Greca: Discórdia à sua volta

O advogado Lucas Navarro de Souza de 29 anos é o nome cotado para substituir João Alfredo Costa Filho. Se os ventos não mudarem no carnaval, o jovem escudeiro de Rafael Waldomiro Greca de Macedo será apresentado nesta semana ao núcleo duro de secretários.

Espero que, quando esta coluna estiver no ar, nesta quarta, ainda não tenha ocorrido a posse, para que o fato, em si, não esteja velho.

Ungido por Rafael Waldomiro, Lucas passa a integrar a equipe estratégica da gestão, que engloba secretários de diversas pastas, como Finanças, Secretaria de Governo, Recursos Humanos e Comunicação Social, além da presença da Margarita Sansone e de Giovani Gionédis, que não têm cargos conhecidos, mas são vitais no dia a dia da Prefeitura de Curitiba.

UM DESAGREGADOR

A aposta de Rafael Waldomiro Greca de Macedo para chefiar seu gabinete traz temor dentro da Prefeitura, na Câmara Municipal e também na frágil relação entre o vice-prefeito, Eduardo Pimentel, e o prefeito Greca de Macedo. O jovem, por quem o prefeito se encantou, é considerado um elemento desagregador da equipe, com pouca visão política e prepotente.

ADVERSÁRIO DE PICOLO

Dentro da Câmara Municipal, os vereadores apontam Lucas como um adversário direto do atual presidente Sabino Picolo, por ter apoiado a chapa adversária, com Tico Kusma e Helio Werbinski.

Há receio na base do prefeito que jovem protetor de Greca possa causar estrago na base fragmentada do prefeito, exatamente no momento em que se discutem promessas não cumpridas, como a redução do secretariado e os planos de progressão de carreiras do funcionalismo.

Margarita Sansone e Giovani Gionédis: atingidos por Lucas

LUCAS MOSTRA FORÇA

Dentro da administração, Lucas já demonstrou força nomeando o atual secretário de Obras, Rodrigo Rodrigues. A indicação dele suplantou sugestões feitas pelo advogado de Rafael Waldomiro Greca de Macedo, Giovani Gionédis, pelo secretário de governo, Luiz Fernando Jamur, e também pelo vice-prefeito, Eduardo Pimentel.

CRIANDO DESAFETOS

Há diversos desafetos entre Lucas e o secretariado de Greca de Macedo.

Cercado de um grupo jovem, Lucas tem nomes dentro de cada secretaria municipal já empoderados e que ficarão mais fortes com sua nomeação.

Eduardo Pimentel: nem o vice é poupado da ‘espionagem…’

Isto deu uma ducha de água fria entre os secretários, temerosos de que serão descartados em uma possível reeleição de Greca de Macedo.

CASO DO VICE-PREFEITO

A nomeação também provocou grande desânimo no gabinete do vice-prefeito.

Lucas aponta diariamente sua metralhadora giratória contra o vice de Greca de Macedo. Usando das redes sociais para monitorar Eduardo Pimentel, Lucas tem trabalhado internamente para provocar a ruptura entre o prefeito e o vice. Apesar da persistência e resiliência de Pimentel, há sinais que o vice já começa a repensar a aliança com Rafael Waldomiro Greca de Macedo.

O cenário tranquilo para a reeleição pode ruir por causa da escolha apaixonada de Greca. É a história se repetindo em tom de farsa.


UniBrasil homenageará mulher paranaense

Dirce Doroti Merlin Clève: contos

Em 21 de março de 2019, às 19 horas, no Auditório Cordeiro Clève, como já é habitual, no Mês da Mulher, o UniBrasil Centro Universitário homenageará mulheres que, com seu trabalho, empenho e dedicação auxiliam na construção do estado do Paraná, com a realização de mais um Projeto Mulheres Paranaenses.

AS CONTEMPLADAS

Na data, em que serão contempladas trabalhadoras de destaque em variadas atividades: artistas, empresárias, professoras, políticas, ativistas, todas profissionais de sucesso e relevantes para o Paraná e o Brasil, a meta é pontuar a importância de todas as mulheres através destas representantes, e mostrar suas práticas laborais, de cultura, lazer e solidariedade. Cada Escola faz uma indicação de homenageada externa à instituição dentro de sua área de conhecimento, pessoas de relevância em nossa comunidade, como forma de posicionar o UniBrasil quanto à questão de gênero e demonstrar atenção ao trabalho feminino em nossa sociedade.

