O Diabo continua transitando pelas redações jornalísticas.

Elio Rusch: real substituto; Cida Borghetti: avó de uma menina

Por vezes, ele age por meio de informantes que, de boa-fé, passam “notícias equivocadas”. Tal como aconteceu com a nota que a coluna publicou sobre a deputada Maria Vitoria, que agora corrijo:

a) A deputada não entrou de licença, ainda;

b) seu parto ocorrerá nesta próxima sexta, por cesariana;

c) não foi substituída por Hussein Bacri, que, na verdade, é suplente em exercício de mandato de outro deputado:

d) A deputada do PP será substituída pelo suplente Elio Rusch, enquanto durar sua interinidade.

E finalmente, segundo fontes do gabinete da parlamentar, “Rusch manterá toda mesma equipe de Maria Victoria”.

Enfim, consertadas parcialmente a informação defeituosa, que incluiu ainda outra falha: a deputada terá uma filha, neta de Cida Borghetti e Ricardo Barros.


DOS LEITORES (1)

Mercedão Pessuti

Orlando Pessuti

Bruno Pessuti, promissor! Na campanha eleitoral de 1986, apelidei o pai dele (Orlando) de Mercedão zero quilômetro. Explicando: o modelo 1513 do caminhão Mercedes Benz da época, identificava o número do candidato Orlando a deputado.15130.

LUIZ CARLOS MARQUESI, Curitiba

 

 

 

 

 


DOS LEITORES (2)

Quando a PMC se manifestará?

Caro jornalista,

Os quadros de comunicadores sociais da Prefeitura de Curitiba não poderiam ser melhores. Lá estão, sob a batuta de Israel, nomes como Roberto Couto, Mônica Santana, Oscar Rocker Neto, Viviane Favretto, João Pedro de Amorim Junior …

Por isso mesmo, estranho que tão aguerrida equipe, sempre pronta a acompanhar os passos de “show off” de Rafael Waldomiro, não tenha se manifestado sobre a ameaça de 12 empresas de Tecnologia de Informação de abandonarem Curitiba. Elas alegam que a cidade cobra o dobro do que outras – ou pouco mais – de ISS, o imposto sobre serviço.

Afinal, essas empresas – só as 12 – faturam mensalmente quase R$ 1 bilhão.

MARCOS GUERREIRO NEUMANN, Curitiba

 


ISAE reuniu pesquisadores de sustentabilidade

Norman Arruda; Professora Márcia Cassitas

Pesquisadores de Sustentabilidade de todo o mundo estiveram em Curitiba na primeira semana de abril para participar do 2º World Symposium on Sustainability Science and Research. O evento teve por objetivo pensar na necessidade de explorar e apresentar casos de estudos concretos que ilustram como a Ciência e Pesquisa em Sustentabilidade pode ajudar a alcançar os muitos objetivos listados na “Agenda 2030”.

ESCOLA DE NEGÓCIOS

O evento, realizado em cooperação com diversos órgãos da ONU, instituições governamentais, universidades, empresas, ONGs e grupos locais de todo o planeta, teve como um de seus grandes destaques a participação do ISAE Escola de Negócios.

DOIS ARTIGOS

A instituição curitibana ganhou espaço com dois artigos acadêmicos escritos pelo seu presidente, Norman Arruda Filho, com coautoria da mestranda do Programa de Mestrado Profissional em Governança e Sustentabilidade do ISAE, Barbara Beuter e da professora doutora, Marcia Cassitas. O presidente do ISAE atuou ainda como chair de um dos painéis.


Requião Filho quer saber de leniência da Rodonorte

Guto Silva e Requião Filho

O Deputado Estadual Requião Filho (MDB) protocolou pedido de informações ao Chefe da Casa Civil, Guto Silva, questionando se houve participação do Governo do Paraná no recente acordo de leniência firmado entre a CCR Rodonorte e a Operação Lava Jato, uma vez que o Estado também é parte diretamente interessada no assunto.

BOA INFORMAÇÃO

Segundo o parlamentar, é preciso que a população paranaense seja informada dos benefícios que obterá com a eventual homologação do acordo.

