Curto e grosso

438

Sem meias palavras. Papo curto e reto. O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou ao assumir o cargo, que é preciso aprofundar reformas para resolver o problema fiscal. De acordo com Guedes, o Brasil foi “corrompido pelo excesso de gastos” e o descontrole é hoje um mal maior Na avaliação dele, a crise fiscal é o principal entrave para o crescimento do país há pelo menos quatro décadas. Ele defendeu que a principal reforma é a da Previdência. Criticou ainda a aposta em um Estado que atue como motor do crescimento e defendeu a economia de mercado.

— Essa insistência no Estado como motor de crescimento produziu essa expansão de gastos públicos, corrompendo a política e estagnando a economia. São dois filhos bastardos do mesmo fenômeno. O Brasil parou de crescer pelo excesso de gastos — disse o ministro.

— O Brasil deixará de ser o paraíso do rentista e o inferno de os empreendedores — afirmou, completando: — Quem legislativa tem as maiores aposentadoria, quem julga as maiores aposentadorias, e o povo as menores. Nós vamos ter que fazer a reforma da Previdência.

Primeiros passos

Não é nada inédito, mas não tem como começar governo sem algumas providências que se repetem a cada novo ciclo. Nos primeiros dias de governo, Ratinho e sua equipe se dedicarão ao beabá da chegada ao Palácio Iguaçu: 1) exonerar os comissionados e funções gratificadas; 2) nomear aqueles que ocuparão cargos; 3) reunião com o secretariado para organizar prioridades; 4) dar uma olhadinha nas contas do governo anterior; 5) reunir projetos impactantes para planejar recursos e contar à sociedade providência palpável no início do mandato.

Fugir dos chatos

Tudo isso, claro, desviando daqueles que começam a se aglomerar nas portas dos gabinetes a querer emplacar uma indicação de última hora.

Fala Ratinho pai

Ratinho, o pai, também foi a sensação na cerimônia de posse de Ratinho, o filho. Com fotos, selfies, autógrafos, atendeu muita gente e pela imprensa mandou recado para Bolsonaro: “O Brasil tem que sair dessa história de que o Estado tem que cuidar de tudo. Tem que deixar o empresário trabalhar. Porque quem dá emprego não é o Estado; é o empresário”.

Livre, leve e solto

Acir Gurgacz, aquele que nasceu em Cascavel no Paraná, é senador pelo PDT de Rondônia, foi condenado a 4 anos e 6 meses pelo STF e cumpre pena em regime semiaberto no Complexo Penitenciário da Papuda, estava feliz da vida na cerimônia de posse presidencial do Congresso. Divulgou foto ali, no ladinho do tapete vermelho.

Greca

O prefeito Rafael Greca comemorou o que chama de “plena recuperação” após cirurgia em que foi submetido na sexta-feira, 28, em hospital em Curitiba. “Satisfação na comemoração da plena recuperação, infecção debelada. Após almoço com creme de milho, suco de laranjas e gelatina de uvas e de morangos sinto a Vida em plenitude. Comigo os médicos Doutor Marlon Rangel (cirurgião) e Felipe Bueno da Silva (clínico)”, disse Greca no facebook..

Sem mordomias

No discurso de posse, o governador Carlos Massa Ratinho Jr disse que a máquina pública será reduzida e passará por uma grande reestruturação. Ratinho destacou que o atual momento exige audácia para romper com velhos padrões arraigados na política brasileira para priorizar investimentos essenciais à população paranaense. “Minha missão é resgatar a confiança das pessoas na política brasileira. Vou enxugar a máquina e acabar com as mordomias no poder público”, afirmou.

Na trave

Bateu na trave a tentativa do advogado Cássio Lobato (PSL) de ser nomeado como conselheiro da Itaipu Binacional no lugar do deputado Carlos Marun (MDB). Lobato tem espalhado notícias negativas da binacional na esperança que o presidente Jair Bolsonaro (PSL) faça mudanças em cargos na usina. Até agora, as tentativas têm sido em vão e o Planalto já identificou seu interesse em desgastar a imagem da hidrelétrica.