COMUNIDADE EXTERNA

Uma outra mulher também da comunidade externa, significativa entre aquelas que auxiliam o bom desempenho administrativo da instituição é designada como Amiga do UniBrasil, justo reconhecimento àquelas que permitem que melhor realizemos nossas metas de gestão, trazendo conforto e efetividade às funções de nossos auxiliares técnico-administrativos.

COMUNIDADE INTERNA

Além das homenageadas externas, são destacadas também algumas mulheres da comunidade interna, entre professoras, funcionárias e alunas, que tenham sobressaído no dia-a-dia pela solidariedade, eficiência e empatia; pessoas cheias de energia que transmitem alegria de viver e tornam o clima organizacional mais leve e divertido.

CONCURSO DE CONTOS

Nesta mesma data, será efetuada a entrega das premiações do Concurso de Contos Dirce Doroti Merlin Clève, voltado exclusivamente às jovens autoras, no intento de estimular a produção literária feminina.

O projeto procura garantir o conhecimento acadêmico sobre as desigualdades ainda existentes na sociedade brasileira; e uma delas refere-se às relações de gênero, menos relacionada à questão econômica e mais ao ponto de vista cultural e social, dando relevância à participação da mulher dentro de espaços não familiares, como escolas, movimentos sociais, meios empresariais e outros.

(Assessoria de Imprensa da UniBrasil)

UniBrasil

Bicicletas e patinetes a serviço da comunidade

As bicicletas da Yellow

O curitibano iniciou 2019 com a chegada da Rede Yellow – um sistema de compartilhamento de bicicletas e patinetes elétricos que já se espalha por todo o país. As “amarelinhas”, que podem ser retiradas ou deixadas em qualquer ponto da cidade, equipadas com GPS, fazem sucesso, e agora a Yellow ganha a parceria da rede farmacêutica Raia Drogasil.

Além de Curitiba, a novidade também está nas redes de São Paulo, Brasília, Belo Horizonte, Vitória, Florianópolis e Recife.

MOBILIDADE

Vitor Bertoncini: marketing da Raia

De olho em soluções novas e nas políticas de mobilidade e sustentabilidade, o diretor de Marketing da Raia, Vitor Bertoncini, diz que a cessão de espaços para entrega ou retirada de até cinco patinetes e dez magrelas nos estacionamentos de 15 farmácias de oito capitais, é o incentivo ao uso de transportes sustentáveis. À Yellow, segundo ele, cabe toda a organização e o suporte aos usuários. Uma excelente notícia para quem quer se exercitar e deixar o carro em casa.

PERCALÇOS

A pioneira experiência curitibana, da Yellow, viveu instantes de dúvida, como o furto de duas bicicletas – logo recuperadas pela polícia -, e o lançamento de uma terceira num dos rios da cidade. Em outras ocasiões, pneus foram murchados e furtados depois de as bikes terem sido deixadas em um ponto qualquer – dada a ausência dos chamados “cocks”, que são pontos fixos para retirada ou entrega. Mas também esses impasses foram contornados, graças ao sistema GPS disponível nos veículos.

CAMPANHA EDUCATIVA

Nossa sugestão é de que a Yellow, em conjunto com as autoridades de trânsito nas cidades em que opera, desenvolva campanhas educativas voltadas aos ciclistas que trafegam irregularmente em calçada, canaletas do sistema de transporte, calçadões ou trechos de uso exclusivo para pedestres. Iniciativas dessa natureza certamente darão mais valor ao sistema de transporte alternativo identificado pelos patinetes e bicicletas amarelas, causando uma boa impressão à comunidade em geral.

