Alexandre de Souza Teixeira: “a inteligência artificial se integrará de forma cada vez mais natural à vida das pessoas e às atividades das empresas.”

Ao comentar as tendências no mundo digital, voltados à empresas e profissionais liberais nos mais variados segmentos, o empresário e especialista em marketing digital, Alexandre de Souza Teixeira, sócio-fundador da empresa In Company – Projetos Customizados de Marketing, disse que “a inteligência artificial continuará se integrando à vida das pessoas. Porém o excesso de informação (visual e textual) está deixando os usuários cada vez mais cansados além da legislação brasileira estar exigido muito mais das empresas que trabalham com dados na Internet.”

Para o especialista em marketing digital, Alexandre de Souza Teixeira, no início de 2018, o uso de ferramentas de inteligência artificial em estratégias de marketing digital já era apontado como tendência. “Nos próximos anos, a inteligência artificial e automações do fluxo da comunicação com os prospects e clientes se integrarão de forma cada vez mais natural à vida das pessoas e às atividades das empresas.”

E prossegue: “da mesma forma, a inteligência artificial vai ajudar a otimizar importantes tarefas na construção de marca e no marketing digital, por meio de recursos e ferramentas como: chatbots; robôs de análise de dados e inserção de ads; adaptação de conteúdo e SEO para buscas feitas por comando de voz em assistentes virtuais.

Para ele, a busca por automatização no marketing digital também vai crescer em 2019, inclusive no que diz respeito à seleção dos melhores lugares para inserir ads (anúncios). “É o que chamamos de mídia programática, ou publicidade programática”, salienta.

Segundo Alexandre Teixeira, “a mídia programática usa de recursos digitais para pesquisar os sites e plataformas, bem como os melhores dias e horários,

para alcançar o público alvo desejado. Assim, a marca pode adquirir esse espaço para expor o seu conteúdo.”

Mais adiante, o empresário lembra que “em 2018, foi aprovada no Brasil a Lei Geral de Proteção de Dados para entrar em vigor em 2020, que obriga todas as empresas que trabalham com dados pessoais de consumidores e usuários a informá-los expressamente sobre a forma como esses dados serão coletados; informar expressamente sobre o uso que será feito dos dados; garantir a proteção dos dados; além de várias outras medidas e proibições.”

E enfatiza Alexandre de Souza Teixeira: “Assim, todas as estratégias de marketing digital que requerem a coleta de dados precisarão ser ainda mais explícitas e transparentes sobre o uso que fará desses dados como, por exemplo,  a solicitação do e-mail do usuário para o recebimento de uma newsletter.

-É uma medida que, além de cumprir com o que a legislação exige, aumenta a credibilidade da marca e a formação de um vínculo de confiança com o usuário, salienta.

Segundo ele  “o excesso de conteúdo visual na Internet e nos dispositivos móveis gera um cansaço, e às vezes até mesmo um desconforto visual. Isso pode acabar gerando uma rejeição, ainda que de forma inconsciente.”

De acordo com o especialista, “o conteúdo que vai se destacar e gerar melhores resultados é aquele que conseguir transmitir o máximo de informação relevante por meio de uma leitura simples e agradável aos olhos, principalmente adaptados ao mobile. Vídeos e stories nas redes sociais também serão mais utilizados para reduzir o tempo de atenção dos consumidores.”

A In Company, com sede em Curitiba (www.incompanypr.com.br),  desenvolve projetos de marketing digital e inbound marketing especializados para empresas em geral, advogados, escritórios de advocacia, institutos jurídicos; médicos, dentistas, fisioterapeutas, nutricionistas, educadores físicos e profissionais da saúde em geral.


Avaliação da economia paranaense

Na mesa principal:  Helio Rotenberg, Darci Piana, Ratinho JR, Fabricio de Macedo, Eduardo Pimentel e Fábio Fernandes

O Lide Paraná, grupo de líderes empresariais, realizou, recentemente,  mais uma edição do jantar-debate. Nessa edição, o convidado foi o governador do Paraná, Ratinho Junior, que falou com os empresários sobre os “Cenários para o desenvolvimento da economia paranaense” e os 100 primeiros dias de governo.

