Salve o Brasil brasileiro. A reforma política foi para o espaço em duas votações. A primeira quando por 267 votos contrários e 210 favoráveis, os deputados federais rejeitaram o distritão como meio de eleger deputados federais e vereadores. Pelo distritão, cada Estado seria considerado um “distrito”. E seriam eleitos os deputados e vereadores com maior número de votos, na ordem.
A segunda quando a Câmara rejeitou incluir na Constituição a permissão para que as empresas financiem as campanhas políticas. Hoje o financiamento das campanhas é público e privado. O STF, por maioria de votos, está prestes a decidir pela proibição do financiamento privado. Como quer o PT. Restou votar fim da reeleição e da unificação das eleições de quatro em quatro anos. Tudo indica que também serão rejeitados. Ou seja, fica tudo como está.

Governo cede, mas APP quer greve

Enfim, governo e professores davam pistas de que chegariam a um acordo, mediado pela bancada estadual que apoia Beto Richa. Qual o que. O governo ofereceu aos professores e demais servidores uma das propostas discutidas com os deputados de sua base de apoio, mas a APP-Sindicato, que segue orientação do PT, quer continuar a greve..

“A APP não concorda com a proposta. A defesa da entidade e dos demais sindicatos de servidores continua de reposição da inflação do período, que é 8,17%, em parcela única”, disse o presidente da entidade, Hermes da Silva Leão.

Assim, curto e grosso, a APP-Sindicato rejeitou a proposta do governo, que é a seguinte:

1 – Pagar 3,45% de reposição, parcelado em três vezes: setembro, outubro e novembro de 2015.

2 – Pagar a data-base relativa a 2015, em janeiro de 2016. A previsão é de 8,5%.

3 – Mudar a data-base de maio para janeiro de cada ano.

A proposta deve ser aprovada na Assembleia Legislativa.

Cabe a pergunta: até quando a sociedade vai acreditar que esta greve não é política e que o governo é intransigente?

A greve tomou dois meses do ano letivo e causa prejuízo irrecuperável para os alunos. A inflexibilidade dos dirigentes da APP-Sindicato, regida pela CUT e o PT, foi a tônica de uma campanha agressiva e incivilizada.

O governo cede e compromete seu plano de ajuste fiscal para sanear as finanças estaduais. Mas o PT não aceita. Conseguiu fazer do movimento, que teve apoio de parte considerável da mídia, um instrumento de desgaste do governo tucano de Richa. E é isso que vale para a APP, a CUT e o PT.

Otimismo

O governador Beto Richa reuniu o secretariado ontem e o tom de sua fala foi de otimismo. Disse que o Paraná é maior do que todas as crises e que o estado não ficará parado em função do que classificou como insultos e baixarias “contra o governo, a mim e a minha família”. “Contra os ataques e armações, nossa resposta será trabalhar, trabalhar e trabalhar”.

 

Engodo federal

Richa falou da desaceleração da economia nacional e explicou que o governo estadual se baseou em dados federais para fixar metas, definir prioridades e fazer as projeções orçamentárias para 2015. “Fomos traídos em nossa confiança, acreditando que os dados oficiais servissem para revelar a verdade de um país promissor e não para ocultar contas públicas maquiadas”.

O canalha Leoz

Lembram do canalha Nicolás Leoz? Aquele cartola que presidia a Conmebol e impediu que o Atlético jogasse na Arena a final da Libertadores de 2005 contra o São Paulo. Perdemos o mando de campo e fomos jogar em Porto Alegre. Pois é, Leoz está inidiciado no escândalo de corrupção da FIFA, junto com seu amigo José Maria Marin, ex-presidente da CBF, homem do São Paulo FC, com quem deve ter tratado da enorme safadeza contra o Atlético, Adorei a notícia, que envolve dúzia e meia de cartolas da FIFA envolvidos em corrupção.

Mensagem de René Dotti

Prezado Fábio,

Tenho dito com insistência em entrevistas que a Procuradoria de Justiça deve fazer uma investigação isenta e detalhada de todas as causas e circunstâncias dos responsáveis pelos fatos, sem esquecer que o patrimônio público Assembleia Legislativa e a normalidade de suas sessões, devem ser preservadas contra a violência.

