A iluminação em jardins e praças é fundamental para oferecer segurança, principalmente à noite. Porém, além dessa função, através do jogo de luz e sombra é possível valorizar a natureza e os elementos desses locais, criar profundidade ou suavizar o ambiente. As cores e variações de tons podem transformar o espaço e são responsáveis por provocar sensações. “O paisagismo nada mais é do que uma arquitetura natural e, como qualquer outro projeto arquitetônico, ele deve ser respeitado. É importante pensar no conceito e interações do espaço com o meio ambiente para utilizar a luz como ferramenta e valorizar o ambiente”, explica Norah Turchetti, lighting designer parceira da Interlight.
Para ajudar no momento de pensar em um bom projeto luminotécnico, a especialista separou dicas essenciais pensando na iluminação paisagística. Confira:

Downlighting
É a iluminação de cima para baixo. As luminárias são posicionadas na parte superior da vegetação. “Esse estilo provoca sombra no chão, causando efeito mais natural”.
Uplighting
Essa técnica consiste em iluminar de baixo para cima. As luzes são posicionadas no nível do solo e direcionadas para a copa das árvores. “Esse tipo de iluminação causa um efeito mais dramático através do degrade criado no desenho da vegetação e a textura das folhas”.

Frontlighting
A iluminação frontal é utilizada para evidenciar vegetação mais volumosa. “Essa técnica valoriza a textura, cor e forma já que marca parte do tronco e realça a copa das árvores”.

Backlighting
Esse método é feito através de luzes projetadas na parte de trás das plantas. “A técnica valoriza árvores mais altas e causa efeito de silhueta”.

Sidelighting
Consiste na iluminação lateral e causa sombreamento demarcado. “Por meio de projetores posicionados na lateral das árvores esse efeito valoriza a textura da vegetação”.