Epidemiologista de Harvard: “Em 2021, de 40 a 70% das pessoas em todo o mundo serão infectadas”

759

A maioria dos casos não apresenta risco de vida, o que acaba tornando o vírus um desafio histórico a ser contido.

(JAMES HAMBLIN, Médico e redator da revista The Atlantic)

O professor de epidemiologia de Harvard Marc Lipsitch é extremamente sistemático em suas falas, mesmo sendo um epidemiologista.

Neste exato momento, nem se sabe quantas pessoas estão infectadas

“Acho que o resultado provável é que, em última análise, ele [Coronavírus] não será contido”, declarou Lipsitch.

A contenção é o primeiro passo para responder a qualquer surto.

No caso do COVID-19, a possibilidade (embora implausível) de impedir uma pandemia parecia ocorrer em questão de dias.

Desde de janeiro, a China começou a isolar áreas progressivamente maiores, irradiando para fora da cidade de Wuhan e, eventualmente, encapsulando cerca de 100 milhões de pessoas.

Pessoas foram impedidas de sair de casa e eram vigiadas por drones … no entanto, o vírus já foi encontrado em 24 países.

Apesar da aparente ineficácia de tais medidas – em relação ao seu custo social e econômico desordenado, pelo menos – a repressão continua a aumentar.

Sob pressão política para “deter” o vírus, na quinta-feira passada o governo chinês anunciou que autoridades da província de Hubei iriam de porta em porta, testando pessoas em busca de febres e procurando sinais de doença, e enviando todos os casos em potencial para campos de quarentena.

Mesmo com a contenção ideal, a disseminação do vírus será inevitável.

Testar pessoas que já estão extremamente doentes é uma estratégia imperfeita, pois há pessoas infectadas que podem espalhar o vírus, pois não se sentem mal o suficiente para ficar longe do trabalho.

Lipsitch prevê que, no próximo ano, cerca de 40 a 70% das pessoas em todo o mundo serão infectadas com o vírus que causa o COVID-19.

Mas ele esclarece enfaticamente que isso não significa que todos terão doenças graves:

“É provável que muitos tenham a doença de forma leve ou assintomática”, disse ele.

Assim como a gripe, que geralmente ameaça a vida de pessoas com problemas de saúde crônicos e com idade avançada, a maioria dos casos passa sem assistência médica. (No geral, cerca de 14% das pessoas com gripe não apresentam sintomas.)

Lipsitch está longe de ser o único a acreditar que esse vírus continuará a se espalhar amplamente.

O consenso emergente entre os epidemiologistas é que o resultado mais provável desse surto é uma nova doença sazonal – um quinto coronavírus ” endêmico “.

Com os outros quatro, não se sabe se as pessoas desenvolveram uma imunidade duradoura.

Se este seguirmos por essa lógica e se a doença continuar tão grave quanto agora, a “estação de resfriado e gripe” poderá se tornar “a estação de resfriado, gripe e COVID-19”.

No último domingo, houve 35 casos confirmados nos EUA, segundo a Organização Mundial da Saúde .

Mas a estimativa “muito, muito grosseira” de Lipsitch, quando falamos há uma semana (apostando em “múltiplas suposições empilhadas umas sobre as outras”, disse ele), era que 100 ou 200 pessoas nos EUA estavam infectadas.

Isso é tudo o que seria necessário para disseminar a doença amplamente.

A taxa de disseminação dependeria de quão contagiosa é a doença nos casos mais leves.

Na sexta-feira (21), cientistas chineses relataram na revista médica JAMA, um caso aparente de disseminação assintomática do vírus, de um paciente com uma tomografia computadorizada normal do tórax.

Os pesquisadores concluíram com discreto eufemismo que, se esse achado não for uma anormalidade bizarra, “a prevenção da infecção por COVID-19 será um desafio”.

Mesmo que as estimativas de Lipsitch estivessem fora da ordem de magnitude, elas provavelmente não mudariam o prognóstico geral.

“Duzentos casos de uma doença semelhante à gripe (durante a temporada de gripe) é muito difícil de detectar“, disse Lipsitch.

“Seria muito bom saber, cedo ou tarde, se isso está correto ou se calculamos algo errado. A única maneira de fazer isso é testando.”

No início do surto de coronavírus, os médicos nos Estados Unidos foram aconselhados a não testar pessoas, a menos que estivessem na China ou tivessem contato com alguém diagnosticado com a doença.

