O Brasil vem passando por um momento de queda de prestígio por parte de investidores estrangeiros. Está diminuindo o desejo dos empresários de investirem em negócios por aqui, o que, na prática, é muito ruim para o mercado de trabalho nacional. Receber verbas do exterior garante geração de empregos para milhares de brasileiros. A redução do otimismo empresarial com o país acende um sinal de alerta para o governo, que precisa desenvolver mais a política econômica para aumentar o interesse externo.

A 17ª pesquisa anual com os CEOs (presidentes-executivos) feita pela PricewaterhouseCoopers revela que os executivos brasileiros estavam em quarto lugar no campeonato mundial de otimismo, atrás apenas de russos, indianos e mexicanos. Eram 44% os que esperavam crescimento das suas receitas no curto prazo. Agora, os brasileiros caíram três posições: são 42% os otimistas, atrás de russos, mexicanos, sul-coreanos, indianos, chineses/Hong Kong, Asean (dez países do Sudeste Asiático) e Dinamarca.