GRANDE LESADO

“Cabe à Assembleia Legislativa a fiscalização dos atos do Executivo, mas é necessário que informações precisas sejam disponibilizadas aos deputados. O povo paranaense foi o principal lesado nesses anos todos de corrupção no pedágio, mas será que nossos representantes participaram da discussão dos termos do contrato de leniência firmado entre a CCR e o MPF? De que forma ocorreu esta participação?”, questionou.

DIREITOS DAS CIDADES

O deputado também quer saber se os direitos das prefeituras no recolhimento de ISS, por exemplo, serão preservados, uma vez que as tarifas devem ser reduzidas em 30%.


Novo partido começa a frustrar Rafael Waldomiro

Antonio Carlos Magalhães Neto: liderança questionada; Rafael Waldomiro Greca de Macedo: na sétima legenda…

O prefeito Rafael Waldomiro não deve estar tendo suas melhores noites sono, desde que foi a Brasília aderir ao DEM, partido que, na visão dele – e assim contam seus assessores – “poderia ter grande futuro”.

Nesta terça, um deles debatia no Gabinete, com a velha senhora, 75, que assessora o alcaide, lances de uma jogada com cores de temerária.

Os pesadelos do alcaide vêm por conta do inesperado: poucos dias depois de aderir ao ‘guruato’ do baixinho Antonio Carlos Magalhães Neto, prefeito de Salvador, e líder da legenda que mais ministros tem no governo Bolsonaro, o “show off” Greca de Macedo viu a avaliação do presidente Bolsonaro despencar no Data Folha, chegando a não mais que 32% de avaliação nos seus 100 dias de governo.

Assim, o DEM já começa a ser olhado com cautela pelos apoiadores de Rafael Waldomiro que, no DEM, está em sua sétima legenda partidária, depois de ter passado por partidos muito à esquerda, o PDT nos tempos de Brizola, e os direitistas Arena, PDS e PFL.


‘Desastre’ para Carambeí com suspensão de abates

Abate de Frangos na BRF em Carambeí

Tadeu Veneri vai no caminho certo: está assumindo posições que põem por terra – felizmente – uma velha marca dos petistas paranaenses: a de ficarem sempre com causas “do contra”.

Agora, por exemplo, o líder do PT na ALEP manifestou preocupação na sessão desta segunda-feira, 8, com a decisão da BRF, dona das marcas Sadia e Perdigão, de suspender por até cinco meses o abate de frangos na fábrica em Carambeí (PR) a partir do final de maio.

A empresa também anunciou que irá dar férias coletivas aos 1.200 funcionários da linha de abate de aves da fábrica de Carambeí, nos Campos Gerais do Paraná, atribuindo tal medida à redução das exportações de frango para a Arábia Saudita.

COM OS EMPREGADOS

Presidente da Comissão de Direitos Humanos e Cidadania da Assembleia Legislativa, o deputado Tadeu Veneri tem uma reunião na próxima quarta-feira, 10, com a direção do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação de Carambeí e Região para debater a situação dos trabalhadores.

SERÁ UM DESASTRE

“Se essas férias se transformarem em demissões, será um desastre para a região. Numa cidade de cinco mil habitantes, fechar mais de mil vagas é uma tragédia social”, afirmou o deputado, que pediu a intervenção do governo do Estado na questão.


DESTAQUE:

Das “coisas simples” de Campana no Face

Fábio Campana: deambulações poéticas (Foto de Maringas Maciel)

Como não sou habitual leitor do Facebook, fui surpreendido semana passada por Anthony, um dos porteiros de meu prédio, jovem diferenciado pelo refinamento cultural (Estuda filosofia na Uninter) que me avisou:

“O Fábio Campana publicou uma crítica que o senhor escreveu sobre o último livro dele…”

Fiz, com a apreciação, o que qualquer cultor de boa poesia faria:

expressei a importância que dou a esse novo mergulho de Campana nos domínios do poético, em que se mostra absolutamente maduro avaliador da vida e dono de forte capacidade de introspecção produtiva.

