Pedreira Paulo Leminski (Foto: Gabriel Rosa/SMCS)

 

Em geral, a matéria de abertura deste espaço diário de notícias e opiniões não acolhe cartas. Hoje, dada a importância da denúncia que me faz o advogado Carlos Sotti Lopes, de que Curitiba impede a visita de turistas a um de seus pontos maiores de atração, estou abrindo exceção.

Coisas da Prefeitura? Tudo indica que sim:

“Caro Aroldo Murá,

Primeiro, salve João Manuel Simões e seu texto sobre ele! Merecidíssimo!

Segundo, um protesto e alerta: a Pedreira Paulo Leminski foi entregue a uma empresa paulista, espero que por Licitação regular, na gestão municipal anterior, para ‘’administrada’’ e reaberta para shows. Antes de tudo, a pedreira dos Gava é um exponencial atrativo turístico de Curitiba, por sua beleza e por sua energia e um certo assombro que exala.

A ‘atração turística’ da pedreira está registrada nos sites de busca, nas redes sociais, etc. Pois sabe que agora, com o gerenciamento da tal empresa paulista, É PROIBIDO VISITAR A PEDREIRA? Sim, é proibido passar do portão lá da frente, há um vigilante carrancudo e nada educado que protege a proibição e ainda zomba de quem se atreve a perguntar-lhe por quê? Além disso, não há um pobre mortal para informar o público, sobre nada, nem sobre a Ópera de Arame, esta que é aberta à visitação, mas sem nenhuma informação também.

“UMA RARIDADE”

Certamente, Curitiba é a única cidade do mundo que proíbe visitar uma cultuada atração turística. Imagino se a tal empresa paulista administrasse os Coliseus de Roma ou Verona, ou os Museus da Academia, Florença, e do Louvre, Paris. Todos estaríamos privados de conhecer o Davi, de Michelangelo e a Monalisa de Da Vinci!

TODOS DE PÉ, NO FRIO

Outra coisa: programar para a Pedreira um show único, duplo, como o que vai ali acontecer, dia 31 próximo, de James Taylor e Elton John, é, no mínimo, uma insensatez.

São dois dos maiores ícones da música pop romântica, com seus milhões de fãs vinculados na geração dos anos 60, como eu, e o público, assim na faixa mínima de 50 anos de idade, FICA EM PÉ, FAÇA FRIO OU CALOR, CHOVA OU NÃO, INCLUSIVE NOS CAMAROTES! Sim, Aroldo, o público fica em pé até nos Camarotes! Pode isto? E CAMAROTE A 1.000 REAIS O INGRESSO!

É mais uma ‘’inusitude’’ de nossa querida Curitiba, o único lugar do mundo (?) em que se paga camarote para ficar em pé!  E a Prefeitura atual, nada? Sabe disto, ao menos?”


ÉTICA NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

Registro histórico: em encontro que precedeu a abertura, em Curitiba (marcada para este 29/3) do II Seminário Internacional sobre Eficiência e Ética na Administração Pública, aparecem: sentadas: Marcela Moraes Peixoto (Procuradora Regional da República em São Paulo); Jaqueline Deviller (Professora da Universidade de Paris/Sorbonne); e Odete Medauar (Professora da Faculdade de Direito da USP). Em pé, Clèmerson Merlin Clève (UniBrasil), Romeu Felipe Bacellar Filho (UFPr), Daniel Hachem (PUC/PR) e Emerson Gabardo (UFPr.).

O encontro, importante evento educacional na área jurídica, é multidisciplinar. É promovido pelos Cursos de Direito do UniBrasil, UFPR, PUC/PR e PUC/SP, por meio do Núcleo de Pesquisas em Políticas Públicas e Desenvolvimento Humano do Programa de Pós-graduação em Direito da PUCPR; Núcleo de Investigações Constitucionais da Universidade Federal do Paraná; Instituto Brasileiro de Direito Urbanístico; Instituto Paranaense de Direito Administrativo; Instituto de Direito Romeu Felipe Bacellar; Programa de Pós-graduação em Direito da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e o Programa de Mestrado em Direito do UniBrasil Centro Universitário.

