Índice de Preços de Alimentos da FAO avança 0,7% em janeiro ante dezembro

355

O Índice de Preços de Alimentos da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) alcançou média de 182,5 pontos em janeiro, aumento de 1,3 ponto (0,7%) ante dezembro e de 11,3% ante janeiro de 2019. Foi a quarta alta mensal seguida. O avanço, segundo a FAO, foi impulsionado em grande parte pela fortalecimento contínuo dos preços de óleos vegetais, do açúcar e, em menor grau, de cereais e laticínios, que mais que compensaram a queda acentuada dos preços da carne.

O subíndice de preços dos Cereais registrou média de 169,2 pontos em janeiro, alta de 4,8 pontos frente ao mês anterior (2,9%). O índice atingiu o maior nível desde maio de 2018. De acordo com a organização, os preços internacionais de todos os principais cereais aumentaram em janeiro.

“Os preços do trigo tiveram forte alta, apoiados por um ritmo mais rápido de compra de vários países em meio a embarques lentos da França e os relatos de uma possível introdução de uma cota de exportação pela Rússia até 30 de junho de 2020”, destacou a FAO. O milho também permaneceu em alta expressiva em janeiro, refletindo a forte comercialização e o aperto sazonal da oferta nos países exportadores do Hemisfério Sul. A organização informou ainda que os preços internacionais do arroz também aumentaram com as preocupações com o reflexo do clima na produção dos principais exportadores.