Endividamento e inadimplência das famílias recuam em dezembro, mostra CNC

366

Daniela Amorim (AE)

Os brasileiros ficaram menos endividados na reta final do ano passado, segundo dados da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). A Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic) mostra que a proporção de famílias com dívidas caiu de 60,3% em novembro para 59,8% em dezembro.
O resultado é também 2,4 pontos porcentuais inferior ao de dezembro de 2017, quando 62,2% das famílias estavam endividadas.
A inadimplência também teve ligeira queda: 22,8% das famílias tinham dívidas ou contas em atraso em dezembro de 2018, contra 22,9% em novembro. Em dezembro de 2017, 25,7% das famílias estavam inadimplentes.
O total de famílias que declararam não ter condições de pagar suas contas ou dívidas em atraso e que, portanto, permaneceriam inadimplentes diminuiu de 9,5% em novembro para 9,2% em dezembro Há um ano, essa fatia era de 9,7%.
“As taxas de juros em patamares mais baixos constituem um fator favorável à queda da inadimplência, assim como a sazonalidade do período. O recebimento do décimo terceiro salário favorece o pagamento de contas em atraso”, afirmou a economista Marianne Hanson, da CNC, em nota oficial.
O cartão de crédito manteve-se como o principal tipo de dívida, mencionado por 78,1% das famílias entrevistadas, seguido pelos carnês (14,7%) e pelo financiamento de carro (10,2%).
O tempo médio de atraso no pagamento de dívidas foi de 63,5 dias em dezembro de 2018, abaixo dos 64,3 dias registrados no mesmo período do ano anterior. Em média, o comprometimento com as dívidas foi de 6,9 meses, sendo que 31,3% das famílias possuíam dívidas por mais de um ano. Entre os endividados, 19,6% afirmaram ter mais da metade da renda mensal comprometida com o pagamento de dívidas.
A pesquisa considera como dívidas as contas a pagar através de cheque pré-datado, cartão de crédito, cheque especial, carnê de loja, empréstimo pessoal, prestação de carro e seguro.