Assunto foi tema de palestra de médico de Curitiba em encontro realizado na Universidade de Oxford

“Ouve-se com frequência falarem sobre casos de fraturas do fêmur em paciente idoso, que ocorrem em decorrência da fragilidade do osso, que advém com o passar da idade, causadas pela osteoporose. Porém um outro assunto de igual importância, menos divulgado e discutido, tem sido de tema de importantes reuniões científicas e congressos ao redor do mundo: a fratura da bacia em paciente com osteoporose”, revela o médico ortopedista Dr. Christiano Saliba Uliana, especialista em cirurgia do quadril do Hospital VITA Batel, de Curitiba.
As fraturas de pelve também merecem relevância porque, segundo pesquisas, trazem um risco de morte de até 20% no primeiro ano após a fratura. Elas ocorrem por meio de traumas de baixa energia, como por exemplo uma queda em casa. As mulheres são o grupo mais suscetível a este tipo de episódios. A morbidade é significativa – mais de 50% dos pacientes não retornam aos níveis de função que tinham antes da fratura.
Muitos irão depender de cuidados especiais de enfermagem e algum auxílio para apoio, como uma muleta ou uma bengala.
Na maioria das vezes, após o diagnóstico, o paciente é tratado com analgésicos e fisioterapia. A dor pode ser intensa e impedir que o paciente fique em pé ou mesmo se movimente na cama. Caso a pessoa não obtenha melhora dos níveis de dor com a medicação, o tratamento cirúrgico pode ser indicado. Atualmente, existem técnicas minimamente invasivas para se fixar essas fraturas, que promovem rápida reabilitação e poucos riscos cirúrgicos, como perda de sangue ou infecção. “Porém, a condição geral do paciente, as doenças associadas e a função que tinha antes da fratura devem sempre ser consideradas na hora da decisão do tipo de tratamento”, evidencia o especialista.
Segundo Dr. Saliba, a melhor forma de prevenção é o tratamento da osteoporose, com acompanhamento regular com médico ortopedista ou geriatra, para que se evite a fragilidade óssea e também as quedas, que muitas vezes estão relacionadas a problemas de visão, motores ou neurológicos.
Compartilhando conhecimento no Reino Unido
Entre os dias 26 e 28 de agosto, a Universidade de Oxford, no Reino Unido, sediou o Global Congress da Fragiliy Fracture Network, uma entidade científica multidisciplinar especializada no estudo das fraturas por osteoporose ou fragilidade óssea. Um dos temas abordados foi justamente as fraturas da pelve. O tema foi debatido durante palestra ministrada por Dr. Saliba.