Com as variações de temperatura tradicionais da estação, crescem as crises de rinite. Mas você sabia que os efeitos dessa doença são piores em pacientes que apresentam desvio de septo? Segundo o otorrinolaringologista do Hospital Santa Cruz, Dr. Mohamad Feras Al-lahham, quando as crises são muito recorrentes, a correção cirúrgica pode estar entre as soluções. “O desvio do septo nasal aumenta mais as queixas respiratórias. Isso impacta a qualidade de vida e pode levar a complicações mais sérias, entre elas sinusites, faringites e infecções na garganta”, explica.

É bastante comum o paciente chegar ao consultório reclamando da sensação constante de nariz trancado, normalmente em apenas um lado. “Quando a congestão nasal é associada à perda de olfato, ronco noturno, respiração bucal ou, até mesmo, dores de cabeça, é preciso avaliar a condição do septo e estudar o tratamento cirúrgico”, explica o otorrinolaringologista.

Sem cirurgia e sem tratamento adequado, o paciente pode desenvolver uma obstrução nasal crônica, o que mexe com a rotina de sono, afeta a qualidade de vida e prejudica, até mesmo, a capacidade de concentração. “Se atrapalhar a qualidade do sono, pode atrapalhar a vida diurna, gerando mais cansaço e aumentando o risco de doenças crônicas como pressão alta, colesterol alto e diabetes”, reforça o otorrinolaringologista do Hospital Santa Cruz.

Como funciona a cirurgia?

A cirurgia é simples, rápida e pouco invasiva. Pode ser feita com anestesia geral ou apenas local, dependendo do estado geral de saúde do paciente e da avaliação médica. “Normalmente, é possível voltar pra casa no mesmo dia, sem necessidade de passar a noite no hospital”, explica Dr. Mohamad. O pós-operatório também é bastante simples, composto por repouso, aplicação de compressas frias na região do nariz, dieta leve e lavagem nasal. Nos primeiros dias, podem ocorrer sangramentos, dor e sensação de nariz entupido, devido ao inchaço da mucosa interna do septo. “Mas esses sintomas tendem a desaparecer rapidamente”, completa o médico.