 2016 já não valem. Aliados das eleições anteriores agora estão em trincheiras opostas e os adversários se juntam no mesmo barco. Sem contar os que vão sendo eliminados pela Lava Jato, que colocou a céu aberto o esgoto da política.

Os ensaios de conchavos de cúpula mostram que, para estar no poder, nossos políticos fazem qualquer acerto. Por trás do jogo de dissimulações prevalece o vale-tudo. O poder merece tamanha desfaçatez porque proporciona a oportunidade de fazer todo tipo de negócio, como vemos nas revelações da Lava Jato. O poder é uma maravilha. Dá-se emprego aos de casa e aos do auditório, socorrem-se os apaniguados, distribuem-se propinas a rodo, erguem-se novas fortunas com dinheiro da corrupção.

Assim se desenrola a vida de um estadista tupiniquim. Vida boa. Marcada apenas pela preocupação de ficar no trono pelo maior prazo possível. Na política nativa, o espírito macunaímico é uma praga pior que a maria-sem-vergonha. Chamam a isso de bom senso. E lá vêm os mestres do pragmatismo a recomendar os entendimentos mais incríveis entre políticos que pareciam, ainda ontem, antípodas, inimigos irreconciliáveis pelas divergências ideológicas e de métodos.

Qual o que. Na geleia macunaímica, vinga o populismo, o poder é mafioso e a mídia, incluída a da internet, é a sua ferramenta. (Sem contar que Macunaíma não tem ideologia, está em todos os lugares.)  Todos sabemos que as mazelas da política são antigas, mas nunca, antes, foram expostas em tamanha profundidade. Desse processo vão sobrar poucos para continuar na história. E quem não tem culpa no cartório toma o máximo de cuidados para não se deixar contaminar pelas pragas de nossa época, a dengue, a Chikungunya, a aids e os políticos de ficha suja na mira do Sergio Moro.

Não vai rolar

O presidente Michel Temer não aceitou a sugestão da criação de um novo ministério que cuidaria somente de segurança pública. Na justificativa, disse que um novo ministério geraria mais custos ao governo e sua intenção é economizar, não gastar, o que foi visto como uma boa resposta. E ainda acrescentou que o Plano Nacional de Segurança, discutido na última semana, será posto como uma das prioridades do Governo e que acredita que realmente o ministério da Justiça tenha força para colocá-lo em prática. Se perceber que o ministério da Justiça não dá conta, volta atrás e cria o ministério.

Recorde

Em oito meses de governo o presidente Michel Temer já assinou 40 medidas provisórias. Ele superará Dilma Rousseff com 22 e Lula com 25. Só não supera Fernando Henrique Cardoso que firmou 48.

Pedido de renúncia

Três ex-ministros da Justiça Tarso Genro, da gestão de Lula, José Eduardo Cardoso e Eugênio Aragão, da gestão de Dilma Rousseff, assinaram um documento pedindo que o atual ministro, Alexandre de Moraes renuncie ao cargo. Para os ex-ministros seria um ato de grandeza e que acreditam que Alexandre não tem competência suficiente para ser ministro após as rebeliões que aconteceram no inicio deste ano. Analistas políticos avaliam que esta atitude fortalece ainda mais Moraes.

Sugestão antiga

Amigos de longa data, o presidente Michel Temer e o ministro das Relações Exteriores, José Serra, lembraram que a criação de um ministério muito parecido com o sugerido pelos deputados (segurança pública), foi assunto em 2002 quando Serra era candidato a presidência, sugerido pelo próprio Temer.  Só que o tucano concorda com o peemedebista que agora não está na hora de criar nada devido a situação econômica do país. “Na atual conjuntura, seria descabido”.

Muita gente na fila

Uma fila de candidatos a delatores aguarda a oficialização dos acordos de delação premiada e leniência fechados entre a Odebrecht e procuradores da força-tarefa da Operação Lava Jato. Todas as tratativas para novos acordos de colaboração premiada estão suspensas, desde dezembro. A lista de candidatos a delator que já iniciaram conversas com advogados reúne o ex-diretor da Petrobrás Renato Duque, o marqueteiro do PT João Santana, o lobista Adir Assad, executivos das empreiteiras Mendes Júnior, Galvão Engenharia, Delta e EIT.

São acusados de corrupção, lavagem de dinheiro e outros crimes financeiros que buscam uma redução de pena, nos processos do juiz federal Sérgio Moro, em Curitiba – onde estão os casos de alvos sem foro privilegiado. Candidatos a virarem réus-confessos e colaboradores das investigações, em troca do benefício.

Ajuda

O candidato à presidência da Câmara, Jovair Arantes (PTB-GO), larga na frente. Além de conseguir arrecadar cerca de R$ 100 mil para usar em sua campanha, tem a sua disposição, sem custo nenhum, o jatinho particular do deputado Alfredo Kaefer (PTB-RS), considerado um dos mais ricos da Casa.

