Com a popularização dos automóveis próprios no Brasil na década de 1980 e o boom de crédito nos anos 2000, o que resultou em diversos recordes na venda de carros no país, a questão do transporte urbano mudou, e muito. Hoje, a locomoção do ponto “A” ao “B” se tornou muito mais complexa: não apenas o número de usuários – motoristas, motociclistas e passageiros de ônibus, táxis, metrô e trem – aumentou de maneira assustadora, mas o caminho percorrido se tornou maior. Segundo a Confederação Nacional de Transportes (CNT), os automóveis – apesar de transportarem cerca de 20% dos passageiros – ocupam 60% das vias públicas, enquanto os ônibus – que transportam 70% dos passageiros – ocupam 25% do espaço nas grandes cidades brasileiras.

Além disso, muitos problemas de ordem social e de infraestrutura atrapalham a movimentação rápida e confortável dos usuário, embora diversas opções de mobilidade urbana tenham despontado no mercado nos últimos anos.

Diante desse cenário catastrófico, parece impossível reverter essa situação. O segredo para melhorar a mobilidade urbana em grandes cidades, como São Paulo, é simples: adotar o uso inteligente de todas as opções disponíveis no mercado.

Antes de sair de casa, é importante que o usuário tenha em mente quais os trajetos que serão feitos no dia e como são as características do entorno do local. Não adianta excluir opções: ônibus, metrô, trólebus, trem, táxi, aluguel de veículos e carro próprio são todos bem-vindos e se apresentam como soluções ideais para mobilidade em casos específicos.

Está saindo do ABC Paulista em horário de pico para a zona sul de São Paulo onde é difícil encontrar vagas na rua e o estacionamento é muito caro? Utilizar o trólebus pode ser ideal: além de não ter que se preocupar com o carro, os corredores de ônibus garantem uma deslocamento mais rápido. Na volta, é possível pedir um táxi depois do happy hour, sem maiores preocupações.

Precisa fazer compras, ir em alguma reunião, ou realizar alguma tarefa pontual? O carsharing, que é sucesso em algumas cidades europeias e já existe no Brasil, é perfeito. Além de conferir privacidade e o conforto de um carro próprio, o serviço de um carro particular é ideal para quem precisa de um veículo por apenas algumas horas.

Existem muitas ciclovias e ciclofaixas no entorno do seu local? Então tire a magrela da garagem e coloque-a para rodar.

Seja por necessidade ou consideração ao meio ambiente, é visível que a população está utilizando diferentes meios de locomoção. O metrô, por exemplo, um dos transportes mais utilizados na capital paulista, mostra essa mudança de comportamento. De 2015 para 2016, o sistema de metrô perdeu 300 mil passageiros diários, uma queda de 6,3%.

Em outras palavras, a ordem é combinar todas as opções para que você possa usufruir da cidade em que vive da melhor maneira possível, sem a necessidade de ficar preso a apenas um modelo de transporte. Esse movimento já acontece e caminha a passos lentos, mas sem dúvida é uma mentalidade que veio para ficar.

Melhor do que beneficiar apenas uma pessoa, o uso coletivo de vários meios de transporte é positivo para todos e pode até incentivar a diminuição do tempo gasto na locomoção, assim como um menor número de veículos na rua, contribuindo para o meio ambiente.

*Felipe Barroso é fundador e CEO da Zazcar, primeira empresa de carsharing da América Latina.