O Museu Guido Viaro revela a visão poética do fotógrafo  Dico Kremer sobre a estação de inverno vivida em Portugal nos anos 1990. A exposição Invernais abre nesta quinta-feira dia 23, às 19h. As imagens em preto e branco trazem melancólicas fachadas, portas e janelas, características da arquitetura portuguesa com seus azulejos e gradis.

“O olho não só vê, ele sonha, devaneia, pensa, ele é um mediador que nos conduz ao interior da irrealidade real das coisas, e acredito, é a razão porque Dico preferiu o preto&branco, que nos possibilita mais concentração no objeto principal da foto, centrado no assunto, com maior riqueza das tonalidades e também afirmando o estatuto abstrato da imagem fotográfica, a sua atemporalidade”, analisa o crítico de arte e curador da exposição, Fernando Bini.

A fotografias selecionadas por Bini e Kremer para a exposição trazem uma paisagem de casas e prédios e suas velhas paredes com suas janelas, velhas árvores, sombras, em branco, cinza e preto. Na apresentação, o curador cita Baudelaire: “O que se pode ver à luz do sol é sempre menos interessante do que se passa por detrás de uma vidraça”.

Ainda de acordo com Bini, as fotos para serem compreendidas não necessitam de um contexto histórico ou social, de onde e do momento que surgiram, este contexto pode auxiliar para esclarecer a sua gênese e, talvez, o conteúdo da obra, mas jamais o seu sentido profundo, aquele que se projeta em nós quando diante delas”.

O curitibano Dico Kremer é fotógrafo profissional especializado em fotos comerciais e tem em seu currículo trabalhos realizados em vários países. Durante suas andanças, optou por morar em Portugal de onde resultou a exposição “Invernais” agora apresentada em Curitiba.

Kremer, dramático em seu auto retrato, cresceu num universo intelectual e artístico e o cinema foi o que primeiro lhe atraiu no mundo das artes, seguido da literatura, música e da arte fotográfica. Foi nos tempos de colégio que aprendeu a fotografar e teve como mestre Jesus Santoro com quem aprendeu técnicas, a observar e a conhecer o meio fotográfico paranaense.

Agende-se: Abertura dia 23 de maio, às 19 horas, visitação no Museu Guido Viaro (Rua XV de Novembro, 1.348),  até 22 de junho, de  terça a sábado, das 14 às 19h. Entrada franca