O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso voltou a acusar o governo de permitir que "cupins" corroam a política brasileira.

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso voltou a acusar o governo de permitir que "cupins" corroam a política brasileira, numa comparação da ação dos insetos na máquina pública federal que ele considera partidarizada.

No seminário promovido pela Federação do Comércio do Estado de São Paulo (Fecomercio) 15 Anos de Plano Real, FCH disse, mais uma vez, que o presidente Lula está "passando a mão na cabeça de quem faz a coisa errada". "A corrupção existe em todos os governos, mas eu nunca me compadeci dela", disse o ex-presidente.

Citando Lula diretamente, Fernando Henrique disse que o presidente está dando passos para trás ao não separar interesses partidários do interesse público. E afirmou, mais uma vez, que a máquina pública está cheia de cupins e que é preciso botar na cadeia os corruptos.

Ao ser indagado por um cidadão presente ao evento qual seria o inseticida para combater os cupins que o ex-presidente afirma estarem tomando conta da máquina pública, FHC respondeu: "o inseticida vai depender do voto popular".

Fernando Henrique também repetiu colocações que tinha feito na segunda-feira, em palestra na Associação Comercial de São Paulo, sobre o Plano de Aceleração do Crescimento (PAC), o principal programa de obras e investimentos do governo.

Ele chamou o projeto de Plano de Aceleração da Comunicação e disse que o governo não chegou a investir os recursos necessários para a execução do programa. Segundo ele, o PAC não tem 1% de investimento do Produto Interno Bruto (PIB), a soma das riquezas produzidas no país.