Uma das medidas adotadas, segundo o governador, foi a redução da máquina pública. “Logo na transição nós contratamos a Fundação Dom Cabral, para fazer um novo organograma do estado, para enxugarmos a máquina pública, com a intenção de dar mais velocidade nas decisões, já que a máquina púbica é muito morosa”. Com isso, o governo, diminuiu de 28 para 15 Secretarias de Governo. “Também trouxemos o consultor e economista, Paulo Rabelo, para nos ajudar a criar métricas para os próximos 10 anos. Portanto, estamos governando o Paraná em 2019, com olhar em 2030”, explica o governador.

O jantar-debate do Lide contou também com a presença do presidente do Grupo Positivo, Helio Rotenberg; presidente do Lide Paraná, Fabricio de Macedo; o presidente da Associação Comercial do Paraná, Glauco Geara; vice-governador, Darci Piana e do CEO do Lide Nacional, Fábio Fernandes. Mais de 200 empresários do estado prestigiaram o evento.

“O Lide como sociedade civil organizada tem a missão de criar relacionamento entre empresas e poder público, por meio de eventos, workshops, palestras e também nos sentimos no direito de termos esse espaço para cobrarmos e sermos cobrados. Nós como empresários também temos que fazer a nossa parte para que possamos cobrar de nossos governantes”, afirma Fabrício de Macedo, presidente do Lide Paraná.


Sebrae Nacional elege nova diretoria para  2019/2022

Da esquerda para a direita  estão José Roberto Tadros, presidente do Conselho Deliberativo Nacional; Carlos Melles, Presidente do Sebrae; Bruno Quick, diretor técnico e Eduardo Diogo, diretor de administração e finanças

O Conselho Deliberativo Nacional do Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas) elegeu, na quarta-feira (17), em reunião extraordinária, a nova diretoria nacional da instituição para o período 2019 a 2022. O ex-deputado federal Carlos Carmo Andrade Melles será o diretor presidente; Bruno Quick Lourenço de Lima, diretor técnico, e Antonio Eduardo Diogo de Siqueira Filho, diretor de administração e finanças.

A reunião foi presidida pelo presidente do Conselho Deliberativo Nacional do Sebrae (CDN), José Roberto Tadros (presidente da Confederação Nacional do Comércio – CNC) e contou com a participação de 21 conselheiros, que representam diferentes instituições públicas e do setor privado. De acordo com Tadros, a reunião foi convocada, em caráter extraordinário, diante da solicitação feita por 11 conselheiros, no final de março/2019.

A definição da nova diretoria se deu a partir de chapa única que foi registrada junto à Secretaria do Conselho para os cargos de diretor presidente, diretor técnico e diretor de administração e finanças.  O novo presidente, Carlos Melles, é mineiro de São Sebastião do Paraíso, engenheiro agrônomo, formado pela Universidade Federal de Viçosa (BA), pesquisador e dirigente cooperativista. Melles foi deputado federal por seis legislaturas consecutivas e carrega em sua trajetória um histórico de luta pelas causas voltadas ao agronegócio, ao cooperativismo e às micro e pequenas empresas. Na Câmara dos Deputados, presidiu a Comissão Especial da Microempresa, que aprovou a Lei Geral da Micro e Pequena Empresa (2006). Bruno Quick, eleito novo diretor técnico, é engenheiro civil e especialista em políticas públicas pela Unicamp. Atuou como dirigente no movimento associativista empresarial, foi diretor técnico do Sebrae Minas (MG) e gerente da Unidade de Políticas Públicas e Desenvolvimento Territorial do Sebrae Nacional.

O novo diretor de Administração e Finanças, Eduardo Diogo, é advogado e Mestre em Liderança pela Universidade de Georgetown (EUA). Autor dos livros “Muda Brasil” e “It Was About Hope”, Eduardo foi consultor do Banco Mundial em Washington; secretário de planejamento e gestão estadual; presidente do CONSAD e da CONAJE; além de ter estudado em instituições como: Wharton School; London School of Economics and Political Science; e International Institute for Management Development (IMD).


Atendimento gratuito sobre Imposto de Renda

As declarações de Imposto de Renda serão aceitas pela Receita Federal até terça-feira, 30 de abril. Para esclarecer as dúvidas sobre o assunto, algo comum neste período, o Ventura Shopping, em parceria com o curso de Ciências Contábeis da Faculdade Fatec PR, oferece atendimento gratuito à comunidade.

