Foto: Jaelson Lucas/ANPr

A Usina Hidrelétrica Baixo Iguaçu, último aproveitamento energético do Rio Iguaçu, foi inaugurada nesta quinta-feira (23) em Capanema, no Sudoeste do Estado. O empreendimento foi construído por um consórcio formado pela Copel e a Neonergia e recebeu investimento de R$ 2,3 bilhões.

A usina já está operando com as três unidades geradoras de energia e tem 350,2 megawatts (MW) de potência instalada, o suficiente para atender mais de um milhão de pessoas. “O Rio Iguaçu ajuda a iluminar o Brasil. Com esta sexta hidrelétrica, são 9 mil MW de energia gerados ao longo da bacia”, afirmou o presidente da Copel, Daniel Pimentel Slaviero.

O empreendimento, segundo ele, também consolida o comprometimento da Copel junto com um dos principais grupos internacionais do setor energético. “A usina também demonstra que é possível conciliar desenvolvimento econômico com responsabilidade socioambiental. Ela contribui com o sistema elétrico nacional, mas também com a região e as cidades do entorno”, ressaltou.

Construída no trecho final do principal rio paranaense, entre os municípios de Capanema e Capitão Leônidas Marques, a hidrelétrica também vai ajudar a regular o fluxo das Cataratas do Iguaçu, permitindo uma vazão maior em períodos de seca ou um menor fluxo durante as cheias.

O EMPREENDIMENTO – A Copel detém 30% de participação no empreendimento. Além desta, o Rio Iguaçu conta com outras cinco hidrelétricas de grande porte: Governador Bento Munhoz da Rocha Netto (Foz do Areia), Governador Ney Braga (Segredo), Governador José Richa (Salto Caxias) estas três pertencentes à Copel, além de Salto Osório e Salto Santiago.

As obras de instalação de Baixo Iguaçu começaram em 2013 e, no pico, chegaram a contar com mais de 3 mil trabalhadores. Os municípios de Capanema e Capitão Leônidas Marques foram beneficiados com o aumento na arrecadação de impostos e geração de empregos durante a construção.

Agora, com o início da produção de energia, a usina passa a pagar também uma compensação financeira pelo uso dos recursos hídricos, aumentando a receita das prefeituras. “Os royalties e o ICMS da geração vão incrementar a renda do município. Já houve uma compensação na instalação da usina, então esperamos agora ganhar mais com o ICMS”, disse o prefeito de Capanema, Américo Bellé.