Um jogo marcado por acusações mútuas, perseguições, traições e ranger de dentes. A eleição realizada ontem na AMAI (Associacão dos militares ativos, inativos e pensionistas da Polícia Militar do Paraná) está rendendo mais do que especulações decorrentes do pleito eleitoral.

A abertura de um Inquérito Policial Militar, pelo atual Comandante-Geral, coronel Péricles de Matos, contra o ex-Comandante Coronel Mauricio Tortato, abriu um conflito entre o alto comando e as demais associações e oficiais da Reserva Remunerada. Na tropa, a ação também soou muito mal, pois Tortato guarda muitos admiradores na ativa.

O inquérito seria para apurar irregularidades denunciadas pelo presidente da AMAI, Cel Furquim. Ocorre que todas as denúncias são “requentadas”. Todas as queixas do Presidente da associação já haviam sido objetos de apuração pelos Promotores de Justiça do Patrimônio Público e pela Justiça Militar Estadual, sendo arquivadas ha mais de um ano, por improcedência.

Negócios da China

O governador Carlos Massa Ratinho Junior apresentou na quarta-feira (24), em Xangai, os projetos de infraestrutura do Paraná a executivos da China Communication Construction Company (CCCC), grupo empresarial que opera diversos ativos de infraestrutura, incluindo rodovias, ferrovias, metrôs, portos e aeroportos. O governador lidera uma missão internacional ao país asiático que segue até esta sexta-feira (26).

Bolsonaro versus Mourão

O fogo amigo continua alto no Palácio do Planalto. Embora o presidente Jair Bolsonaro peça mais sintonia e menos ruído na equipe, nos bastidores ele também critica o vice Hamilton Mourão. Pouco antes de a nova ofensiva contra Mourão vir à tona, o próprio presidente fez reparos à atuação do general, durante um voo de Brasília para o Rio, em conversa com senadores e um deputado. A impressão de passageiros daquela comitiva foi a de que, para Bolsonaro, Mourão se movimenta como uma espécie de presidente paralelo, mais interessado em holofotes.

Multa para Loures

O Tribunal de Contas da União condenou Rodrigo Rocha Loures, pai do ex-deputado aliado de Michel Temer que apareceu em filmagem da polícia correndo com uma mala de dinheiro da JBS, a multa de R$ 4,6 milhões por má gestão do Sesi do Paraná no ano de 2004.

Marajás vetados

Acionistas da Sanepar negaram o aumento de 12,2% na remuneração dos diretores, membros de conselhos e de comitês em assembleia geral realizada nesta quarta-feira (24), em Curitiba. De acordo com a proposta da administração, que foi vetada, a remuneração anual total destes executivos aumentaria dos atuais R$13.918.443,49 para R$ 15.622.434,79.

Esperando o Supremo

 

Após oito anos e três meses, o Supremo Tribunal Federal (STF) colocou na pauta desta quarta-feira (24), em votação extraordinária, a Ação Direta de Inconstitucionalidade, proposta pelo Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), contra a aposentadoria vitalícia de ex-governadores no estado do Paraná. O tema também está sendo tratado na Assembleia Legislativa Paraná (ALEP) através da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 01/2019, apresentada pelo Poder Executivo.

Revogar a Constituição

A PEC pede que seja revogado o artigo da Constituição do Estado do Paraná, que estabelece o pagamento de subsídio mensal e vitalício para quem tiver exercido em caráter permanente o cargo de governador do Estado. A Alep montou uma Comissão Especial para analisar a matéria, conforme determina o Regimento Interno, que faria uma reunião justamente nesta quarta-feira (24) para votar o relatório do deputado Cobra Repórter (PSD) e a emenda do deputado Homero Marchese (PROS), para seguir para o Plenário.

Bolsonaro veta

O presidente Jair Bolsonaro vetou uma campanha publicitária do Banco do Brasil que mostra jovens negros, brancos e que representam diversidade. De acordo com o presidente do BB, Rubem Novaes, a retirada contou com a sua aprovação, que acabou culminando também com a saída do diretor de Comunicação e Marketing do Banco do Brasil, Delano Valentim.