Já nas últimas duas semanas, o CDC disse que começaria a rastrear pessoas em cinco cidades dos EUA, numa tentativa de rastrear quantos casos reais existem por aí.

Mas os testes ainda não estão amplamente disponíveis. Na sexta-feira, a Associação de Laboratórios de Saúde Pública disse que apenas Califórnia, Nebraska e Illinois tinham capacidade para testar as pessoas quanto ao vírus.

Com tão poucos dados, o prognóstico é difícil. A preocupação de que esse vírus esteja além da contenção – que estará conosco indefinidamente – não é mais aparente do que na corrida global para encontrar uma vacina, uma das estratégias mais claras para salvar vidas nos próximos anos.

No mês passado, os preços das ações de uma pequena empresa farmacêutica chamada Inovio mais que dobraram. Em meados de janeiro, eles descobriram uma vacina para o novo coronavírus. Essa afirmação foi repetida em muitas reportagens, embora seja tecnicamente imprecisa.

Como outras drogas, as vacinas exigem um longo processo de teste para verificar se realmente protegem as pessoas das doenças e o fazem com segurança. O que essa empresa – e outras – fizeram é copiar um pouco do RNA do vírus que um dia poderá funcionar como vacina.

É um primeiro passo promissor, mas chamá-lo de descoberta é como anunciar uma nova cirurgia depois de afiar um bisturi.

Embora o sequenciamento genético seja agora extremamente rápido, fabricar vacinas é tanto arte quanto ciência.

Envolve encontrar uma sequência viral que causará de maneira confiável uma memória protetora do sistema imunológico, mas não desencadeará uma resposta inflamatória aguda que causaria sintomas. (Embora a vacina contra influenza não possa causar gripe, o CDC alerta que pode causar “sintomas semelhantes aos da gripe”.)

Atingir esse ponto ideal requer testes, primeiro em modelos e animais de laboratório e, eventualmente, em pessoas.

Não se envia simplesmente um bilhão de fragmentos de genes virais ao redor do mundo para serem injetados em todos no momento da descoberta.

A Inovio está longe de ser a única pequena empresa de biotecnologia que se arrisca a criar uma sequência que atinja esse equilíbrio.

Moderna, CureVac e Novavax estão na mesma corrida. Pesquisadores acadêmicos também estão no caso … no Imperial College London e em outras universidades, assim como cientistas federais em vários países, inclusive nos Institutos Nacionais de Saúde dos EUA.

Anthony Fauci, chefe do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas do NIH, escreveu no JAMA em janeiro que a agência estava trabalhando em velocidade histórica para encontrar uma vacina.

Durante o surto de SARS em 2003, os pesquisadores passaram da obtenção da sequência genômica do vírus para um ensaio clínico de fase 1 de uma vacina em 20 meses.

Fauci escreveu que, desde então, sua equipe reduziu a linha do tempo para pouco mais de três meses para outros vírus e para o novo coronavírus, “eles esperam avançar ainda mais rápido”.

Novos modelos de pesquisas que surgiram nos últimos anos também prometem acelerar o desenvolvimento de vacinas.

Um deles é a Coalizão para a Preparação para Epidemias (CEPI), lançada na Noruega em 2017 para financiar e coordenar o desenvolvimento de novas vacinas.

Seus fundadores incluem os governos da Noruega e Índia, o Wellcome Trust e a Fundação Bill & Melinda Gates.

O dinheiro do grupo está agora fluindo para o Inovio e outras pequenas empresas de biotecnologia, incentivando-os a entrar no negócio arriscado do desenvolvimento de vacinas.

O CEO do grupo, Richard Hatchett, compartilha a visão básica da linha do tempo de Fauci – uma vacina COVID-19 pronta para as fases iniciais dos testes de segurança estarão disponveis em abril.

Se tudo der certo, no final do verão os testes poderão começar a verificar se a vacina realmente previne doenças.

No geral, se todas as peças se encaixarem, Hatchett acha que levaria 12 a 18 meses para que um produto inicial possa ser considerado seguro e eficaz.

Essa linha do tempo representa “uma vasta aceleração em comparação com a história do desenvolvimento de vacinas”, declarou.

Mas também é ambicioso e sem precedentes.

“Propor uma linha do tempo neste momento deve ser considerado algo extremamente aspiracional (fantasioso)”, acrescentou.

Mesmo se essa projeção idílica de um ano fosse realizada, o novo produto ainda exigiria fabricação e distribuição.