Trabalhos pela manhã e à tarde na UniBrasil, PUCPR e UFPR, dias 29 e 30. Depois dessa etapa, uma jornada em São Paulo dará prosseguimento ao Seminário.


UMA HISTÓRIA DE VINHO E AMIZADE, SEGUNDO PAULO NAUIACK

Gláucio Geara e Paulo Nauiack, no lançamento de Vozes do Paraná 8, e o Troféu Guerreiro

Vice-presidente da Fecomércio e dirigente de várias entidades, entre elas o Sindicato dos Representantes Comerciais do Paraná (SIRECOM), e presidente do CORE-PR, Paulo Nauaick será um dos personagens do livro 9 do “Vozes do Paraná”, cujo lançamento está previsto para agosto deste ano. Entre as suas muitas histórias, destaca-se a de Luiz Bonamin, um representante comercial de 96 anos.

MISSÃO

Bonamin, um dia, decidiu que já não lhe servia mais o registro de representante de vendas e decidiu cancelá-lo. Nauiack não sabe precisar, mas o registro era um dos mais antigos entre os 12 mil filiados do sindicato no Paraná. Imediatamente convocou o presidente da Fecomércio, Darci Piana, e foram os dois até a casa de Bonamin, no bairro Cajuru, apelar para que ele reconsiderasse a decisão.

VINHO CASEIRO

Conversador de carteirinha – um ‘falador’, como ele se define– Nauiack conta que foi recebido com uma garrafa de vinho produzida ali mesmo, em um pequeno terreno de 1.500 metros quadrados, onde ficava a casa e onde estava plantado o parreiral. Bonamin colheu as uvas e encarregou os netos de preparar o vinho ao velho estilo: amassando-as com os pés em uma tina. Indagado se iria beber o vinho, Nauiack respondeu: “Até a última gota. É como se eu estivesse saboreando a história do Bonamin”.

Claro que ele e Piana o convenceram também a manter o seu registro profissional.

GUERREIRO

Em 2007, Bonamin foi um dos homenageados do “Troféu Guerreiro do Comércio”, promovido pela Fecomércio. O prêmio é um dos de maior prestígio do setor e já foi entregue inclusive ao juiz Sérgio Moro.

Bonamin, como se vê, está em boa companhia.


A MANIFESTAÇÃO QUE NÃO HOUVE

Os organizadores esperavam mais das manifestações convocadas para o 26 de março em todo o país. Em Curitiba, que reuniu 200 mil manifestantes contabilizados pela PM, em 2016, o protesto desta vez teve pálida presença: 4 mil pessoas, segundo a mesma PM. Em Cascavel, apenas 10 manifestantes compareceram ao ato em frente à Catedral.

DOSE DE REALIDADE

Triste, mas óbvio. Nem mesmo as redes sociais são capazes de convocar protestos sem dar às pessoas um tico de motivação. Só a bandeira que enaltece o trabalho da Lava-Jato ou o fim do foro privilegiado é pouco.

Há uma dose de realidade que precisa ser considerada para fazer com que uma família saia de casa, pegue o ônibus e se enfie em meio à multidão sem um propósito que a identifique. Todo protesto deve ser precedido de indignação e alimentado por fatos novos. Não é o caso.

CONTO DA ESQUERDA

Do jeito que se apresentou, o 26 de março foi um prato de notícias requentadas e de fatos que já havia esfriado na “escalada” de notícias dos telejornais e nas páginas dos diários impressos. Comenta-se que os manifestantes caíram no “conto” ao reproduzir palavras de ordem da esquerda como o “Fora Temer”. Não creio.

TITANIC EM BUSCA DE SEU ICEBERG

O rumo agora, ao que parece, deve ser outro. Com as manifestações históricas derrubou-se um governo. Agora é hora de alinhar os ponteiros com as reformas necessárias para que o país deixe de ser um eterno Titanic em busca de seu iceberg. O ex-governador João Elísio Ferraz de Campos disse recentemente que Michel Temer pode passar para a história desde que saiba aplicar aquilo que aprendeu sobre estratégia política.