“CURITIBA, CHEGUEI”

As placas com o indicativo “Curitiba, cheguei”, afixadas na parte frontal das bicicletas, podem perfeitamente sinalizar o propósito de a Yellow, em parceria com empresas e autoridades municipais, mergulhar num grande projeto de humanização do trânsito, para mostrar até onde vai uma boa política de transporte alternativo guiado pelo bom senso. Se as amarelinhas servirem como referência para quem tem responsabilidade e circula exclusivamente nas ciclovias, ciclofaixas e afins, ou no lado direito de ruas e avenidas, mantida a distância de 1,5 metro entre a bicicleta e os demais veículos, a cidade agradece e se orgulha em seguir o exemplo dos países do Primeiro Mundo. Uma ideia a ser pensada. Em conjunto. (R.G.U.)


“Prisioneiros da Geografia” faz exceção para o Sul

Escritor e jornalista Tim Marshall

Recomendo, até porque seu conteúdo está muito presente em minhas cogitações, pois o li no Carnaval, a leitura de “Prisioneiros da Geografia”, do jornalista norte-americano Tim Marshall.

O livro faz uma ampla imersão na geografia dos continentes, identificando países e regiões premiados ou limitados por sua geografia.

Os Estados Unidos, com as amplas marchas para o interior e para o Oeste, fugindo da “fatalidade” das terras litorâneas, bem como vendendo terras públicas para colonos, têm seu sucesso largamente apreciado pelo autor.

“BÊNÇÃOS”

Isso sem contar com as “bênçãos” que foram as compras à Espanha de áreas em que se localizam na Flórida, Califórnia, Novo México e Texas. E também Lousiana (França) e Alasca (Rússia).

CERRADO E O SUL

O Brasil não está entre os mais privilegiados pela geografia, segundo ainda Marshall, pois é fortemente limitado por barreiras como as florestais. Ele abre exceção: o Sul do Brasil e o Cerrado – “graças ao milagre da tecnologia agrícola brasileira”, são dos melhores trunfos do país num momento em que o mundo reclama por mais comida.

 

 


DOS LEITORES

A boa notícia vem com Antonelli

Jorge Narozniack, Mussa José Assis, Hélio Puglielli, Solda…

Aroldo,

A informação de que o jornalista Diego Antonelli, ex-Gazeta, vai à luta para elaborar um denso e profundo trabalho sobre a História da Imprensa do Paraná é mais que louvável.

Penso estar no caminho certo, uma vez que, dispondo de tempo e de instrumentos capazes de guiá-lo nessa jornada, estará pronto para ouvir depoimentos, averiguar anotações e colocar no papel as tanta histórias que serão certamente contadas pelos nomes citados na newsletter deste 1 de março.

JORNADA LONGÍNQUA

Ao ler a notícia, voltei no tempo para recordar o início da jornada, no longínquo 1968, primeiro, como repórter/redator das rádios Independência e Guairacá, para, após, iniciar a longa jornada na mídia escrita, primordialmente no velho e saudoso “O Estado do Paraná”. Maí, Walter Schmidt, Adherbal Fortes e os demais nominados – praticamente com todos tive a honra de conviver nas redações.

NO SINDICATO…

Com Airton Baptista, no raiar dos anos 1970, quando juntos estávamos na diretoria do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná.

Hélio de Freitas Puglielli? Como não recordar de nosso grande e benigno mestre quando nos bancos acadêmicos de Jornalismo, na velha Católica da Rua XV? Dante – e aí somaria outro nome um pouco esquecido, o do nosso sempre presente Solda; afinal, foram ambos que, em 1974, elaboraram o convite de meu casamento: duas singelas escovas de dente em foto preto-e-branco amarradas por um laço.

HISTÓRICAS OLIVETTI

Mas voltemos ao projeto de Antonelli, que merece aplausos. Penso que, inclusive, cada um de nós terá, sim, muito o que dizer, o que contar, o que lembrar se literalmente viajarmos às velhas linotipos, às calandras (instrumentos que sequer a nova geração de comunicadores supõe o que seja). Um saudoso olhar ao passado nos remete às heroicas máquinas de escrever Olivetti Lexikon 80 e às réguas gráficas para diagramação, com medidas antigas como cíceros e paicas (ainda tenho a minha do tempo de diagramador na Tribuna, mais tarde no I&C).

