Charlize Theron (Mad Max) e Seth Rogen (Ligeiramente Grávidos, Vizinhos)  protagonizam Casal Improvável. Os dois garantem bom programa nos cinemas. A sinopse é certeira: jornalista desempregado reencontra sua paixão de infância, agora uma das mulheres mais influentes do mundo. Enquanto se prepara para tentar a presidência, ela o contrata como seu redator de discursos. Porém, se o espectador espera um provável romance, pode estar certo, mas também estará diante de críticas políticas (sobra acidez para Brasil e Argentina), sociais e de gênero.

O diretor Jonathan Levine (Vizinhos) tem o mérito de trabalhar bem a empatia entre Seth Rogen e CharlizeTheron. Os dois cativam a plateia com suas cômicas e às vezes trágicas situações. Imagine uma futura presidenta dos EUA negociando a liberdade de refém de guerra. Nada demais, né? Mas acontece que a candidata está sob efeito de drogas. Porém, o mais politicamente incorreto é a imagem vazada para o mundo de seu namorado tendo um desastrado prazer solitário.

Mas o ponto alto do filme, responsável por risadas dignas de desopilar o fígado, é o roteiro de Dan Sterling e Liz Hannah. O bom-humor, ácido ou doce, agrada e é bem-vindo e necessário nesse tempo de relações sociais raivosas.