Um dos mais sensíveis e instigantes espetáculos apresentados no Festival de Teatro de Curitiba, Outros, está de volta com os mineiros do Grupo Galpão. Em cena, numa sequência da peça Nós, a busca pelo outro e uma oportuna reflexão sobre o lugar do artista e da arte nos tempos de hoje. A direção é de Marcio Abreu, da curitibana Companhia Brasileira de Teatro.
Curitiba fecha a turnê do grupo pelo Sul do país com duas apresentações neste fim de semana e nos dois dias haverá interpretação em libras.
Outros, a 24ª montagem do Galpão, nasce de um diálogo do próprio grupo, Nós. Surge então a peça Outros, “propondo uma reflexão sobre as relações interpessoais, partilhando angústias e esperanças”. Em um momento, a encenação parece intimista, mas no âmago, se percebe uma questão política, um incômodo estar brasileiro.
“Aqui, a palavra é sonora, o corpo é quase narrativo e a música é performativa. Há o deslocamento das linguagens, que se encontram em uma estrutura bastante ligada à performance”, observa Márcio Abreu a propósito de se comparar à peça anterior.
No palco, dez atores em incrível exercício de corpo e fala. E também de música: ao final formam uma banda e cantam seis músicas.
Imperdível: Guairinha. Neste sábado dia 5, às 21h, e no domingo às 19h. Os ingressos custam 30 e 15 reais, à venda no site www.ticketfacil.com.br e na bilheteria. O Galpão fará ainda um bate-papo com o público no sábado, às 10h, no Ave Lola Espaço de Criação, com entrada franca.