O Indicador Serasa Experian de Perspectiva do Crédito às Empresas recuou 0,5% em julho de 2011, a nona queda mensal consecutiva, atingindo o valor de 99,2. Como pela sua metodologia de construção, o indicador tem a propriedade de antever os movimentos cíclicos da concessão de crédito com seis meses de antecedência, estas sucessivas quedas mensais, colocando o indicador abaixo do nível 100, sinalizam que o crédito às empresas deverá continuar se desacelerando, não apenas no segundo semestre deste ano, mas também pelo início de 2012.

O atual momento de aperto das condições de crédito, o cenário de crescimento mais moderado da economia brasileira, especialmente durante o segundo semestre deste ano, e o agravamento do quadro conjuntural externo continuarão impactando negativamente o apetite por crédito das empresas, o qual tenderá a crescer mais lentamente ao longo dos próximos meses, observam os economistas da Serasa Experian.

O Indicador Serasa Experian de Perspectiva do Crédito ao Consumidor ficou estável em julho, mantendo o patamar de 100,5 após cinco altas consecutivas.

A manutenção deste indicador, já há alguns meses, ao redor do nível 100 sinaliza que o volume de concessão de crédito às pessoas físicas não deverá sofrer maiores impactos tendo em vista o agravamento do quadro conjuntural externo.

Todavia, se caracterizará por uma rota de expansão mais moderada, produzindo impactos neutros do ponto de vista da aceleração do crescimento econômico bem como da taxa de inflação, salientam os economistas da Serasa Experian.