E isso passa por se reunir à mesa com “bandidos e mocinhos” e deles extrair um acordo. Não é o melhor dos mundos. Mas é o que temos por ora.


A PEDRA NO SAPATO DE OSMAR DIAS

Apontado como favorito na corrida ao governo do estado, Osmar Dias só teme, a exemplo daquele personagem de Asterix, que o céu lhe caia sobre a cabeça. E este pode ter nome: Ciro Gomes.

Em entrevista publicada pela Folha de S. Paulo, na segunda (28), o ex-governador do Ceará disparou a metralhadora giratória. Chamou Temer de “golpista salafrário”, disse que Lula “brincou de Deus” e desafiou o juiz Sérgio Moro: se ele tentar prendê-lo “vai ser recebido a bala”.

Gomes passou por sete partidos e deixou atrás de si menos do que Átila, o Huno, teria deixado. O último a lhe dar guarida é justamente o partido com o qual Ciro Gomes deseja disputar a presidência, em 2018: o PDT – o mesmo de Osmar Dias. Eis o conflito.

2 – MUITO BEM, OBRIGADO

Sem mandato e sem o compromisso da fidelidade partidária, Osmar Dias poderia estar agora rumando para outra legenda. Convites é o que não faltam. Mas ele diz que não vislumbra outro partido e que, salvo engano, está muito bem no PDT.

3 – APOIO A ÁLVARO

Se o irmão senador Álvaro Dias, filiado ao PV, disputar a presidência da República, Osmar diz que apoiará o irmão, porque se trata de um compromisso assumido de longa data. Uma aliança fraternal. Nesse caso, Ciro Gomes teria que abrir mão do palanque do Paraná, o que ele não aceitaria de bom grado.

4 – BANDEIRAS INGRATAS

Em um quadro de facilidades, a história se resumiria a isso. Em um quadro de dificuldades, seria bem diferente. Nada impede que o Tribunal Superior Eleitoral vincule, amanhã, as candidaturas da chapa majoritária, o que já se fez antes. Nesse caso, o apoio de Osmar a Ciro Gomes seria incondicional. E se Osmar leva consigo a bandeira do PDT deve levar também as bandeiras que o partido carrega, o que no caso de Ciro Gomes é o “Fora Temer”, “Fora Moro” e a retomada dos ataques à política neoliberal.

5 – REVERSO

Osmar tem feito um discurso cuidadoso. Foi vice-presidente do Banco do Brasil nomeado por Dilma Rousseff e usa de certo tato para criticá-la.

Vê na corrupção um mal a ser combatido e tece elogios a Sérgio Moro pelo trabalho incansável e corajoso. É o reverso do que diz Ciro Gomes.

6 – AS FICHAS

O único temor de Osmar é se enredar em meio à polarização, deixando os problemas do estado à mercê dos humores do planalto central. Osmar diz que tem muito a propor aos paranaenses e espera que os temas nacionais não dominem a pauta das eleições em 2018. É difícil apostar todas as fichas com o cenário que se apresenta, mas Osmar está disposto a bancar.


ITAIPU DIVULGA FOTOS E VIDEO DA POSSE DA NOVA DIRETORIA

A solenidade de posse da nova diretoria brasileira da Itaipu Binacional, ocorrida na manhã de segunda-feira (27), no auditório Poty Lazzarotto, Museu Oscar Niemeyer, em Curitiba, foi bem documentada e se encontra à disposição na internet.

Na ocasião, na presença do governador Beto Richa, o novo diretor-geral brasileiro da Itaipu Binacional, Luiz Fernando Vianna, recebe o cargo de Jorge Samek, que esteve à frente da Hidroelétrica durante 14 anos, como pode ser visto na foto.

Essa e outas fotos estão à disposição no link https://discovirtual.itaipu.gov.br/index.php/s/rGrrADex66dwndv.

Também foi disponibilizado um videorrelease com imagens e entrevistas da posse do novo diretor-geral, que pode ser visto no link https://wetransfer.com/downloads/7b4150a7b322eca2f485fa1ba99ed4f420170327190659/59ced5122916fd09ab468c1233cdff6020170327190659/adabb7