Grande abraço,

Professor René

Campanha sórdida

A insistência em atingir a secretária Fernanda Richa é impressionantes. Ontem, apresidente do Provopar, Carlise Kwiatkowski, foi obrigada a responder mais uma calúnia. Explicou que a instituição jamais recebeu R$ 1,3 milhão ou R$ 2 milhões em doações do sindicato de auditores fiscais conforme informam os noticiosos da RPC. “Os valores recebidos foram de R$ 257 mil em três anos: R$ 140 mil em 2013, R$ 77 mil em 2014 e R$ 40 mil em 2015”, disse Carlise em nota de esclarecimento. “Esclareço que todas as doações que o Provopar recebe são contabilizadas. Jamais pressionamos ou estipulamos quaisquer metas aos nossos parceiros”, completa.

Ajoelhou, tem que rezar

O deputado Pastor Edson Praczyk não se comportou como queria a RPC e passou a levar pauladas. Presidente do Conselho de Ética da Assembleia Legislativa do Paraná, Praczyk (PRB) agora é investigado pelo Ministério Público Estadual por supostamente empregar funcionários fantasmas na Casa e ficar com o salário deles. Entre os supostos fantasmas usados para desviar dinheiro público, estariam mulheres de outros pastores da Igreja Universal do Reino de Deus, à qual pertence o parlamentar.

Maus bofes no PT

A presidente Dilma Rousseff comemorou a aprovação, pelo Senado, da Medida Provisória (MP) 665, que altera regras do seguro-desemprego e da concessão de abono salarial, parte crucial do ajuste fiscal. Agora, imaginem os maus bofes dos sindicalistas e petistas que continuam firmes na defesa dos trabalhadores.

Transparência

O Paraná é o terceiro Estado mais transparente do Brasil segundo a Controladoria Geral da União, um órgão federal. De acordo com Richa, na área social, o governo realizou o maior programa de habitação da história do Paraná.

Precavido

Passarinho que come pedra… Marco Polo Del Nero demitiu quase todo mundo ligado a Ricardo Teixeira na CBF. Quase todos, menos um: o diretor jurídico Carlos Eugênio Lopes, o Carlô. É ele quem sabe os detalhes de todos os contratos da CBF.

Ninguém aguenta

O presidente da Associação Comercial do Paraná, Antonio Miguel Espolador Neto, apela pelo fim da greve dos professores estaduais comandada pela APP-Sindicato. “Sem questionar o direito à livre manifestação, é imperativo o retorno imediato dos professores às salas de aula, definindo concomitantemente a forma e o calendário de reposição de conteúdos”, diz Espolador Neto.

“Cachorro louco”

Vem aí o confronto do século no PMDB Articulação PMDB Esperança e Mudança, iniciou campanha pela candidatura do deputadoLuiz Claudio Romanelli à presidência do diretório estadual. Para o secretário geral do PMDB de Curitiba, Doático Santos, que apóia Romanelli,“o modelo “cachorro louco” que o Requião tenta impor aos peemedebistas, desde a campanha eleitoral de 2014, não encontra mais respaldo em setor algum do partido ou da sociedade paranaense.”

Rapidinho

Ricardo Teixeira desembarcou no Rio de Janeiro, vindo de Mônaco. Aqui ele se sente mais seguro. Está na lista de indiciados no escândalo da FIFA.

BNDES perdeu

Enfim, abre-se a caixa preta do BNDES. Já não era sem tempo. A Primeira Turma do STF acompanhou por maioria o voto de Luiz Fux e decidiu que o BNDES deverá prestar as informações pedidas pelo TCU sobre os empréstimos ao grupo J&F. São elas: o rating de crédito, o saldo das operações de crédito, a situação cadastral e a estratégia de hedge do grupo. Trata-se da primeira grande derrota do BNDES na briga por manter os empréstimos da política de campeões nacionais em sigilo.

Império J&F

O J&F é o dono de JBS, Eldorado Celulose, Vigor, Banco Original, entre outras empresas.

Sujeira do futebol

O site do Departamento de Justiça dos EUA postou em seu site explicações sobre a operação que levou à prisão funcionários e executivos da FIFA.Entre eles, o brasileiro José Maria Marin.Os réus são acusados pela Justiça americana de participarem de um esquema deextorsão, fraude eletrônica, conspiração, lavagem de dinheiro, entre outros delitos de enriquecimento ilícito. Além de Marin, também foram presosJeffrey Webb, Eduardo Li, Julio Rocha, Costas Takkas, Eugenio Figueredo, Rafael Esquivel.

Roeram a corda

Essa aliança é sempre impossível. Os tucanos cobraram dos petistas por não terem votado a favor do distrital misto. Havia um entendimento nesse sentido. Os petistas alegaram que não tinham segurança sobre os critérios que seriam usados para definir os distritos.