Correndo a atrás

Rogério Rosso (PSD-DF), candidato à presidência da Câmara, também está correndo atrás de votos. Passando outro dia por Ivan Valente, líder do PSOL na Casa, falou: “Gostaria de contar com o apoio de vocês. O PSOL é uma grife”. Ivan apenas sorriu. O que Rosso não sabe é que o PSOL também poderá lançar um candidato à presidência da Câmara.

Um voto garantido

Mesmo ainda não tendo assumido publicamente sua candidatura à reeleição da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) e já tem um voto garantindo, dado pelo deputado Fábio Farias (PSD-RN). A ordem partiu do pai do governador do Rio Grande do Norte, Robinson Faria, que não gostou nem um pouco da atitude de Rogério Rosso (PSD-DF), que lançou sua candidatura sem mesmo consultar o partido.

Ninguém fica sabendo

Dados da Policia Civil de Brasília apontaram que nos 10 primeiros dias de 2017, dezenove pessoas foram assassinadas na capital, ou seja, quase duas mortes por dia. São números que poucos ficam sabendo e se na capital brasileira é assim, outras cidades com mais população sofrem exponencialmente.

Fortalecendo

O presidente da Argentina, Mauricio Macri, virá ao Brasil para se encontrar com Michel Temer. Entre muitos assuntos, o principal será o Mercosul que, para ambos, precisa ser revitalizado e fortalecido.

O mesmo nome

Os brasileiros (ricos) que viajam para Washington, nos Estados Unidos, estão reclamando do vídeo que saúda em português e pedem que a administração do aeroporto Dulles retire o conteúdo. Engana-se quem pensa que o vídeo ofende aos brasileiros. O pedido de retirada é porque o personagem da saudação chama-se Renan, o que faz associação ao presidente do Senado, Renan Calheiros. Pelo que parece, este seleto grupo não reconhece que outros brasileiros honram o mesmo nome.

Partido grande

O PTN – Partido Trabalhista Nacional – não quer mais ser incluído na classe dos partidos nanicos. Segundo a sigla, um partido que tem 15 deputados não pode mais se enquadrar neste grupo. O PTN tem mais deputados do que o PV, PCdoB e PPS que não são tachados de nanicos.

Amigos na infância

Otávio Azevedo, ex-presidente da Andrade Gutierrez, tinha ótimas relações com o governo de Lula, assim como ao de Dilma Rousseff. O que quase ninguém sabe é que Otávio e Dilma se conheceram na infância. As duas famílias eram bem próximas, quando ambos eram crianças em Belo Horizonte (MG). Dizem que Otávio tem até uma foto em que aparece sentado no colo de Dilma. A ex-presidente é quatro anos mais velha do que Azevedo.

Não interfere

O presidente Michel Temer ficou bravo com o presidente do Solidariedade, Paulinho da Força, que afirmou com todas as letras que o Governo apoia a reeleição de Rodrigo Maia (DEM-RJ) na Câmara, e que a Casa não precisa de um candidato do Governo. Temer ligou para Paulinho falando mais uma vez que não tem candidato e que não vai interferir na eleição e pediu para que retransmitisse o recado aos seus aliados que tem a mesma opinião.

Não gostou

O senador Ronaldo Caiado (DEM-GO) não gostou nem um pouco do tema da escola de samba carioca Imperatriz Lepoldinense. O samba-enredo Xingu, o clamor que vem da floresta, que critica o agronegócio, e ele acredita que isso possa prejudicar a economia brasileira. Caiado quis discutir isso no Senado, mas, até agora, ninguém deu muita atenção, não.

Fraudes, fraudes

Um esquema de fraudes na liberação de créditos junto à Caixa Econômica Federal que teria ocorrido pelo menos entre 2011 e 2013, no governo Dilma Rousseff, é alvo de uma operação da Polícia Federal desde as primeiras horas da manhã desta sexta-feira (13). Policiais fazem buscas e apreensões em endereços residenciais e comerciais no Distrito Federal, Bahia Paraná e São Paulo. As 7 medidas foram determinadas pelo Juiz da 10ª Vara da Justiça Federal no DF.

Segundo a PF, o esquema seria composto pelo então vice-presidente de Pessoa Jurídica da Caixa Econômica Federal, Geddel Vieira Lima, pelo vice-presidente de Gestão de Ativos, além de um servidor da CEF, empresários e dirigentes de empresas dos ramos de frigoríficos, de concessionárias de administração de rodovias, de empreendimentos imobiliários, além de um operador do mercado financeiro.

Gravatas novas

Um dos candidatos à presidência da Câmara está gastando dedos em ligações para pedir votos, já que não sobrou verba para viajar pelo país. Como muitos deputados ainda estão fora do país, curtindo o recesso parlamentar, no telefonema, acaba pedindo uma gravata de presente. Pelo que se vê, o candidato pode não ganhar a eleição, mas vai renovar o estoque de gravatas este ano.

