Escritório planejou o espaço com compartimentos específicos para organizar os equipamentos de pesca do cliente
Escritório planejou o espaço com compartimentos específicos para organizar os equipamentos de pesca do cliente

O dia dos pais está chegando e a EFTM Arquitetura apresenta um projeto especial para os papais que gostam de pescaria. As arquitetas Erika Fukunishi e Thalita Miyawaki planejaram um espaço de home office para casal em Curitiba (PR), com a bancada de trabalho compartilhada para que os dois possam trabalham na companhia um do outro. No local, um armário é dedicado exclusivamente aos materiais de pesca do cliente, fã da prática.

O ambiente possui 11 metros quadrados e foi projetado como um espaço para guardar documentos, livros e para o uso do computador. A exigência do casal foi que houvesse uma área dedicada as atividades de lazer do marido: pesca e música. Compartimentos específicos foram criados de maneira a organizar e facilitar o manuseio dos apetrechos de pesca, como varas, molinetes, carretilhas e térmicas. Além disso, foram projetados locais dedicados aos aparelhos de som, duas grandes caixas de reprodução, ao toca-discos e aos discos de vinil.

De acordo com as arquitetas da EFTM, o maior desafio do projeto foi armazenar todos os equipamentos de forma organizada, prática e com muito carinho, pois é dessa maneira que os produtos são tratados pelo proprietário da residência. “A inspiração surgiu dos traços orientais, com linhas retas, estilo moderno, cores suaves e ar de sofisticação, de modo que os proprietários se sentissem em um local especial, tanto para os eventuais trabalhos quanto para o lazer”, comenta a arquiteta da EFTM Erika Fukunishi.

Na decoração, o vidro reflexivo trouxe requinte ao cômodo e o papel de parede é responsável pelo aconchego do escritório. “A iluminação principal existente foi mantida, pois foi determinado que não houvesse rebaixo de gesso, e pontos de luz em locais estratégicos foram instalados, como na área de bancada, onde estão as gavetas e o som, e na área de exposição de molinetes”, detalha a arquiteta Thalita Miyawaki. O piso e a pintura existentes também foram reaproveitados, mas os móveis são novos e foram desenhados pelas profissionais, pensando nas necessidades dos clientes.