O centenário jeans agora também pode ser feito em curtume, num processo patenteado há poucos meses pelo cearense Cândido Couto Filho, para quem a invenção incorpora a liberdade do jeans à nobreza do couro. Sim, o produto é incrível: tecido emborrachado, na cor índigo, que pode ser desbotado, detonado, bordado e o que mais se quiser dele.

O lançamento da primeira coleção do Skinjeans acontece na Fashion Fashion, em Gramado-RS. E o produto é tão sensacional que tem lojista experimentando minissaia no próprio estande, a portas abertas. E louquinha para comprar o protótipo. “É um couro elástico, que se adapta Tem saias, macacão, shorts, camisas e calças de couro impresso a jeans, num processo de biotecnologia que Cândido passou a se interessar depois de ter participado da feira em janeiro de 2013.
“Minha modelo veio à Fenim no ano passado e falou que minhas peças eram muito caretas. Me mostrou um catálogo da Sawary, cheio de jeans modernos. Voltei ao Ceará, entrei no curtume, comecei a pesquisar. Fiz um couro elástico que se adapta ao corpo e tem cara moderna. Criei o produto e fiz a modelo virar minha sócia”, conta, feliz da vida, e usando as peças da Skinjeans, que oferece aos lojistas a coleção pronta e não a matéria-prima.

O empresário conta que o produto nasceu com máquinas italianas, química produzida na Alemanha e couro nordestino, de cabra e de ovelha, usando só a parte nobre (napa).

Édila Diniza, a jovem sócia, continua modelo, mas aplicando sua sabedoria em marketing: “Já fechamos contrato com a HB, que trabalha com os melhores artistas sertanejos”. Imaginem, é tudo o que um peão quer, ou seja, couro e jeans. Agora é jeans de couro. Abram a porteira!