Conclusão

Como dizia o Joel Silveira no fim da vida: “Passei anos e anos procurando levar este país a sério para, no final das contas e da vida, chegar à conclusão de que tudo não passou de uma estúpida perda de tempo.”

O papel do PT

Os petistas trabalharam muito para derrotar o distritão. Avalia-se que eles mudaram o voto do PR (31 deputados), do PRB (20) e em pequenos partidos, além de influenciarem o PSB.

Fogo na trincheira

Reunidos para debater o ajuste, os senadores do PT subiram o tom ontem. Lindbergh Farias fez duras críticas ao ajuste. Irritado, Paulo Rocha reagiu: “Você não é mais de esquerda do que ninguém aqui”. E passou a citar seu currículo, quando o líder Humberto Costa emendou: “E também é muito modesto”. Gargalhadas.

Serra pede voto

O senador José Serra (PSDB) passou pela Câmara na votação da reforma política. Fazia um apelo: “Se nada der certo aqui, façam um esforço para votar o meu projeto”. Ele prevê voto distrital para vereador em cidades com mais de 200 mil habitantes.O relator destituído da reforma política, Marcelo Castro (PMDB), aplaudia com entusiasmo a cada discurso contrário à adoção do distritão.

Sem mexer na máquina

Quase R$ 70 bilhões. Ainda que inferior ao desejo do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, o contingenciamento anunciado sexta-feira no Orçamento da União – o maior da história – impressiona. As lâminas chegaram à Educação e à Saúde, em obras do PAC, e até na menina dos olhos da presidente Dilma Rousseff, o programa Minha Casa, Minha Vida. Mas, de novo, não se viu corte algum no custeio, no tamanho da máquina que não para de inchar.

Tudo bem?

Tudo bem, dizem as almas parvas. Pois, pois, o Bradesco projetou queda de 2% para o PIB neste ano. Significa retração, desemprego, criminalidade, exclusão social, etc. etc. etc.

Sinais da crise

Nos primeiros quatro meses do ano, o consumo de gasolina caiu 3,7%. O de óleo diesel ficou um pouco atrás: diminuiu 2,1% quando comparado ao mesmo período de 2014. Trata-se de quantidade suficiente para abastecer tanques de 50 litros de gasolina de 10,6 milhões de automóveis. No caso do diesel, dá para abastecer um tanque de 250 litros de 1,6 milhão de caminhões.

Profeta Delfim

Delfim Netto previu que todos os empresários que àquela altura aplaudiam a nomeação de Joaquim Levy para o Ministério da Fazenda no final do ano estariam pedindo sua cabeça. Delfim errou no prazo – ainda que por poucos meses. Ontem, Robson Andrade, presidente da CNI, partiu para cima de Levy e pediu sua degola.

Em campanha

A general do PT, Marlei Fernandes, lidera a greve dos professores. Perdeu o discurso. Como os professores tiveram todas as reivindicações atendidas, passou a criticar o aumento do IPVA . Os professores receberam aumento de 60% nos últimos anos, foi a categoria mais beneficiada pelo governo. Marleifoi candidata a deputada federal pelo PT no ano passado. Não se elegeu, ficou com 29.855 votos. Mas continua em campanha permanente.

Sem vontade de mudar

O deputado federal Ricardo Barros, do PP ,disse, após a votação que manteve o sistema eleitoral, que ficou claro que a vontade real do Congresso é de não mudar nada, apesar da oportunidade de votar a reforma política. “Já estou no meu quinto mandato e, em todas as legislaturas tivemos comissão da reforma eleitoral, que nunca foi à votação por falta de acordo”, contou.

Segundo Barros, os parlamentares ainda terão a chance de melhorar o sistema eleitoral votando os próximos itens em pauta: financiamento de campanha, coligações partidárias,reeleição, cláusula de barreira, voto obrigatório, entre outros. Mas o deputado acredita que dificilmente algo alcançará o quórum de 308 votos favoráveis. Barros disse ainda que o PP votou maciçamente no distritão como tentativa de avançar em alguma mudança no Sistema Eleitoral Brasileiro.

 

   “Nosso governo não será lembrado pelas calúnias dos nossos adversários. O nosso governo será lembrado no futuro como uma referência de trabalho e de eficiência”

Beto Richa, na reunião do secretariado.

 

   “Qual é a esperança, o horizonte? Até agora, nós só estamos vendo nuvens negras.”

FHC, em palestra na Universidade de Brasília.