‘Guerra do óleo de cozinha’ fecha fronteiras na Bolívia

361

Uma disputa política entre o governo e produtores de óleo de soja ocasionou o fechamento de parte das fronteiras da Bolívia, informa nesta quinta-feira, 27, a imprensa boliviana.

Uma disputa política entre o governo e produtores de óleo de soja ocasionou o fechamento de parte das fronteiras da Bolívia, informa nesta quinta-feira, 27, a imprensa boliviana. A chamada "guerra do óleo de cozinha", como a disputa foi apelidada pelos jornais locais, de oposição, começou depois que o governo baixou um decreto proibindo as exportações de óleo comestível para evitar o desabastecimento – e portanto a inflação – no país.
Em reação, organizações de transporte de carga e produtores de soja tomaram na quarta-feira os escritórios aduaneiros de quatro cidades, incluindo aquelas na fronteira com o Brasil e com a Argentina. Segundo o jornal El Diário, os manifestantes já paralisam Santa Cruz de la Sierra, Cochabamba, Puerto Suárez (próximo à fronteira com o Brasil) e Yacuiba (fronteira com a Argentina) e ameaçam continuar com o bloqueio das fronteiras e das estradas se o governo não rever a medida.
A proibição não afeta as vendas de soja em grão, mas os empresários acusam o governo de atacar "toda a cadeia". Eles dizem que o presidente Evo Morales quer utilizar a proibição como uma forma de pressionar os ricos produtores bolivianos contrários a seu governo de esquerda. O Ministério de Desenvolvimento Rural da Bolívia defende a medida, alegando que já foi vendido mais óleo de cozinha ao exterior neste ano do que em todo o ano passado.
Segundo dados oficiais, foram vendidas ao exterior 366 mil toneladas de óleo em janeiro e fevereiro deste ano, em comparação com 350 mil exportadas ao longo de todo o ano de 2007.