Marum fica

Em tempo: o chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, confirmou que o presidente Jair Bolsonaro manterá Marum no conselho de administração da Itaipu.

Limitações de Moro

Dono de uma das missões mais espinhosas da Esplanada, Sergio Moro indicou no discurso de posse que sua agenda à frente do Ministério da Justiça terá como foco principal o Congresso Nacional. Ciente das limitações, especialmente orçamentárias, de sua pasta, Moro aposta no endurecimento das leis para obter êxito no combate à corrupção e ao crime organizado. “Não se combate corrupção somente com investigação”, constatou.

Crime da caixa dois

O superministro Moro vai endurecer. Ele quer criminalizar o caixa 2, instituir de vez a prisão após a segunda instância, dificultar a libertação de líderes de grupos criminosos, entre outros projetos que enviará ao Legislativo.

Caminho difícil

Será um longo e difícil caminho, porém. Bolsonaro já terá de emprestar seu capital político para fazer avançar a pauta econômica no Congresso, além de distrações perigosas para afagar seu eleitorado, como a posse de armas, compromisso não mencionado por Moro, registre-se.

Outro vespeiro

Moro também se mostrou disposto a mexer no vespeiro do sistema prisional. Terá de lidar, inevitavelmente, com reação violenta do crime organizado para, enfim, eliminar a comunicação de seus líderes com o mundo exterior. Prometeu ainda investir na construção de presídios, destravando, enfim, a baixíssima execução do Fundo Penitenciário. Dinheiro nunca faltou, mas, afinal, quem quer um presídio em sua vizinhança?

Agenda pesada

A complexidade da agenda de Moro se dará num contexto desolador, com facções espalhadas pelo país e mais de 60 mil homicídios por ano, índice epidêmico só visto por aqui. Mas, diga-se, a maior parte dessas questões teria de ser enfrentada em algum momento. Melhor que seja pelas mãos de alguém empoderado pelo sucesso da Lava-Jato.

Deferência

Um dia após a posse, o presidente Jair Bolsonaro participou, na manhã de ontem, da cerimônia de transmissão de cargo dos quatro ministros que trabalharão diretamente com ele no Palácio do Planalto. Assumiram os cargos de ministro: Onyx Lorenzoni (Casa Civil), Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional), Santos Cruz (Secretaria de Governo) e Gustavo Bebianno (Secretaria-Geral).

Derreteu

O general Augusto Heleno afirmou em sua fala que a área de inteligência do governo foi retomada pela gestão Michel Temer depois de ter sido “derretida” por Dilma Rousseff. “A nossa missão no Gabinete de Segurança Institucional é basicamente tratar da segurança e das viagens do Presidência da República, e, mais ainda, cuidar do sistema de inteligência brasileiro, ser o cabeça desse sistema. E esse sistema foi recuperado pelo general Etchegoyen, pois ele foi derretido pela senhora Rousseff, que não acreditava em inteligência – afirmou Heleno, sendo interrompido por aplausos.”

Missão nova

O novo ministro do GSI afirmou que sua missão será levar informações para que o presidente tome suas decisões e afirmou que o sucesso do governo se dará pelo “exemplo” de Bolsonaro. – Vamos construir um Brasil novo, com austeridade, transparência, e honestidade, principalmente pelo exemplo do nosso presidente – disse Heleno.

O cão do Alvaro

Famoso na campanha de 2014, Hugo Henrique, o cão de Alvaro Dias, voltou aos holofotes em uma mensagem especial de fim de ano gravada pelo Senador.

 

 

O porco e a cabra

O ano chinês de 2019, no calendário civil, terá início à meia noite do dia 5 de fevereiro e terminará em 24 de janeiro de 2020, às 23h59. Este será o ano de número 4717, caracterizado pelo encontro de duas principais energias: uma delas originárias dos seres vivos, é representada pelo signo de Porco e a outra, pelo planeta Terra, caracterizado pelo elemento Terra Yin. Logo 2019 é o ano do Porco da Terra. Será um ano alegre, estável, com menos tensões e importante é confiar nas próprias ações, sempre agindo com rigor e sabendo recuar quando preciso. Jair Bolsonaro é do signo de Cabra, pessoas sinceras e generosas, que estarão com carisma em alta. E o Porco trará sorte para quem é de Cabra.