Admiro o jornalista, o escritor e especialmente o poeta. Isso sem embargo de, sendo amigos, não termos – hoje – as mesmas devoções no plano da admiração por homens públicos paranaenses. O que, de certa forma, só amplia o valor de minha avaliação do vate e de suas deambulações que expõe grandezas de um espírito especial.

Nos registros d’alma fechamos juntos, quase sempre!


Duas versões sobre Fracischini

Jair Bolsonaro e Fernando Francischini: no tempo certo

Nesta terça-feira, 9, ouvi duas versões sobre o deputado estadual Fernando Francischini: uma, a de que estaria “totalmente queimado” junto ao presidente Bolsonaro, por conta de rescaldos da campanha presidencial; a outra, de que será eventual grande beneficiado, em Curitiba, caso a aceitação de Jair cresça na aceitação popular. Se isso acontecer, dizem, ele seria forte candidato a prefeito de Curitiba.

Tudo no condicional e na meteorologia do mundo político, que tem seu tempo e ambiente próprios, além de incontáveis “meteorologistas”.

 

 

 


AÇÕES DE GOVERNO

Guto fala sobre os planos do governo Ratinho Júnior

Secretário-Chefe da Casa Civil do Governo do Estado do Paraná Guto Silva apresenta planos do Governo Ratinho Júnior em palestra do Instituto Democracia e Liberdade

Daniela Licht

Guto Silva

O Secretário-Chefe da Casa Civil do Governo do Estado do Paraná, Guto Silva, fará uma palestra na próxima terça-feira (16.04), às 19h, a convite do Instituto Democracia e Liberdade (IDL), no Hotel Bourbon. Em sua fala, Silva apresentará os planos do Governo Ratinho Júnior para os próximos anos.

Doutorando em Gestão de Negócios pela UNAm – Universidad Nacional de Misiones, em Posadas (Argentina), Silva é especialista em Gestão de Recursos Humanos, professor de pós-graduação na área de Comércio Exterior e Gestão Global e consultor especial do SEBRAE para assuntos internacionais.

Eleito o vereador mais votado em Pato Branco em 2008, concorreu dois anos mais tarde ao cargo de Deputado Estadual, eleito com 23.420 votos. A palestra de Guto Silva será realizada no Hotel Pestana e tem vagas limitadas. Interessados em participar podem confirmar presença pelo telefone (41) 3022-0232 ou pelo email: idl@idl.org.br.

SERVIÇO

Palestra com Secretário-Chefe da Casa Civil do Governo do Estado do Paraná, Guto Silva

Organização: Instituto Democracia e Liberdade (IDL)

Dia: 16 de abril (terça-feira), às 19 horas

Local: Hotel Bourbon – R. Cândido Lopes, 102 – Centro

Vagas limitadas: (41) 3022-0232 com Soraia ou idl@idl.org.br


STF nega diminuir pena de Eduardo Cunha

A Segunda Turma do STF (Supremo Tribunal Federal) negou por unanimidade, nesta terça-feira (9), um habeas corpus ao ex-deputado Eduardo Cunha (MDB-RJ) que visava diminuir sua pena em uma condenação na Lava Jato. Cunha está preso no Paraná desde 2016.

Reynaldo Turollo Jr. (FOLHA DE S.PAULO)

Eduardo Cunha

O ex-presidente da Câmara foi condenado em primeira instância pelo então juiz Sergio Moro a 15 anos e 4 meses de prisão pelos crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e evasão de divisas.

O ex-deputado federal Eduardo Cunha (MDB-RJ), condenado pela Lava Jato e preso desde 2016 O ex-deputado federal Eduardo Cunha (MDB-RJ), condenado pela Lava Jato e preso desde 2016 – Evaristo Sá – 12.jul.2016/AFP Segundo uma das linhas de investigação da Lava Jato, Cunha recebeu propina de US$ 1,5 milhão por um contrato de exploração de petróleo no Benin, na África. Ele também foi condenado por ocultar o dinheiro em contas secretas no exterior entre 2011 e 2014.

HOUVE ERRO?