Diversidade não

A campanha publicitária divulga o serviço de abertura de conta corrente pelo aplicativo do banco. No ar desde o início de abril, a propaganda foi suspensa no último dia 14 depois que o presidente assistiu ao filme. Participaram atores jovens, negros, tatuados e uma transexual.  Desde que Novaes assumiu o comando do Banco do Brasil, delegou às suas equipes de marketing e de tecnologia um plano para atrair jovens com uma linguagem mais moderna e com serviços via internet capazes de competir com as fintechs, hoje uma ameaça concreta aos maiores bancos e que têm entre os jovens seus maiores adeptos.

PSB contra reforma

O PSB decidiu fechar questão contra a proposta de reforma da Previdência apresentada pelo presidente Jair Bolsonaro em reunião de seu Diretório Nacional nesta quinta-feira. O diretório do partido voltará a se reunir para analisar o relatório a ser apresentado na comissão especial da Câmara instalada nesta quinta-feira para debater o mérito da Proposta de Emenda à Constituição (PEC). Caso a linha da reforma seja mantida, o partido poderá reafirmar o fechamento de questão.

Antipopular

“O espírito geral da reforma e o projeto político antipopular que a alimenta afrontam os princípios programáticos do PSB, devidamente formalizados em seu manifesto e programa”, afirma resolução aprovada nesta quinta-feira. “Evidencia essa contradição irremediável, o ataque impiedoso ao sistema de seguridade social, cujo fundamento é a solidariedade social, sem a qual não se pode falar com propriedade de uma sociedade democrática e inclusiva.” Instalada nesta quinta-feira, a comissão especial será presidida pelo deputado Marcelo Ramos (PR-AM) e relatada pelo deputado Samuel Moreira (PSDB-SP).

Esperando, esperando

Todavia, com a decisão do Supremo de colocar na pauta de votação o relatório da Ministra Rosa Weber nesta quarta-feira, o presidente da Comissão, deputado Jonas Guimarães (PSB) decidiu aguardar o resultado antes de dar sequência aos trabalhos na Assembleia Legislativa.

Fogo amigo

o Ministério da Economia apresentou contas mais detalhadas sobre o impacto em diversos segmentos da reforma da Previdência, que produziria uma economia de R$ 1,237 trilhão em 10 anos. Quase no mesmo horário, em café da manhã com jornalistas em Brasília, o presidente da República disse que seria muito ruim se a reforma economizasse apenas R$ 800 bilhões, pois a crise explodiria em 2022, já no fim do seu mandato. Ao botar o sarrafo da reforma em R$ 800 bilhões, Jair Bolsonaro reduziu em mais de um terço a meta de economia do ministro Paulo Guedes. Ou precisamente, 35,2%. Isso é que é fogo amigo.

‘Interesse crocodilal’

O vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), filho do presidente Jair Bolsonaro, não para. Na manhã desta quinta-feira, 25, ele voltou a criticar o vice-presidente da República, Hamilton Mourão (PRTB). “Esta cartinha está até bem elegante. O que se vê desde a época da transição é um ‘interesse’ ‘crocodilal’ em situações desnecessárias. Aos que pedem para eu parar, digo que se informar ou não é uma escolha e estamos todos no mesmo barco chamado Brasil, mas nos recuperando!”, escreveu Carlos no Twitter.

Novos empregos

O Paraná segue entre os cinco estados que mais criaram empregos formais no país no primeiro trimestre de 2019, de acordo com dados divulgados nesta quarta-feira (24) pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), vinculado ao Ministério do Trabalho. No total, o Paraná gerou 27.114 novas vagas no ano, com 326.850 postos de trabalho abertos ante o fechamento de 299.736. O número representa uma variação positiva de 1,04%, fechando o trimestre como o quinto estado que mais contratou, atrás apenas de São Paulo, Minas Gerais, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

Combater ao contrabando

A Secretaria Estadual da Fazenda inicia, na próxima sexta-feira (26), as articulações para criar uma força-tarefa para combater os crimes de contrabando e descaminho no Paraná. A iniciativa prevê ainda a criação de um disque denúncia para facilitar a desarticulação de grupos que atuam nas atividades ilícitas. O secretário da Fazenda, Renê de Oliveira Garcia Júnior, agendou audiências com representantes de dois segmentos afetados diretamente por este tipo de prática. Às 11h, Renê Júnior se reúne com representantes dos produtores e da indústria do fumo. Às 14h será a vez dos representantes dos produtores de vinhos e destilados.

