DR com Deus!

797

por Claudia Queiroz

Não sei quantas pessoas já tentaram enquadrar o Todo Poderoso… Confesso que fiz isso uma vez e deu certo!!! Mas está na hora de pegá-lo de novo nesta discussão de relação! Que história é essa de deixar recém-nascidos sofrerem tanto com cólicas logo nos primeiros meses de vida? Ah, o intestino não está ainda formado… Então crie para nós uma bolsa como a dos cangurus, fazendo nossos filhotes saírem e voltarem para dentro da barriga da mãe protegidos, alimentados e quentinhos!

Minha filha parou de mamar no peito há 1 mês e meio. Há poucos dias, com 2 anos e 5 meses começou a frequentar a escola. E junto com isso, estamos enfrentando uma maratona de microrganismos. Ela chora de febre e mal-estar… Minha vontade? Que volte a ficar no peito até eu morrer!

Que milagre há nessa criação? Exijo recall!!! Se a biologia de uma criança luta contra inúmeros vírus e bactérias durante a adaptação escolar, pela construção de imunidade em troca do prazer do convívio social, adultos batalham contra adversidades para conquistarem mais resistência em enfrentar a própria história de vida. Isso nunca acaba???

Então que blábláblá é aquele de que existem apenas dois caminhos: pelo amor e pela dor??? Minha conclusão é que infelizmente só o sofrimento nos faz crescer. Faça sua escolha, porém, “pegadinha do malandro”, mais cedo ou mais tarde, você vai chorar feito neném!

Sempre digo que para decidirmos por alguma coisa, precisamos superar as perdas… Fácil saber o que queremos, complexo é aceitar o que vai embora. Mas esta parece ser a grande chave da busca pela felicidade.

Quem sai da zona de conforto aprende, mesmo que na marra, a olhar pra si. Sábio Professor Hermógenes, pai da yogaterapia no Brasil, que parabenizava os alunos quando diziam para ele estar passando por um momento de crise… A clássica resposta era: “Aproveite, você está crescendo!”. Eu mesma ouvi isso dele esboçando meu riso triste.

Parar e reavaliar, para enxergar melhor, ponderar e reprogramar a rota deveria ser disciplina obrigatória na educação escolar e familiar… E pirando na “Claudialândia” (meu universo particular onde tudo parece magicamente perfeito), uma temporada de aula que ensine a buscar a motivação que mora dentro de cada um seria um exagero de tão maravilhoso… Sim, é um pedido, uma oração de mulher, mãe, filha do que Ele quiser me chamar!

Possível numa sociedade madura… preparada… colaborativa… intencional… intuitiva… não competitiva… mais humana. Mas até chegarmos lá precisamos aprender a pensar. Nada de ficar tentando equilibrar racional e emocional… Bobagem! O negócio é treinar o cérebro para reagir às situações inesperadas sem perder a compostura. Trabalhoso, porém, dignificante!

Aventure-se com coragem para infinitas possibilidades saindo da zona de conforto que mantém a vida morna. Acredite no potencial que você tem e mergulhe fundo nesta proposta de exame de consciência. Escolha ser feliz para pagar essa conta com orgulho, sem barganhar desconto ao final de cada etapa. Errar faz parte do aprendizado. Do contrário, pode ter certeza que a fatura sairá bem mais cara e um dia você vai descobrir!

Escolhas x consequências, o duelo onde você decide a hora exata de assumir o “touché” e dar o próximo passo. Reclamar não ajuda nada. Dizem, inclusive, que o significado desta palavra é clamar a Deus de novo… e de novo… num padrão de acomodação de dar dó.  Sugiro então que você agradeça pela desordem que está enfrentando, para que mereça a graça de sintonizar o céu em seu coração. Não há vitória pelo atalho. Nem mesmo a borboleta consegue voar se alguém facilitar que se rompa o casulo… Por isso, (agora falo com minha filha) filhinha, saiba que estarei sempre ao seu lado enquanto você treina seu exército e combate malvados invisíveis com toda a garra do mundo. Eu cuido de você com devoção e amor. O resto será por sua conta.

Claudia Queiroz é jornalista.