Em resumo: enquanto reservas históricas de um tempo, aplaudamos o que Antonelli haverá de contar enquanto marco de um tempo. Boa sorte neste empreendimento, Diego.

RAUL GUILHERME URBAN, Curitiba

PS: Na galeria dos que já nos deixaram, e que Antonelli merecia citar, estão (in memoriam), entre outros, Renato Schaitza, Gilberto Grassi, Gilberto Mezzomo, Jorge Narozniack, Mussa José Assis, Daquino Borges, e mais tantos a lembrar!


Escolas abertas nos fins de semana para esportes e lazer

Reunião dos secretários Ney Leprevost e Renato Feder: escola aberta à comunidade

O secretário da Justiça, Família e Trabalho (Sejuf), Ney Leprevost, esteve reunido nesta sexta-feira, com o secretário da Educação, Renato Feder, o procurador de Justiça e coordenador da área de Direitos Humanos do Ministério Público do Paraná (MP-PR), Olympio de Sá Sotto Maior Neto, com a coordenadora do Núcleo de Promoção da Igualdade de Gênero do MP-PR, promotora Ana Carolina Pinto Franceschi, o diretor da escola superior do Ministério Público, promotor Eduardo Cambi e o promotor Rafael Moura para reunião sobre o combate a violência nas escolas.

CARTILHA

Uma das ações será a elaboração de uma cartilha informativa sobre o combate da violência nas escolas, direcionada para os professores e servidores e uma cartilha/gibi para as crianças e adolescentes, adiantou o secretário da Justiça, Família e Trabalho, Ney Leprevost.

“Seguindo a linha estabelecida pelo governador vamos trabalhar em parceria com diversos órgãos governamentais para e com o Ministério Público para coibir de vez a violência nas escolas do Paraná”, disse Ney.

FINS DE SEMANA

Outra sugestão que será estudada é a abertura das escolas nos finais de semana para proporcionar atividades culturais, profissionalizantes e recreativas para a população. “Vamos buscar uma participação efetiva dos pais e da comunidade para aproximar os mesmos do ambiente escolar”, concluiu Ney.


OPINIÃO DE VALOR:

Desenvolvimento econômico e o novo governo do Brasil

As expectativas da indústria para os próximos quatro anos

Por Rommel Bommel Barion (*)

Rommel Barion; Jair Bolsonaro: que esperar do Governo?

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), há no Brasil 52 milhões de cidadãos vivendo com R$ 387,07 por mês. Você seria capaz de viver com esse valor? E com R$ 220? Impossível? Mas, ainda de acordo com o IBGE, há 24,8 milhões de brasileiros vivendo com menos do que isso. Afinal, não somos um país rico?

Dados levantados pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), há ainda outros 4,4 milhões de brasileiros que “vivem” com míseros R$ 73,00, valor equivalente a aproximadamente 18 litros de gasolina, ou dois ingressos de cinema, em uma vida de sofrimento e de luta diária. São quase cem milhões de pessoas vivendo em condições precárias, e se você ganha mais que R$ 1 mil por mês, então não faz parte desse contingente.

BREVE COMPARAÇÃO

Se fizermos uma breve comparação das condições de competitividade das nossas empresas com empresas de países com ambiente menos hostil aos negócios, vemos que a diferença é abissal. A produtividade de nossas empresas é baixa, de modo geral, em relação aos nossos competidores internacionais. Evidente que temos setores muito competitivos em nosso país, mas a produtividade de um brasileiro é a metade daquela de um americano, ou talvez até menor, visto que está entre as mais baixas do mundo – segundo o International Institute for Management Development, a produtividade por pessoa empregada, por hora, no Brasil, é de US$ 19,52, enquanto a média dos países analisados é de US$ 40,54.

EMPRESÁRIOS: BALUARTE

Empresários são o baluarte do desenvolvimento, gerando riquezas, criando empregos, melhorando a condição de vida da comunidade em que estamos inseridos, mas a competição frente a tal discrepância é uma luta inglória.

Essas diferenças não são por acaso. Nossa infraestrutura é precária, nossa educação é um descalabro e as nossas leis são as mais estúpidas do mundo. Vivemos em um emaranhado de normas, regras, temos de lidar com profissionais desqualificados, irresponsabilidade por parte de alguns ativistas sindicais, falta de segurança, entre outros.