 

Durou pouco

A “nova fase” anunciada por Carlos Bolsonaro, o pitbull do presidente, durou menos de 24 horas. Ele sinalizou uma pausa na segunda-feira (22) e voltou na terça-feira ao ataque, tuitando contra o general Hamilton Mourão. Fez uma série de observações para a palestra que ele fez em Washington, chamando-o de “o tal de Mourão”, enquanto o vice era elogiado. Aí, novamente, militares fizeram pressão sobre o presidente e ele resolveu dizer que “tem apreço pelo vice”, mas que “sempre estará ao lado” de seu filho.

 

Revelação

O general Hamilton Mourão entrou na chapa do PSL quase que por acaso. A primeira opção era a deputada Janaina Paschoal (dois milhões de votos para Assembleia paulista), depois foi o ministro Augusto Heleno, que se filiou no partido errado e só depois é que Mourão entrou em cena. Foi eleito e não pode ser demitido do cargo. E foi uma revelação: Mourão aposentou, de cara, ideias radicais e adotou tom conciliador, marchando na direção de parlamentares e empresários. E dele jamais se ouviu qualquer palavra contra Bolsonaro.

 

Agradecimento

O ministro da Economia, Paulo Guedes, agradeceu a Rodrigo Maia, presidente da Câmara, pela aprovação do projeto da reforma da Previdência, na Comissão de Constituição e Justiça da Casa. Guedes acredita que Maia foi fundamental para esta primeira etapa. O democrata também elogiou o ministro, mas por outro lado, criticou a articulação política do governo. Maia acha que o presidente Jair Bolsonaro tem que se envolver mais para que a aprovação final da reforma seja concretizada.

 

Sem comemoração

A decisão da 5ª Turma do STJ de confirma, em terceira instância, a condenação de Lula pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro no caso do tríplex do Guarujá, deixou os petistas inconformados.  Nem o fato dos ministros terem recalculado a pena, reduzindo de 12 anos para oito anos, dez meses e 20 dias, animou os aliados do ex-presidente. O pessoal da oposição também não comemorou. Em setembro (se não ganhar novas penas), Lula poderá obter o regime de prisão domiciliar, com semiaberto.

 

Sem candidatura

Como teve sua pena reduzida no caso do tríplex, Lula, que tem 73 anos, ficaria sem poder se candidatar por 16 anos. Ou seja, Lula não pode aparecer nas urnas até 2034, quando estará com 95 anos. Mais: se for beneficiado com prisão domiciliar, o líder petista continuará com limitações para receber visitas e impedimento para participar de atos públicos ou viajar pelo Brasil. E o PT continuará carregando sua campanha de “Lula livre”.

 

“Vaquinha”

Os correligionários de Lula já estão se mobilizando para fazer uma “vaquinha” pela internet e conseguir os R$ 2,4 milhões que o ex-presidente terá de pagar de multa, conforme sentença do STJ. Quando José Dirceu fez vaquinha semelhante, conseguiu R$ 1,083 milhão, enquanto sua dívida era de RS 971 mil. Detalhe: há algum tempo, Paulo Okamoto queria ver se conseguia um dinheirinho pela internet para o Instituto Lula que estava na penúria e só conseguiu trocados.

 

Proibido

A foto do presidente Jair Bolsonaro, no último fim de semana, circulando, à bordo de uma motocicleta, pelas ruas do Guarujá, em São Paulo, mostrava o Chefe do Governo sorridente. Ou seja: usava capacete, como manda a lei, só que com viseira levantada. Se fosse qualquer outra pessoa seria punida com a cassação do CNH.