“Uma consideração importante é se a abordagem subjacente pode ser escalada para produzir milhões ou bilhões de doses nos próximos anos”, disse Hatchett.

Especialmente em uma situação de emergência em andamento, se as fronteiras se fecharem e as cadeias de suprimentos quebrarem, a distribuição e a produção poderão ser difíceis puramente por uma questão de logística.

O processo pode finalmente custar centenas de milhões de dólares – dinheiro as empresas iniciantes e as universidades não têm.

Eles também não têm instalações de produção e tecnologia para fabricar e distribuir em massa uma vacina.

A produção de vacinas há muito depende de investimentos de uma das poucas empresas farmacêuticas globais gigantes.

No Instituto Aspen, na semana passada, Fauci lamentou que ninguém ainda tivesse que “intensificar” e se comprometer a fazer a vacina.

“As empresas que têm a habilidade de fazê-lo não ficam sentadas e têm instalações quentes, prontas para ir quando você precisar … mesmo se elas o fizessem, adquirir um novo produto como esse poderia significar perdas maciças, especialmente se a demanda diminuir ou se as pessoas, por razões complexas, optarem por não usar o produto.”

A fabricação de vacinas é tão difícil, custosa e de alto risco que, na década de 1980, quando as empresas farmacêuticas começaram a incorrer em custos legais por supostos danos causados ​​pelas vacinas, muitas optaram por simplesmente abandoná-las.

Para incentivar a indústria farmacêutica a continuar produzindo esses produtos vitais, o governo dos EUA ofereceu-se para indenizar qualquer pessoa que afirmasse ter sido prejudicada por uma vacina.

O acordo continua até hoje. Mesmo assim, as empresas farmacêuticas geralmente consideram mais rentável investir nos medicamentos de uso diário para condições crônicas.

E os coronavírus podem apresentar um desafio particular, pois, em sua essência, eles, como os vírus influenza, contêm cadeias únicas de RNA.

É provável que essa classe viral sofra mutação e as vacinas talvez precisem estar em constante desenvolvimento, como ocorre com a gripe.

“Se estamos colocando todas as nossas esperanças em uma vacina como resposta, estamos com problemas”, disse Jason Schwartz, professor assistente da Escola de Saúde Pública de Yale, que estuda a política de vacinas.

O melhor cenário, como Schwartz vê, é aquele em que esse desenvolvimento da vacina acontece tarde demais para fazer a diferença no atual surto.

O verdadeiro problema é que a preparação para esse surto deveria estar acontecendo na última década, desde a SARS.

“Se não tivéssemos deixado de lado o programa de pesquisa de vacinas SARS, teríamos muito mais desse trabalho básico que poderíamos aplicar a esse novo vírus estreitamente relacionado”, disse ele.

Mas, como ocorreu com o Ebola, o financiamento do governo e o desenvolvimento da indústria farmacêutica evaporaram assim que a sensação de emergência se dissipou.

No sábado, o portal O Politico informou que a Casa Branca está se preparando para pedir ao Congresso US $ 1 bilhão em financiamento de emergência para uma resposta ao coronavírus.

Essa solicitação, se concretizada, aconteceria no mesmo mês em que o presidente Donald Trump divulgou uma nova proposta de orçamento que cortaria elementos-chave da preparação para uma pandemia – financiamento para o CDC, para o NIH e ajuda externa.

Esses investimentos governamentais de longo prazo são importantes porque a criação de vacinas, medicamentos antivirais e outras ferramentas vitais requer décadas de investimentos sérios, mesmo quando a demanda é baixa.

As economias baseadas no mercado geralmente lutam para desenvolver um produto para o qual não há demanda imediata e distribuir produtos para os locais de que são necessários.

Itália, Irã e Coréia do Sul estão agora entre os países que relatam um número crescente de infecções por COVID-19 detectadas.

Muitos países responderam com tentativas de contenção, apesar da eficácia duvidosa e dos danos inerentes à repressão historicamente sem precedentes da China.

Certas medidas de contenção serão apropriadas, mas proibir amplamente as viagens, fechar cidades e acumular recursos não são soluções realistas para um surto que dura anos.

Todas essas medidas têm riscos próprios.

Em última análise, algumas respostas pandêmicas exigirão a abertura de fronteiras e não o fechamento.

Em algum momento, a expectativa de que qualquer área escape dos efeitos do COVID-19 deve ser abandonada: a doença deverá ser vista como um problema de todos.

Fonte: diariodobrasil.org