A defesa recorreu da condenação, e o TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região) baixou a pena, em novembro de 2017, para 14 anos e 6 meses de prisão, absolvendo Cunha de uma das imputações de lavagem de dinheiro.

Os advogados de Cunha pediram um habeas corpus ao STJ (Superior Tribunal de Justiça) alegando que houve erro na dosimetria (tamanho da pena). O STJ negou o pedido, e a defesa foi então ao Supremo.

UM SÓ CRIME?

O advogado Pedro Ivo Velloso disse aos ministros da Segunda Turma que os crimes de corrupção e lavagem deveriam ter sido considerados como um crime só (apenas corrupção) —o que, na prática, diminuiria o tempo de prisão. Com isso, segundo Velloso, Cunha estaria mais perto de progredir do regime fechado para o semiaberto.

“Ele já poderia estar fruindo de diversos benefícios se a aplicação do direito tivesse seguido a jurisprudência deste tribunal”, afirmou o defensor. Para Velloso, Cunha passa por constrangimento ilegal —o que justificaria o pedido por meio de habeas corpus.

Para a defesa, o recebimento dos recursos por meio de contas no exterior, entendido como lavagem de dinheiro nas instâncias inferiores, foi, na verdade, uma mera continuação do crime de corrupção – nos termos da acusação –, e não um crime autônomo.


ATUALIDADE

Campanha: pais, deixem celular de lado e convivam com filhos recém-nascidos!

Com ou sem celular?

“Parece que é mais importante fotografar do que acompanhar”

Sempre Família | Aleteia

A preocupação em registrar cada momento de um show ou de uma viagem tem feito com que as pessoas deixem de aproveitar o momento em si. O mesmo tem acontecido com pais e mães que, no desejo de guardar os pequenos grandes feitos de seus filhos, acabam por deixá-los de lado. Percebendo o considerável aumento de celulares em salas de parto, entre as incubadoras de bebês e nas enfermarias, a equipe de neonatologistas e enfermeiros neonatais do Hospital do Príncipe das Astúrias, na Espanha, lançou uma campanha pedindo para que pais parem de olhar para as telas e passem a enxergar seus bebês recém-nascidos.

“PARECE MAIS IMPORTANTE FOTOGRAFAR DO QUE ACOMPANHAR”

Segundo Rosa Maria Funes, pediatra especializada em neonatologia e promotora da ação, os pais têm se preocupado demais em registrar o momento do nascimento do bebê e suas primeiras horas de vida. Ressaltou ela, em entrevista ao site ABC:

“Parece que é mais importante fotografar do que acompanhar a mãe ou a criança (…) Não há nada mais bonito do que o momento do nascimento de um filho e alguns pais participam através de uma tela. Mesmo gravado no celular, há coisas que simplesmente não se repetem”.

PAIS ESTÃO PERDENDO O FOCO

Por isso, a campanha promovida pelo pelo hospital, no Twitter, com a hashtag #dejaaunladoelmóvil, pretende chamar a atenção para o uso moderado da tecnologia nos primeiros dias do bebê. Que todo pai quer compartilhar o orgulho que sente pelo filho que acaba de chegar, o mundo todo sabe. Mas é preciso se fazer presente na vida do pequeno desde esse início e mostrar a ele a afetuosidade por meio do toque e do carinho. A especialista reforçou:

“Estamos percebendo que entre enviar imagens através do WhatsApp e atender mensagens, os pais estão perdendo o foco”.

Além disso, claro, o uso excessivo dos celulares durante os primeiros dias do bebê tira dos pais a atenção em relação a ele. É que existe a necessidade de uma maior vigilância dos pais às mudanças de comportamento dos pequenos, que estão descobrindo um novo mundo a cada manhã. Casos de morte súbita podem ocorrer neste período, por exemplo, e pegar desprevenido até os pais mais zelosos. Por isso, todo cuidado é pouco nesse momento e não faz mal algum deixar de atender uma ligação ou responder uma mensagem de texto. Seus amigos e família sabem que agora os olhos dos pais estão fixos em uma só questão: o crescimento de seu filho.

(Do Sempre Família)