 

Promessa

Onyx Lorenzoni avisou que o governo liberará R$ 10 milhões em emendas por ano até 2022 para cada deputado que votar a favor da aprovação da proposta da reforma da Previdência. A promessa foi feita na casa do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, na presença de líderes do DEM, PP, PSD, PR, PRB e Solidariedade. A maioria achava que Onyx falava em nome do presidente Bolsonaro, alguns tinham dúvida do pagamento e mais uns poucos já diziam que jamais “veriam a cor dessas emendas”.

 

Ainda passaportes

Enquanto Bolsonaro manda conceder novos passaportes diplomáticos para Edir Macedo e sua mulher, na Câmara dos Deputados, todos os novos parlamentares já estão com seus passaportes. Até março, já tinham sido concedidos 155 passaportes diplomáticos, dos quais 78 para parlamentares e 77 para cônjuges e filhos. E sem quaisquer ônus. Considerados os passaportes emitidos em anos anteriores, existem 917 documentos nas mãos de deputados e seus familiares. Detalhe: existe uma portaria de 2011 em vigor que restringe emissão de passaportes para familiares de deputados.

 

Outras mordomias

Os novos deputados, embora os mandatos estejam apenas no início, já gastaram quase R$ 5 milhões para divulgar suas realizações. Contrataram serviços de marketing digital, publicações em sites, jornais e revistas, panfletos e informativos.  O valor é maior do que os R$ 4,8 milhões pagos até março para “monitoramento e alerta de desastre naturais”. Mais: desde 2015 vigora decreto para impedir ida e volta de ministros e autoridades às suas residências, em aviões da FAB, nos finais de semana. Ninguém levou a sério: entre maio de 2016 e março de 2017, o MPF constatou que dos 781 transportes realizados, 238 tiveram como destino/ origem residências de ministros/ autoridades.

 

Nem pensar

Lula é avesso a leitura e trabalho e perdeu a chance de ganhar liberdade com a decisão do STJ que reduziu sua pena para oito anos e 10 meses. Se tivesse trabalhado desde que foi preso, em abril de 2018, já teria abatido cerca de quatro meses de pena. Outras opções seria submeter-se a curso ou leitura de livros. A pena de prisão é reduzida a cada três dias de trabalho, 12 horas de curso realizado ou por cada livro lido, com resumo apresentado.

 

Pesadelo

Lula está convencido de que será condenado em segunda instância no caso do sítio em Atibaia muito antes de setembro quando poderia ganhar regime semiaberto.  Essa suposta nova condenação impediria de conseguir uma prisão domiciliar.

 

Juntos

O governador de São Paulo, João Doria, discretamente vem se movimentando para ser candidato em 2022 para Presidência. Ele conta com a promessa de Jair Bolsonaro de não tentar a reeleição e quer seu apoio. Nesta semana, o governador paulista esteve no Palácio do Planalto e acertou viagem junto com o Chefe do governo para China em agosto.

 

Sem volta

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, que está em Lisboa participando de evento jurídico organizado pela faculdade de Gilmar Mendes, em entrevista ao jornal português Expresso, revelou que sonha com uma vaga no STF. “Seria como ganhar na loteria. Não é simples. O meu objetivo é apenas fazer o meu trabalho”. E explicou que não poderá voltar a ser juiz. “Na verdade, deixar a magistratura é um peso. Não sei o que se passa em Portugal, mas no Brasil este é um caminho sem volta. Eu não poderei retornar à carreira da magistratura”,

 

Concordam com o governo

Os brasileiros, em grande parte, concordam com pelo menos um ato adotado pelo governo de Bolsonaro: o fim do horário de verão. Segundo levantamento feito pela Paraná Pesquisa 65,7% aprovam o fim do horário de verão e 63,1% dos entrevistados disseram não gostar do horário.

 

Unidos

Os candidatos derrotados ao Planalto Ciro Gomes (PDT) e Marina Silva (Rede) fizeram um debate esta semana para falar sobre os 100 dias do governo Bolsonaro. E claro, atacaram o governo de forma agressiva. Não que isso cause algum estrago a imagem do presidente e nem tem força para derrubar o governo, mas pelo que se viu, ambos pretendem se unir ainda mais para novos ataques.