Desespero

Na semana passada, quando a ação rebelde do ministro Marco Aurélio Mello pretendia soltar todos os presos condenados em segunda instância, o ex-presidente Lula manifestava junto a seus advogados a quase certeza de que a medida seria impedida rapidamente e sua soltura não aconteceria.  Nos dias seguintes, contudo, até pela proximidade do Natal e Ano Novo, quem esteve com Lula viu um homem à beira do desespero. Nessa véspera de Natal, o ex-presidente poderá comer uma mini ceia enviada por familiares.

Fazendo as contas

Enquanto a Febraban faz campanha também pela televisão com o objetivo de diminuir os juros bancários, grupo de vítimas dos juros estratosféricos distribui pela internet cálculos comparativos. Se um correntista tivesse depositado R$ 100,00 na poupança de qualquer banco, dia 1º de julho de 1994, data de lançamento do Real teria hoje na conta R$ 374,00. Se esse mesmo correntista tivesse sacado R$ 100,00 no Cheque Especial, na mesma data teria hoje uma dívida de R$ 139.259,00 no mesmo banco. Ou seja: se tivesse usado R$ 100 no Cheque Especial hoje estaria devendo o equivalente a quatro carros populares. Já com o valor da poupança conseguiria comprar dois pneus.

Revisão

O presidente eleito Jair Bolsonaro acorda cedo e na sexta-feira (21) as 6h29, já postava em seu Twitter. Afirmava que iria revisar o quadro da Secom e rever todos os contratos firmados pelo órgão. “Revisaremos diversos contratos e reavaliaremos o quadro pessoal da Secom a fim de reduzir ainda mais o orçamento para 2020. Vamos mostrar, nesta e em outras áreas, na prática, os benefícios da correta aplicação de recursos públicos”.

Reclamando

Ainda no Twitter, Jair Bolsonaro reclamou da aprovação do orçamento da Secom. O governo de Michel Temer havia proposto R$ 277 milhões e o Congresso só aprovou R$ 150 milhões. E voltou afirma que em seu governo não existirá a política do “Toma lá, dá cá”. “Informo que nosso governo não irá pleitear qualquer aumento no orçamento e trabalhará com o valor aprovado”.

Mais respeito

O PCdoB, PDT e PSB se uniram para formalizar oposição ao governo de Jair Bolsonaro e distribuíram um comunicado à imprensa. O Capitão em seu Twitter disse que não era nenhuma surpresa e que ficaria preocupado “se fosse ao contrário”.  André Figueiredo, vice-presidente do PDT, não gostou e exigiu uma postura de mais respeito partindo do futuro Chefe do Governo. “Lamentável Presidente eleito Jair Bolsonaro. Desdenhar de uma oposição responsável no Parlamento. Democracia exige respeito às posições divergentes”.

Inimigos

Nem começou o governo Bolsonaro e já existem dois inimigos declarados: Cuba e Venezuela. E outros países podem de juntar aos países latino-americanos se o Capitão não adotar uma postura um pouco mais flexível. Entre o que podem se juntar ao bloco estão China, Israel e países árabes.

 

É questão de tempo

Apesar de mostrar tranquilidade, confiança na sua inocência e espalhar que as denúncias contra eles são infundadas, Michel Temer tem certeza que será preso, e que isso é uma questão de tempo. Ele recebeu de fato um convite para lecionar numa escola de Portugal e até pensou em aceitar. Só que pensou que, se aceitasse, seria como uma assinatura de sua culpa e decidiu ficar a aproveitar o tempo ao lado da esposa Marcela e do filho Michelzinho.

Momento infeliz

Vagner Freitas, presidente da CUT, em entrevista ao jornal El País, afirmou que assim que Jair Bolsonaro assumir a Presidência irá procurá-lo para uma conversa. E ainda pediu desculpas, sobre a declaração que deu sobre que entidade não reconhecia o resultado das eleições, garantindo que foi um “momento infeliz”.

