Isabel Furini *

 

 

 Profissionais da área editorial, bibliotecários e leitores interessados em saber um pouco mais sobre a interessante arte dos livros podem consultar, entre outros, duas obras da Ateliê editorial:

“A Arte Invisível ou a Arte do Livro” e “O Design do Livro”.

 RESENHA: “A Arte Invisível” 

Ao folhear um livro penetramos em um universo diferente, nem sempre – ou quase nunca – percebemos as escolhas gráficas e tipográficas feitas pelo designer, mas o trabalho desse profissional pode tornar a leitura mais fácil e agradável. 

“A Arte Invisível” (São Paulo: Ateliê, 2008, 160 páginas) organizado pelo professor e editor Plínio Martins Filho, é um pequeno livro (edição de bolso), mas prima pela qualidade, capa dura, excelente diagramação, e citações cuidadosamente selecionadas. A primeira citação é de Ricahard Hendel: “Se a impressão é a arte negra, o design do livro pode ser a arte invisível”. Essa frase inspirou o título do livro. 

Plínio Martins Filho é diretor-presidente da Edusp, doutor em editoração pela USP e atua no mercado editorial há mais de 35 anos. Ele sintetiza a seriedade de sua postura como editor: “A qualidade gráfica final de um livro nem sempre contribui para a venda do livro, mas revela se o editor, se o produtor leva a sério seu produto como um todo, ou se ele quer apenas causar impacto”. 

“A Arte Invisível” é uma leitura agradável, especial para bibliotecários, diagramadores, ilustradores, ou seja, profissionais do livro e para bibliófilos. 

RESENHA: O Design do Livro 

A obra O Design do Livro (São Paulo: Ateliê, 2006, 224 páginas), de Richard Hendel, apresenta conceitos fundamentais e de grande valia para os profissionais do meio editorial 

Criar isomorfia entre o mundo da escrita e o mundo da imagem, entre as ideias do escritor e o visual do livro, esse é o maior desafio do designer de livros. Algumas pessoas podem pensar que o objetivo desse profissional é só criar um objeto bonito, mas o trabalho do designer deve ter bases mais profundas. O designer precisa descobrir a melhor maneira de acompanhar o ritmo, as palavras do autor. 

O premiado artista gráfico americano Richard Hendel, diretor de produção e designer da editora da University of North Carolina e outros oito designers (David Bullen, Ron Costley, Richard Eckersley, Sandra Strother Hudson, Mary Mendell, Anita Walker Scott, Humphrey Stone, Virgina Tan) apresentam, nesse volume, alguns de seus mais importantes projetos visuais. Hendel analisa a escolha do formato, a seleção dos tipos, a disposição da mancha, entre outros aspectos. 

O obra foi traduzida por Geraldo Gerson de Souza e Lúcio Manfredi. 

 PALESTRA: Como Escrever livros de Ficção, em 22 de março, às 19:30horas, nas Livrarias Curitiba do Shopping Estação. Entrada gratuita. 

A palestra estará fundamentada na obra O Livro do Escritor, de minha autoria, publicada em 2009, pela editora Instituto Memória de Curitiba.

  O famoso aforismo chinês fala: ” ter um filho, plantar uma árvore e escrever um livro”. Escrever um livro é um sonho para muitas pessoas, e o Livro do Escritor procura com análise de contos e romances de autores consagrados e sugestão de exercícios, auxiliar futuros escritores na difícil tarefa de aprimorar seus textos. Tópicos que serão abordados na palestra: Os segredos da ficção. O romance, construção de personagens. Como escrever um conto instigante. 

 MINICRÔNICA: Mente Positiva

Armando saiu de casa com R$ 10,00 na mão para comprar cigarros. O vento levou a nota que caiu aos pés de um mendigo, um homem alto e de aspecto hostil. Armando olhou o homem e pensou: O dinheiro tem seu próprio caminho traçado. Se a nota caiu perto do mendigo é porque o mendigo fará bom uso dela, e eu posso aproveitar para deixar de fumar… Conclusão: o medo pode ser é um fator positivo na vida de uma pessoa. 

  * Isabel Furini é escritora, palestrante e consultora literária. Em 2007, redigiu o livro: SENAC PR 60 Anos. Em 2009, publicou O Livro do Escritor, pela editora Instituto Memória, de Curitiba.