SÃO 3.796 NORMAS

Uma empresa brasileira despende tempo para seguir 3.796 normas tributárias, uma fila interminável de papel que pode chegar a 6 quilômetros de normas, e é por conta disso que ocupamos a 109ª posição no ranking de facilidade de fazer negócios – atrás de Zâmbia, Tonga, Guatemala e Namíbia –, de acordo com o Banco Mundial.

Não existe milagre. O maior programa social se dá pelo desenvolvimento econômico.

É muito difícil gerar riqueza no ambiente em que vivemos no nosso país.

Convivemos com milhares de profissionais mal remunerados, sem instrução, sem saúde, e cada vez mais abandonados pelas instituições e sem proteção, muitos deles sem qualquer perspectiva de vida e amor próprio.

Eles vivem a tragédia que cai diariamente em seus colos, enquanto deveriam ser a prioridade do governo.

E O NOVO GOVERNO?

Se você ainda está lendo esse texto, você não faz parte dessa parcela da sociedade. Assim, eu pergunto: O que podemos esperar do novo governo? A esperança reacendeu, os empresários voltaram a confiar no país, novos investimentos, melhor infraestrutura, segurança jurídica. Esses são apenas alguns dos depoimentos entusiasmados e cheios de patriotismo.

O empresário é um eterno otimista e, na sua grande maioria, está confiante de que dias melhores estão por vir, tanto para seus negócios quanto para a comunidade em que está inserido.

O Inpar – Instituto Paranaense de Reciclagem, instituição sem fins lucrativos, representante de parte da indústria de alimentos do estado do Paraná, que tenho o privilégio de presidir – vem investido em ações que se traduzem na melhoria da condição de vida da comunidade de catadores de resíduos e de suas associações, por meio de investimentos em equipamentos, capacitação, acompanhamento de ações em campo, entre outras.

MEIO AMBIENTE

Também participamos de ações com a finalidade de preservação do meio ambiente, orientando sobre o descarte correto de resíduos e, dessa forma, reduzindo a contaminação do ambiente e a poluição dos mares.

Nossas ações podem representar um grão de areia no deserto, mas, por mais tímidas que pareçam, elas fazem a diferença. Estamos contribuindo com parte daqueles cidadãos citados no início desse texto e também com o seu entorno. Somos empresários responsáveis e comprometidos com o desenvolvimento do nosso estado, e esperamos que o recém-empossado governo tenha um olhar para esses desafios que a população vem enfrentando dia após dia.

A FAVOR DOS NEGÓCIOS

Somente gerando uma condição favorável aos negócios, com regulamentação mais simplificada, segurança jurídica e transparência é que os empregos voltarão. Assim, haverá melhora na renda da população, criando um clima virtuoso e permanente de desenvolvimento econômico.

Desejamos sucesso ao novo governo e deixamos aqui o nosso enorme interesse em participar e colaborar com as ações que possam se traduzir em melhoria do ambiente econômico e social do nosso querido estado do Paraná.

(*) Rommel Bommel Barion, Presidente do InPAR – Instituto Paranaense de Reciclagem –, e do Sincabima – Sindicato das Indústrias de Cacau e Balas, Massas Alimentícias e Biscoitos, de Doces e Conservas Alimentícias do Paraná.

Cacau

ATUALIDADES:

Campanha da Fraternidade 2019: uma reflexão sobre as políticas públicas no Brasil

Fraternidade e solidariedade são fundamentais

O que ela busca é aprofundar um tema que favoreça a conversão pessoal e social

Por Dom Aparecido Donizeti, bispo auxiliar da Arquidiocese de Porto Alegre / Aleteia

No desejo de fortalecer mais a fraternidade e solidariedade entre todas as pessoas, há várias décadas, a Igreja no Brasil aproveita a Quaresma, tempo especial de conversão e preparação para a Páscoa do Senhor, para o lançamento da Campanha da Fraternidade. O que ela busca é aprofundar um tema que favoreça a conversão pessoal e social de maneira que nos prepare melhor para a Celebração do Mistério da paixão, morte e ressurreição de Jesus Cristo.

