O mastologista Cícero Urban levará orientação sobre reconstituição mamária para reunião na Suíça.

O cirurgião curitibano Cícero Urban é um dos 40 especialistas mundiais em mastectomia reunidos em Basiléia, Suíça, desde esta segunda, 12. Ele pertence ao reduzido universo mundial de mastologistas que a partir de lá definirá – sob o patrocínio do Oncoplastic Breast Consortium -, recomendações do chamado Consenso de Basiléia sobre a preservação da aréola e mamilo e em reconstrução mamária.

O evento é organizado pelo Oncoplastic Breast Consortium, com a participação de 40 especialistas do mundo todo, com direito a voto, e de onde sairão recomendações que influenciarão as condutas neste tipo de cirurgia.

Cícero Andrade Urban é um saliente especialista no mundo médico, referencial mundial em doenças e cirurgia da mama. Em Curitiba chefia a Cirurgia da Residência do Hospital Nossa Senhora das Graças, coordena o Curso de Medicina da Universidade Positivo (UP) e atua na Oncoclínica.

Recebe anualmente estagiários de todos os continentes, no HNSG. E cumprirá ao longo deste ano roteiro de palestras que fará para especialistas em mastologia nos Estados Unidos, Espanha e Argentina, além de diversos estados brasileiros.

Nos Estados Unidos, por exemplo, ministrará um curso de reconstrução mamária para especialistas americanos.

A entrevista a seguir esclarece mais sobre a importância de Cícero em plano internacional.

Ele é também vice-presidente do Instituto Ciência e Fé de Curitiba (“Fidelis et Constans”):

REDUZINDO DANOS E MUTILAÇÕES

– Como você define-se hoje: mastologista com especialização em oncoplástica? Ou simplesmente cirurgião oncoplástica?

R – Cirurgia oncoplástica não é uma especialidade médica, mas a associação de técnicas de cirurgia plástica e de cirurgia oncológica, com o objetivo de tratar o câncer de mama, reduzindo o dano e a mutilação com a cirurgia. É um método e uma filosofia de tratamento. Sou mastologista e cirurgião oncológico.

SÓ 40 ESPECIALISTAS

– Situe-se profissionalmente: dirige o curso de Medicina da UP, no HNSG chefia o Departamento de Cirurgia, atua como professor da Residência, e sua clientela é basicamente atendida na Oncoclínica.

Mas também cumpre um intenso roteiro anual de conferências. Por exemplo, o Consenso de Basiléia, que começa nesta segunda, na Suíça: O que é, quantos especialistas reunirá, quais as características de sua participação no evento. Ele é diferente do Consenso de Saint Gallen?

R – Sou Coordenador Acadêmico do Curso de Medicina da UP, Chefe do Departamento de Cirurgia do HNSG e atendo na Oncoclínica. Na Basiléia teremos uma reunião de consenso em mastectomia com preservação da aréola e mamilo e em reconstrução mamária, organizado pelo Oncoplastic Breast Consortium, com a participação de 40 especialistas do mundo todo, com direito a voto, e de onde sairão recomendações que influenciarão as condutas neste tipo de cirurgia.

É um pouco diferente em termos de metodologia em relação a Saint Gallen, pois é mais voltado para cirurgia. Saint Gallen é mais amplo, e voltado ao manejo do câncer de mama inicial.

NOVAS ORIENTAÇÕES

– Das discussões e exposições em Basileia deverão ser conhecidas novas orientações para a área da mastologia. Dê exemplos, mesmo que hipotéticos, ainda.

R – A mastectomia com preservação da aréola e mamilo será o foco deste consenso, no qual serão definidas as indicações, contraindicações, limites e escolhas em termos de reconstrução nestes casos. O resultado disso tornará mais claros diversos aspectos que hoje são objeto de debate.

ESPANHA, ESTADOS UNIDOS

– Sobre seus próximos passos internacionais: quando, em que países, e que temas que abordará e sob quais condições (visitante, conferencista…)

R – Estarei ministrando um curso de reconstrução mamária na Espanha em maio; um curso de reconstrução mamária nos EUA, em abril, e uma palestra na Argentina, na Academia Nacional de Medicina sobre Bioética Clínica em agosto. Isso além de diversas palestras no Brasil sobre reconstrução mamária.

ESTAGIÁRIOS NO HNSG

– Como vai o programa de orientação de médicos do exterior que vêm ao HNSG para estagiar com você? Cite nomes e países. Se não houver estagiários hoje, rememorar o passado recente.