A ação de auxílio aos contribuintes, denominada “Arena Serviço”, acontecerá nos dias 27 e 28 de abril, sábado e domingo, no setor verde do Ventura Shopping. Para ser atendido, o declarante deve levar a cópia da declaração de Imposto de Renda do ano anterior e os informes de rendimentos de 2018.

O “Arena Serviço” é um projeto do Grupo Tacla que leva temas e serviços variados aos lojistas e clientes dos shoppings. “Nessa etapa, iremos oferecer um serviço gratuito para os clientes que têm dúvidas para finalizar a declaração do Imposto de Renda”, afirma a gerente de marketing do Ventura Shopping, Daniela Leal.


AIG lança Blog Negócio Seguro

Com a proposta de levar mais informação sobre os riscos nos negócios, em uma linguagem simplificada, mais foco na contribuição do seguro como investimento e parte do planejamento empresarial em diferentes segmentos, a AIG Seguros apresenta o blog Negócio Seguro. A nova plataforma de conteúdo da AIG é um canal direto entre os especialistas da companhia, profissionais e empresas das áreas de varejo, logística e transportes, indústria, agronegócio, comércio e serviços, além de ser uma importante fonte de informações para corretores.

Temas atuais como a crescente ameaça de crimes cibernéticos e a necessidade de proteção dos dados; a preocupação com o impacto ambiental da operação; a responsabilidade da empresa sobre a vida e bens de terceiros; tendências como transações em criptomoedas e dicas sobre sistemas eficientes de proteção são alguns dos assuntos discutidos. Textos, vídeos, estudos e esclarecimento de dúvidas e mitos sobre riscos e prevenção compõem o blog, a partir da experiência dos profissionais da AIG e do mercado para apoio do empresário.


Como declarar bens e direitos no exterior

Todas as pessoas físicas com residência fiscal no Brasil estão obrigadas a declarar à Receita Federal seus ativos no país e no exterior (CBE), bem como os rendimentos obtidos. A compra de um imóvel em um outro país, os investimentos e rendimentos provenientes do exterior e depósitos em contas correntes devem ser declaradas na ficha de “Bens e direitos” na “Discriminação”. Também é necessário que se informe os bens e direitos e o valor de aquisição em moeda estrangeira, constantes nos instrumentos de transferência de propriedade.

Segundo Murillo Torelli, professor de Ciências Contábeis da Universidade Presbiteriana Mackenzie e orientador do serviço IR Solidário, essa forma diferenciada de declaração ocorre quando o patrimônio (imóveis, valores em contas bancárias e outros ativos no exterior) é adquirido diretamente pela pessoa física do investidor, havendo a necessidade de se expor os bens de forma analítica.

“O contribuinte deve declarar o imóvel (ou imóveis) pelo respectivo valor de aquisição ao câmbio do dia da transação, adicionando as reformas efetuadas, caso aplicável, e mantê-lo por este valor nos anos subsequente, enquanto os itens não forem vendidos”, destaca.


 Identificação de bons pagadores

A lei do Cadastro Positivo, sancionada pelo Governo Federal,  criou um novo instrumento que deve reduzir o custo do crédito e beneficiar milhões de consumidores que atualmente vivem à margem do sistema financeiro. O serviço será prestado por empresas especializadas que avaliarão o risco de crédito de pessoas físicas e jurídicas, baseado em históricos financeiros e comerciais. Segundo o Ministério da Economia, as informações serão sintetizadas numa nota de crédito (escore), que será disponibilizada a bancos, financeiras e ao comércio.

Pelos cálculos do governo, cerca de 130 milhões de brasileiros serão beneficiados com o Cadastro Positivo, entre eles, 22 milhões que hoje estão fora do mercado de crédito, mesmo sendo adimplentes. Com isso, a economia do país terá uma injeção de mais de R$ 1 trilhão nos próximos anos, o que deve gerar um incremento de 19% no Produto Interno Bruto (PIB). A iniciativa, conforme o Ministério, vai incentivar a livre concorrência com a entrada das finchets nas operações de crédito e crediários, o que vai contribuir para a redução do spread bancário.

COMPARTILHAR
AnteriorNa mesma
PróximoUnião pela educação