O tema da Campanha da Fraternidade para esse ano de 2019 é “Fraternidade e Políticas Públicas” com o seguinte lema: “Serás libertado pelo direito e pela justiça” (Is. 1,27). O objetivo geral dessa CF, conforme o texto base da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), é “estimular a participação em Políticas Públicas, à luz da Palavra de Deus e da Doutrina Social da Igreja, para fortalecer a cidadania e o bem comum, sinais de fraternidade”. Alguém até poderia questionar o que tem a ver esse tema com a Quaresma e, sobretudo, com a Páscoa do Senhor.

A resposta seria a partir da compreensão que temos do Mistério Pascal de Cristo. Sua paixão e morte foi consequência de uma entrega sem dúvida à vontade do Pai. Essa vontade está bem clara no evangelho de João, quando Jesus afirma: “Eu vim para que tenham vida, e a tenham em abundância” (Jo 10,10). Muitos, sobretudo as autoridades religiosas e políticas da época, não acolheram a proposta de Jesus e o condenaram à morte e morte de cruz.

VERDADEIRO DISCÍPULO

Portanto, quanto mais uma pessoa compreende a mensagem de salvação de Jesus, e busca viver a partir dessa mensagem, vai buscar crescer como verdadeiro discípulo Dele. Da mesma forma que Jesus fez de sua vida uma doação para que todos alcançassem a verdadeira vida, o discípulo nos dias de hoje vai procurar também usar todos os meios para promover e defender a vida de todos e, especialmente, daquela pessoa cuja vida esteja desfigurada pelas situações de pecado e injustiças sociais. A participação consciente e ativa nas Políticas Públicas é uma forma concreta para, à luz da fé, viver como verdadeiros discípulos missionários de Jesus no mundo de hoje.


AÇÕES DE GOVERNO:

Paraná apresenta sinais de retomada econômica mais forte

Estado começa o ano com uma série de indicadores positivos relativos à abertura de empresas, geração de emprego formal. (Foto: Arnaldo Alves / ANPr).

Estado começa o ano com uma série de indicadores positivos relativos à abertura de empresas, geração de emprego formal e renda média. Cenário favorável amplia operações de crédito e reduz a inadimplência.

O Paraná dá sinais de retomada econômica mais forte que a do País no início deste ano. É o que apontam os primeiros indicadores sobre 2019 já divulgados pelos órgãos oficiais. Com aumento de 14,6% na abertura de empresas e criação de 9,1 mil novos empregos formais em janeiro, o que representa 26,6% do total nacional de 34.313 vagas, a renda média dos trabalhadores subiu.

Este cenário favorável injetou maior volume de dinheiro na economia estadual e ampliou as operações de crédito, enquanto o nível de inadimplência caiu.

PARCERIAS

Em dois meses de mandato, o governador Carlos Massa Ratinho Junior já firmou algumas parcerias com objetivo de atrair novas empresas que gerem mais emprego e renda no Estado.

No dia 14 de fevereiro, o governador assinou um protocolo de intenções com a Federação das Indústrias do Paraná (Fiep) visando um trabalho integrado com a Paraná Desenvolvimento, agência responsável pela prospecção de novos negócios ao Estado, para fortalecer o setor industrial paranaense no cenário nacional e internacional.

No dia 19, no evento de lançamento do novo modelo da fábrica da Volkswagen em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, o governador afirmou que o Paraná está aberto a investimentos produtivos nacionais e de outros países e que o Governo do Estado colabora e apoia pequenos, médios e grandes empresários para que gerem mais empregos e movimentem a economia.

POLO TECNOLÓGICO

Ratinho Junior já declarou que o objetivo é desenvolver as habilidades regionais do Paraná e identificar novas vocações. A viagem do governador ao Vale do Silício (EUA), na semana passada, é outra iniciativa voltada a transformar o Estado em um grande polo tecnológico, com a criação de startups para o setor agropecuário. Além de conhecer cases inovadores, foram firmados acordos de cooperação técnica, capacitação, transferência de tecnologia e inovação.