Terceiro repasse

Não é só o Brasil que vive uma crise, a Argentina também. O FMI aprovou o terceiro repasse neste ano. O valor liberado foi de US$ 7,6 bilhões. Em troca, o país vizinho terá que, entre outras coisas, reduzir o déficit a zero no ano que vem.

Twites

Ainda a história da soltura dos condenados em segunda instância: autorizado pelo ministro do STF Marco Aurélio Mello e suspenso pelo presidente da Corte Dias Toffoli rendeu cerca de 1,3 milhão de twites entre as 14h30 e 0h de quarta-feira (19), segundo a análise da FGV.

Vai ficar

O presidente eleito Jair Bolsonaro, disse depois que venceu as eleições, que os ministros escolhidos não poderiam ser condenados pela Justiça para permanecer nos ministérios. Agora o futuro ministro Ricardo Salles foi condenado na primeira instância (ainda cabe recursos). Até agora, o Capitão não se manifestou para a troca do indicado, o que leva a crer que a mudança só será feita se forem condenados por corrupção. E Salles foi condenado por improbidade administrativa.

Liquidação

Não só de fundo político vivem os partidos, muitos dele possuem lojas para vendas de produtos ligados a sigla, como canecas, chaveiros, camisetas e outros.  Um deles é o partido Novo, que conseguiu emplacar Romeu Zema no governo de Minas Gerais e seu candidato ao Planalto ficou em 5º lugar. Agora, no final do ano, está liquidando as camisetas que antes custavam R$ 70 cada e agora sai por R$ 49. E possa abaixar mais.

Olho no orçamento

O ex-governador paulista Geraldo Alckmin, depois da derrota na campanha à Presidência, tenta organizar o orçamento doméstico para o novo ano. No Hospital das Clínicas de São Paulo, contudo, como voluntário, atenderá pacientes como acupunturista, uma de suas especialidades. Uma empresa especializada trata de vender palestras do ex-governador em universidades e entidades empresariais sobre gestão pública (a ideia é cobrar R$ 20 mil por palestra). E enquanto permanecer na presidência do PSDB tem direito a uma retirada mensal.

Arquivado

O Ministério Público do Rio resolveu arquivar queixa-crime contra o vereador Carlos Bolsonaro por apologia à tortura. Em setembro ele postou foto de um homem com a cabeça envolta num saco plástico, com os braços amarrados atrás. A imagem jorrava sangue. Os procuradores entenderam que ele estava em exercício de liberdade de expressão. O pitbull do presidente eleito ficou animado e até pode voltar ao tema.

Confiante

O ex ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, diz estar confiante com a reforma da Previdência para o ano que vem. Ele acredita que tudo está bem encaminhado e que muitos brasileiros já entenderam que ela é mais do que necessária.

Maior da história

Na semana passada, enquanto o país acompanhava a novela de soltura dos presos condenados em segunda instância, o Congresso aprovava um fundo partidário de R$ 927 milhões para 2019, o maior da história, dentro do Orçamento para o próximo ano. Essa dinheirama é que vai sustentar a farra dos partidos do país.

Novo cargo

A ainda senadora Ana Amélia, que desistiu de se reeleger no Senado para ser vice na derrotada chapa de Geraldo Alckmin, já acertou com o novo governador gaúcho eleito, o tucano Eduardo Leite: será o chefe da representação do Rio Grande do Sul em Brasília.

Quase

Se fosse cumprida a vontade do ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo, o Brasil estabeleceria um surpreendente recorde, com a liberação de mais de 169 mil criminosos já cumprindo pena. Há quem calcule que seja o equivalente a dois Maracanãs lotados de bandidos. Entre os demais ministros da Alta Corte, as opiniões divergiam. O que eles mais queriam era respeito ao colegiado, base da segurança política.

A vida é bela

O candidato derrotado à Presidência pelo PT, Fernando Haddad está em férias na Bahia, com a família. Preferiu se hospedar na vila de Santo André, em Santa Cruz Cabrália, no Hotel Campo Bahia, que hospedou a seleção brasileira na Copa de 2014.

