A CNN Brasil fechou um acordo com a Claro Net para a distribuição do sinal da filial da emissora americana, a partir de sua estreia no país.
Com a parceria, os clientes Claro Net TV poderão acompanhar a programação da CNN Brasil tanto por meio do pacote básico HD, como em outros serviços mais completos. Além disso, o conteúdo estará disponível na transmissão normal de TV e também na plataforma Now, com programação ao vivo e sob demanda.
“A Claro tem como premissa levar o que há de mais novo e relevante para os seus clientes. Então, não poderia ser diferente”, afirma Fernando Magalhães, diretor de programação e conteúdo da Claro.
“Estamos felizes em começar a nossa história ao lado também da Claro”, diz Douglas Tavolaro, presidente-executivo e fundador da CNN Brasil.
Ainda não há uma data certa sobre o lançamento da CNN no Brasil. Há uma chance de que aconteça em dezembro, mas o mais provável é que só estreie no ano que vem.
A exemplo da CNN turca, a brasileira foi licenciada por um investidor local, Rubens Menin, controlador da construtora MRV. Segundo atualização feita pelo canal, ele detém 65% das ações da Novus Media, empresa por trás da CNN Brasil e para a qual indicou seu filho como presidente.
Os restantes 35% são de Douglas Tavolaro, que trocou a vice-presidência de jornalismo da Record pela presidência-executiva do canal. Até a atualização, como indica a Junta Comercial do estado de São Paulo, as proporções eram de 99% e 1%, respectivamente.
O Brasil registrou 16,54 milhões de domicílios com acesso à TV por assinatura em julho de 2019, de acordo com a Anatel.
Metade dos domicílios recebe o sinal pelo Grupo Claro, em um total de 8,2 milhões (49,34%). Outros grandes prestadores no segmento são a SKY, com 4,97 milhões (30,04%); a Oi, com 1,57 milhão (9,5%); e a Vivo com 1,44 milhão (8,67%).