Será que vai?

Desde 2002 a prefeitura do Rio de Janeiro promove em seu auditório cultos evangélicos, todas as terças-feiras. Só que agora, com o prefeito-bispo eleito, vários cartazes de divulgação dos cultos foram espalhados pela sede. E a pergunta que ronda os corredores do Palácio da Cidade é se Crivella irá participar de algum.

Acentuando a crise

A crise interna do PT parece cada vez maior. O motivo são as eleições na Câmara e no Senado. Os petistas mais antigos não aceitam o apoio aos candidatos, supostamente opositores do partido. Apoiar Rodrigo Maia (DEM-RJ), que julgam candidato do Governo, é totalmente inaceitável. Segundo Carlos Árabe, secretário do PT, o apoio à Jovair Arantes (PTB-GO), relator do impeachment, é considerado quase um crime. “É indigno e imoral o líder do PT botar o pé no ato desse candidato golpista”. Os petistas mais fervorosos também não concordam com o apoio da sigla ao único candidato do Senado até agora Eunício Oliveira (PMDB), o que para eles, é aderir ao “golpe”.

Se for necessário

O ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva participou do 29º Encontro Estadual do MST – Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra – na Bahia. Defendeu a antecipação da eleição para outubro deste ano, dizendo que não era vergonha nenhuma, a população querer um novo presidente quando bem entenderem. Ele disse ainda que só será candidato a presidência da República se for realmente necessário e que está torcendo para que o PT volte a ser forte e outro nome surja para o pleito presidencial. “Eu nunca mais vou dizer: “eu vou voltar”, vou dizer ‘nós voltaremos a governar este país’”.

Não tem coragem

O senador Ronaldo Caiado (DEM-GO), ainda não sabe se concorrerá ao governo de Goiás ou à presidência, mas afirmou, durante sua passagem pela Bahia, no qual participou da tradicional lavagem da escadaria da Igreja de N.S. do Bonfim, que Lula não tem mais tanta popularidade quanto pensa. “Lula não tem a coragem de andar em um estado do Nordeste, no meio do povo, nem de fazer essa caminhada ao Bonfim. Isso mostra que ele não tem popularidade para chegar tão fácil à presidência”.

Moderno

A tradicional lavagem da escada do N.S do Bonfim, em Salvador, se modernizou. Para atender todos os fieis e turistas que acompanham a tradição, além da tradicional feira de artesanato nas proximidades, também foram colocados alguns Food Trucks para matar a fome dos presentes. Muita música também fez parte da renovação.

Sem remuneração

O jornalista e ex-atleta Bruno Chateaubriand, 41 anos, foi nomeado o novo presidente da Federação de Ginástica do Rio. Em entrevista fez questão de ressaltar que não será remunerado, irá mesmo trabalhar por amor ao esporte.

Estranha condição

Há tempos o Rio de Janeiro vem pedindo socorro ao Planalto para tentar tirar o estado da crise em que está afundada. Parte do socorro virá de um consórcio de bancos liderados pelo Banco do Brasil. Caixa Econômica e Bradesco também fazem parte do consórcio que deve liberar cerca de R$ 3 bilhões ao estado. Uma das condições para este socorro, impostas por Henrique Meirelles, ministro da Fazenda, é a privatização da Cadae – Companhia Estadual de Águas e Esgoto do Rio de Janeiro.

Peregrinação

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, irá fazer uma verdadeira peregrinação nos Estados que decretaram calamidade ou colapso financeiro. Depois de resolver pessoalmente o endividamento do Rio de Janeiro a próxima parada é no Rio Grande do Sul e posteriormente, Minas Gerais. Acordos semelhantes aos firmados com o Rio serão sugeridos ao estado gaúcho e mineiro. Depois Meirelles irá aos estados do Norte, Nordeste e Centro-oeste.

Passando a bola

A UERJ – Universidade do Estado está quase fechando as portas. A universidade que está sob o comando do Governo, não tem dinheiro para quase nada. O Governo estuda privatizar a universidade ou passá-la para a União com a esperança de salvá-la.

Outra comitiva

Se Rodrigo Maia (DEM-RJ) vem a São Paulo, na próxima segunda-feira, com uma pequena comitiva de 10 deputados, Jovair Arantes (PTB-GO) também não vem sozinho. Junto com Jovair, na conversa com o governador, Geraldo Alckmin, estará o deputado estadual Campos Machado e o ex-deputado Roberto Jefferson, que poderá se candidatar a deputado federal nas próximas eleições por São Paulo.

Frases

“Deus queira que apareçam outros companheiros, nós temos um ano inteiro pela frente. ”

Lula torcendo para que outros nomes do partido apareçam e tenham forças para concorrer à presidência.

“O sistema penitenciário do Brasil não tem nenhuma política de recuperação da pessoa. Pelo contrário, é voltado para piorar a vida dele. “

Lula, que governou o país oito anos, elegeu e reelegeu Dilma