Não falou

O ministro do Supremo Marco Aurélio Mello, não falou, nem para mais chegados, qual o seu destino de final de ano. Teme sofrer represália.

Vai virar filme

O ex-jogador e comentarista de TV, Casagrande, vai ganhar uma espécie de cinebiografia produzida pela Media Bridge. Título: Casagrande e seus demônios.  Deverá abordar também a luta dele contra dependência química. A direção será de Rogério Gomes, o Papinha, que à propósito, quer abandonar a direção da novela O sétimo guardião por não concordar com mudanças feitas por Silvio de Abreu.

De graça

Sem atendimento do médium João de Deus, a Casa Dom Inácio de Loyola, o “hospital espiritual” de Abadiânia, está aberta e recebendo cada vez menos fiéis. O coordenador do centro, Chico Lobo, diz que muitos desistiram de viajar para lá. Farmácia, livraria e cantina continuam abertos e os remédios que eram vendidos por R$ 100, contendo passiflora, são distribuídos de graça. Mais: os comerciantes da cidade estão em pânico total.

Manobra

Raquel Dodge, procuradora-geral da República, deixou para protocolar a nova denúncia nas primeiras horas de recesso e deu uma volta no ministro Luis Roberto Barroso que, como relator do inquérito dos Portos, poderia decretar a prisão preventiva do coronel João Batista Lima, apontado como laranja de Temer. O caso foi parar nas mãos do plantonista e presidente do Supremo, Dias Toffoli.

Abusiva

Enquanto Michel Temer oficializa a entrada de capital estrangeiro de até 100% nas empresas aéreas, o TCU avaliza cobrança abusiva pelo transporte das malas. Alega que isso é “favorável ao consumidor”.

O que ver

Com a chegada desta época do ano, sempre surgem listas do que fazer no verão, quais lugares mais badalados para 2019, etc. No cinema também não é diferente, especialistas e críticos dão dicas de quais filmes deverão ser assistidos em 2019. Entre cinebiografias, romance, ação, os mais listados para serem assistido em 2019 são: Se a Rua Beale Falasse, uma história de amor atemporal, mas que também explora a força dos laços afetivos da família afro-americana, com direção de Barry Jenkins e estreia prevista.

Favorita

A Favorita é uma história centrada em três personagens femininas do século 18 na Inglaterra envolvidas numa espécie de rede de intrigas palacianas, com direção de Yorgos Lanthimos, com estreia em 24/01; o No Portal da Eternidade, que conta a vida de Vincent Van Gogh, direção de Julian Schnabe, estreia 07/02; Duas Rainhas, que conta a história das rainhas rivais Mary e Elizabeth I, direção da estreante Josie Rourke, estreia 14/02; e Westwood – Punk, Icon, Activist, que conta a história de Vivienne Westwood, direção de Lorna Tucker, com previsão de estreia entre fevereiro e março.

Nua ao sessenta

Quem diria: a atriz Solange Couto, 61 anos, resolveu celebrar seus nove anos de casamento com Jameson Andrade (depois de uma breve separação no começo do ano), de uma maneira muito especial e certamente muito generosa para com seus admiradores. Posou toda nua na banheira, com pétalas de rosas espalhadas pelo corpo e também de costas, só com fio dental, na varanda de frente para o mar. As fotos foram compartilhadas, acompanhadas e liberadas pelo maridão orgulhoso. Nada de empoderamento: Solange diz que “é uma nudez de festa”.

Vigiar oposição

Populares que acompanharam a posse de Bolsonaro receberam um folheto assinado por uma entidade denominada Movimento Unidos pelo Brasil com recomendação para que seus aliados vigiem a oposição. Um número de grupo de WhatsApp foi divulgado. “Os eleitores de Bolsonaro permanecerão fiéis? Saberão se organizar para apoiá-lo contra truques sujos daqueles que não querem sair do poder? É preciso que cada um em seus Estados vigie seus deputados e senadores”, diz o folheto do movimento.