R – Estarei recebendo agora em março uma médica da Colômbia, na sequência um do Equador, na metade do ano da Austrália, e tenho recebido solicitações de médicos de diversos estados do Brasil.

O Cícero divide seu tempo com a família, dando palestras e realizando cirurgias, entre outras atividades.

 


CIDA PEDE QUE MULHERES DENUNCIEM VIOLÊNCIA

O encontro de Pitanga com a vice-governadora

Cida Borghetti foi para Pitanga, na região Central do Paraná, para participar de uma tradicional comemoração do Dia da Mulher. Cerca de 3 mil mulheres se reuniram na manhã deste domingo para debater políticas públicas e ações que valorizem a mulher. É a 28ª edição do evento organizado pela Prefeitura de Pitanga e pela coordenadoria especial da mulher.

LUTA CONTINUA

“Um dia que marca a luta das mulheres em todo o mundo por conquistas como o direito ao voto, trabalho digno e a busca por um lugar na sociedade. Ainda temos muito o que fazer, principalmente no combate a violência”, destacou a vice-governadora, acompanhada do prefeito de Pitanga, Maicol Callegari Barbosa.

VIOLÊNCIA MORAL

“Muitas mulheres vivem violência moral, intelectual e sexual. Para prevenir este tipo de abuso é preciso denunciar e salvar vidas. Temos o Disque Denúncia 181, que preserva a identidade do denunciante, e recentemente o Governo do Paraná criou o botão do pânico para garantir a segurança de mulheres sob medida protetiva. São ações que podem e devem salvar vidas”, afirmou Cida que ainda ressaltou o Disque 100 para denúncias de abuso à crianças e adolescentes.

AGENDA AMPLA

As atividades realizadas no Centro de Eventos do Lago, contaram com café da manhã, palestras sobre saúde, direito das mulheres, sorteio de brindes, atividades recreativas e almoço. Também ocorreu a posse das novas integrantes do Conselho Municipal da Mulher de Pitanga, que iniciam os trabalhos a partir deste mês.


OSMAR RECLAMA INVESTIMENTO EM INFRAESTRUTURA

Francisco Beltrão

Em agenda pelo região Sudoeste, Osmar Dias destacou a necessidade de investimentos em infraestrutura que alavanquem a produção e industrialização do estado. Para Osmar, que é pré-candidato ao Governo do Estado, este é um dos desafios que precisam ser enfrentados de forma urgente nos próximos anos no Paraná.

“Uma das principais reivindicações que tenho ouvido dos cidadãos, empresários e produtores em todo o Paraná é a melhoria das estradas. É um problema que temos de resolver com planejamento e efetividade, pois o desenvolvimento das cidades e o fortalecimento da economia e da agricultura passa necessariamente por uma infraestrutura mais adequada aos dias atuais”, disse Osmar, que esteve com lideranças das cidades de Pato Branco e Francisco Beltrão.


CURITIBA GANHA EXPOSIÇÃO PERMANENTE QUE SÃO PAULO REJEITOU

Diplomata Fausto Godoy: um mecenas de alto calibre (foto Amélia Toledo)

Azar de São Paulo, sorte de Curitiba. A mostra “Ásia: a terra, os homens, os deuses” desembarcou no Museu Oscar Niemeyer. São 3 mil itens do acervo do diplomata Fausto Godoy que agora pertencem ao MON, em regime de comodato.

Antes, Godoy o havia doado ao Masp, mas o museu paulistano abriu mão dele após a última crise e a troca de gestão. Desde que assumiu um posto na embaixada do Brasil em Nova Délhi, em 1983, Godoy vem reunindo as peças.

EM BUSCA DE PRECIOSIDADES

O diplomata ocupou cargos oficiais na embaixadas de Pequim, Tóquio e Islamabad, além de ter cumprido missões no Vietnã e em Taiwan. No frenesi de sua busca por relíquias, peças de arte e artigos de uso cotidiano, Godoy rodou obsessivamente até pelos domínios do Talibã, no Afeganistão.

CLUBE DOS 19

A coleção, invejável por todas as perspectivas, põe o MON no patamar do Metropolitan de New York e deve garantir o seu ingresso no “Clube dos 19”, que congrega os museus com os melhores acervos do mundo.

EM BUSCA DE PEÇAS PRECIOSAS

Godoy, um paulista nascido em Bauru, município do interior do estado, abdicou de postos na Europa ou nos Estados Unidos para percorrer a Ásia e o Oriente em busca de preciosidades agora reunidas no MON.

CONTRATO COM O MASP

Em 2011, o diplomata chegou a assinar com a direção do Masp um contrato para cessão de sua coleção. De imediato, Godoy entregaria em comodato por 50 anos quase 2 mil peças de história das civilizações asiáticas. O projeto fez água após denúncias de gestão temerária do museu e da consequente troca de comando.