 

Avaliação

Pesquisa feita pela CNI/Ibope mostrou que 35% dos entrevistados acham que o governo de Jair Bolsonaro ótimo/ bom; 31% regular; 27% péssimo/ ruim. A pesquisa quis saber também sobre a confiança no presidente 51% disseram confiar no presidente; 45% não confiam. Mais: 40% dos entrevistados não aprovam maneira como Bolsonaro está governando.

 

Até merchandising

A propaganda da reforma da Previdência planejada pela Secom prevê inserções durante intervalos comerciais e até merchandising em programas de televisão, incluindo novelas. O merchandising seria na base da citação ou aparição de determinado produto, serviço ou proposta realizado durante um programa de TV ou rádio, sem características explicitas de anúncio.

 

Troca

Os filhos de Bolsonaro já falam que o general Hamilton Mourão pode ser descartado pelo presidente Jair Bolsonaro, caso concorra à reeleição, como presidente de chapa em 2022, embora falte muito tempo até lá. Outras figuras mais lúcidas acham que também Mourão poderia recusar a manutenção de seu nome na chapa de Bolsonaro em 2022.

 

Outro Trump

A índia Sonia Guajajara, coordenadora da Articulação dos Povos Indígenas no Brasil, estava em Nova York e fez questão de ser fotografada ao lado do ator Alec Baldwin, 61 anos, considerado um dos maiores imitadores de Donald Trump no famoso programa Saturday Night Live. Detalhe: para aprontar sua peruca aloirada para compor o personagem, Baldwin falou que demora quase duas horas. E imagina que deve ser parecido o tempo que o presidente também ajeita sua cabeleira.

 

Caindo fora

Cinco consultores legislativos entregaram demissão ao senador Álvaro Dias (Pode-PR), alegando recorrências de decisões contrárias ao ponto de vista deles, que prejudicaria a boa gestão na liderança da sigla.

 

Virou partido

Em Lisboa, o ministro do STF, Gilmar Mendes, que participa de evento jurídico de sua faculdade, criticou a Lava Jato e o procurador Deltan Dallagnol falando que a operação virou um partido. “Mas por um vício – esses vícios comuns a nós – virou, na verdade, uma instituição, um partido político. Quase ganharam, vocês viram, uma fundação”.

 

Centopeia

No confessionário de sua delação, Sérgio Cabral teria revelado novos detalhes do esquema de propina envolvendo a construção do Arco Metropolitano do Rio. O projeto é tratado no Ministério Público como uma das farras da gestão Cabral. No âmbito administrativo, o Cade chegou a desbaratar um cartel formado por nada menos do quem 23 empreiteiras.

 

Na próxima

O ex-presidente Lula, depois da decisão do STJ, decidiu dar entrevista na semana que vem. Antes, mesmo com autorização judicial ele achava que ainda não era momento de falar com jornalistas. Lula acha que qualquer repórter que apareça lá vai perguntar porque não trabalha lá ou lê livros para reduzir o tempo de prisão.

 

No convite

Ninguém no Planalto gostou e menos ainda o presidente Bolsonaro dos termos usados no convite de Wilson Center Brazil Institute, onde Hamilton Mourão era louvado como “a voz da razão e da moderação capaz de guiar o país tanto na agenda doméstica como externa”. E mais: o vice é descrito como o favorito da imprensa e critico frequente do próprio presidente. Foi aí, dizem os mais irônicos, que Jair Bolsonaro mandou o filho Carlos sair de sua “nova fase”, retornar à antiga e voltar a criticar o vice.

 

“Luta do povo”

Lula disse a seus advogados que só ganhará a liberdade se houver “luta do povo com o PT empunhando a bandeira de Lula Livre”. Ele sabe que sua liberdade depende apenas da luta de dúzia de magistrados, com o STF empunhando a bandeira do fim da Lava Jato.

Frases

 “No Brasil, esquerda e direita são apenas sinais de trânsito.”

Delfim Neto.