NICHO ACADÊMICO

O embaraço custou sete anos. Nesse meio tempo, Godoy pensou em ceder o acervo a uma universidade, mas temeu que ele ficasse restrito ao nicho acadêmico ou, ainda pior, aos depósitos entulhados da administração pública.

MARCO ZERO

A exposição aberta, em Curitiba, no primeiro dia de março, registra a mesma disposição do diplomata no início da década: estabelecer um marco zero de um futuro centro de estudos asiáticos. A coleção representa um catálogo abrangente das civilizações asiáticas, reunindo desde o primeiro objeto adquirido pelo diplomata num antiquário de Nova Délhi, em 1984 – o Narasimha, quarto avatar do deus Vishnu –, até mangás japoneses. Os itens reúnem ainda gravuras Ukyo, peças de mobiliário, objetos de porcelana chinesas e um cavalo de terracota que adornava uma tumba chinesa da dinastia Han (206 a.C. a 220 d.c.).

Cinco peças da mostra do MON
MON, o museu do olho

 


MULHER TRANS, TATHIANE É DIRETORA NACIONAL DO PSB

Tathiane Araújo: liderança dos socialistas

Tathiane Araújo é a primeira mulher trans a fazer parte da direção nacional do PSB. Eleita secretária nacional do segmento LGBT do partido, no último final de semana, Tathiane ocupará um dos 43 assentos na Comissão Executiva Nacional.

À frente da Secretaria, o principal desafio da socialista será sensibilizar deputados federais e senadores para a agenda LGBT e incentivar as gestões do PSB a formularem políticas públicas voltadas para essa parcela da população.

“TRISTE REALIDADE”

“Precisamos trabalhar cada vez mais para tirar o Brasil da triste realidade de não ter nenhuma lei que garanta os direitos da população LGBT. E também levar boas proposições para as gestões do PSB”, afirma.

DISCRIMINAÇÃO LGBT

Tathiane integra o Conselho Nacional de Combate à Discriminação LGBT, órgão colegiado da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, e preside a Rede Trans, organização não-governamental que representa pessoas travestis, transexuais e homens trans do Brasil.

HOMOFOBIA COMO CRIME

Ela defende a aprovação de uma lei que criminalize a homofobia, como uma prioridade na atuação no Congresso Nacional, o que, na sua opinião, seria um passo fundamental para diminuir a impunidade em casos de discriminação contra LGBTs.

FALTA SERIEDADE

“A lei que criminaliza o racismo, por exemplo, é um instrumento para se fazer justiça ao discriminado. O homofóbico, por sua vez, não é tratado com a seriedade que merece”, afirma Tathiane.

FALTAM LEIS…

A socialista atribui, em grande parte, a liderança do país em crimes contra LGBTs à ausência de legislação específica. “Talvez este seja o maior responsável pelo fato de o Brasil liderar os casos de assassinatos de LGBT no mundo, e, por isso, é possível dizer que o Congresso tem as mãos um pouco sujas desse sangue”, critica.

Tathiane também é conselheira nacional de Saúde e de Assistência Social e coordena, em Sergipe, a ONG Astra, responsável há 17 anos pela Parada LGBT no estado.


GRATUIDADE PARA IDOSOS EM VIAGENS INTERMUNICIPAIS

Deputados Ney Leprevost, Felipe Francischini, Professor Lemos, Nereu Moura: mesmas intenções

Para o deputado estadual Ney Leprevost, foi “sensata a decisão dos deputados de derrubar o veto aos projetos em benefício de pessoas idosas”.

Dentre eles, citou o projeto de lei 241/15, de sua autoria que institui a gratuidade em linhas de ônibus intermunicipais a idosos com idade igual e superior a 60 anos, ou de 60% de desconto para idosos quando excederem o número de vagas reservadas.

COMO SE BENEFICIAR

Para ter acesso ao benefício, o idoso deverá apresentar qualquer documento pessoal oficial comprobatório da idade, bem como deverá comprovar renda.

CARTAZES PARA EXPLICAR

O projeto também determina que os terminais rodoviários de transporte afixem cartazes contendo os termos relativos à gratuidade do transporte a que se refere a proposta de lei.

OUTROS DEPUTADOS

O projeto de Lei nº 241/15 de autoria de Ney Leprevost tramitou em conjunto com os projetos dos deputados Nelson Luersen, Professor Lemos, Nereu Moura, Felipe Francischini e Tião Medeiros.