Cecília Helm, antropóloga, e a índia Célia, que nunca passou pela universidade, salvaram a cultura kaingang do esquecimento.

A índia Célia e a antropóloga Cecília Maria Vieira Helm

Célia, 60, é uma índia kaingang, paranaense, natural da célebre reserva indígena de Mangueirinha, Sudoeste, mas com presença também em outras áreas em que vivem membros de sua tribo.

A história de vida dessa mulher especial é exaltada com frequência por outra mulher especialíssima, a antropóloga Cecília Maria Vieira Helm, 80, que se projetou mundialmente em defesa dos índios kaingang e guaranis.

Foi graças a Cecília que, depois de dezenas de anos, a Justiça reconheceu o domínio da União sobre as terras de Mangueirinha.

USUFRUTO

É como resultado do trabalho hercúleo (esta é a expressão adequada) de Cecília Maria Helm, filha do antológico advogado Vieira Neto, que a Justiça Federal reconheceu ser pleno domínio da União a chamada Gleba B de Mangueirinha, e, portanto, garantindo o usufruto da área de 17 mil alqueires às duas tribos que lá habitam – kaingang e guarani.

Onde entra Célia nessa história que Cecília Maria, com olhar de antropóloga social quase apaixonado pela causa indígena, traz ao conhecimento deste espaço?

Respondo que foi graças ao trabalho dessa índia Célia que hoje a reserva de Mangueirinha e outras da etnia kaingang ministram aulas bilíngues para seus filhos – a língua nativa ao lado do português nos primeiros anos do fundamental.

Isso garante a transmissão de toda uma cultura multimilenar. E olha que Célia não é pedagoga formada, mas, poucos conhecem quanto ela, aspectos da Pedagogia no âmbito da preservação de culturas indígenas.

OBRA FASCINANTE

Ao começar a leitura de uma das obras mais fascinantes da história do Paraná, e mais desconhecidas, o livro “Laudos Periciais Antropológicos – Para investigação da antiguidade da ocupação de terras indígenas no Paraná (edição da autora), concluo que tudo isso só foi possível porque gente como Cecília Maria e Célia, confiou na Justiça. E lutou muito, uma luta indescritível.

Justiça que acatou as posições de Cecília Helm é a mesma que ao longo dos anos havia dado ganho de causa empresa madeireira que derrubava o pinheiral e expulsava os índios.

Foi graças a decisão, em 2005 do juiz federal Spalding, da Sétima Vara Federal de Curitiba, que se consumou a vitória de uma causa que se arrastava desde meados do século 20; depois confirmada pelo TRF da Quarta Região e pelo ministro Ayres Brito, do STF.

Voltarei ao assunto.


Ainda sobre Ayrton Luiz Baptista

Hélio Puglielli, Mário Camargo Maranhão, João Alceu Ribeiro

Alguns leitores se manifestaram, por escrito – outro por telefonemas – sobre o perfil que a coluna apresentou do recém morto jornalista Ayrton Baptista. Leia:

“Tive o prazer de conviver com Ayrton nos últimos anos, na confraria do café que tem como base mestra o confrade Júlio César Rodrigues. Grandes histórias ouvi dele. Deixa uma lacuna difícil de ser fechada mesmo existindo bilhões de almas neste planeta.

JOÃO ALCEU RIBEIRO, jornalista, Curitiba

-o-o-o-

“Energizado por afetividade”

Texto excelente, como sempre, mas este energizado por um toque afetivo.

HELIO PUGLIELLI, professor da Jornalismo da UFPR (aposentado), jornalista profissional, formador de gerações de jornalistas.

-o-o-o-

Muita competência

Jornalismo com qualidade e competência (vivido por Ayrton).

LÉO KRIGER, odontólogo, jornalista, professor da UFPR – morador em Israel

-o-o-o-

De ouro

Época de ouro do jornalismo Paranaense!

MÁRIO MARANHÃO, cardiologista, Curitiba


Leo Kriger também no Diário Do Paraná

Leo Kriger e José Candido Muricy

No meu texto de sexta, 29, feito no correr nas recordações em torno de Ayrton Baptista, acabei por omitir certos nomes – da geração da chamada segunda leva do Diário do Paraná – que igualmente estiveram, em algum tempo, sob a regência do jornalista agora desaparecido. Um deles é Léo Kriger, que se revezava entre o curso de Odontologia da UFPR e cobertura de Esportes no DP, tendo até por algum tempo a colaboração de José Candido Muricy, então estudante de Medicina e hoje um referencial na Medicina no Paraná.

Léo acabou se tornando um Odontopediatra padrão e, ao mesmo tempo, ganhou expressão nacional atuando na UFPR e Governo do Paraná em estudos e trabalhos sobre a fluoretação da água, base para prevenção das cáries dentárias.

Ele também foi personagem de meu livro Vozes do Paraná, Retratos de Paranaenses. Vive hoje em Israel.

Além de deixar de citar Léo, dentre os da “segunda geração no Diário do Paraná”, esqueci-me de outros, como Rosy de Sá Cardoso, 93, e Luiz Fernando de Queiroz,71.

Outras falhas deverão aparecer, e por elas peço desculpas antecipadas.


Já está funcionando o “Tribunal da Inquisição” da Prefeitura

Holerite do protegido Navarro: R$ 16.025,88

Durante toda a manhã e até o começo da noite de quinta-feira, 28, esteve reunido o grupo – já apelidado de “Tribunal da Inquisição da Prefeitura” – que começou a apreciar supostos “casos de delação” que estariam fazendo vazamentos informativos, expondo a vida do alcaide Rafael Waldomiro Greca de Macedo e seu secretariado, em casos de arbitrariedades e festanças às custas do erário.

Casos esses que têm repercutido nos meios de comunicação.

PRIMEIROS ATOS

Ainda não sei dos resultados das primeiras horas de trabalho do “Tribunal”. O que sei é que o ‘Torquemada do Palácio 29 de Março’, Greca, possesso com o fato de ter sido desnudado com suas novas prodigalidades centradas em torno de alguns jovens eleitos, determinou expurgos amplos de cargos comissionados.

O que mais teria afetado o alcaide foi a denúncia que paga R$ 16.025,88 (vide holerite) para seu ‘valet e chambre’, Lucas de Souza Navarro, 28, a quem quis até fazer chefe de seu gabinete, semanas atrás.

FEZ DE TUDO…

Secretário de Governo da Prefeitura, Luiz Fernando de Souza Jamur

A nomeação, ardentemente desejada pelo Rafael Waldomiro, logo depois que João Alfredo deixou aquele cargo para tocar seu contrato milionário de ambulâncias com o ICS (ganho, é verdade, em licitação no Governo Fruet) só não foi adiante porque grupos que cercam Greca trataram de inteligentemente queimar Navarro.

E foram muito eficientes na missão, reconheço.

Dizem que Margarita esteve à frente da “rebelião” anti-Navarro, que contou com ajuda de outros “juízes”, um trabalho de Inteligência, coisa de agentes secretos…

E o fizeram com eficiência, disto estou certo…

QUEM “JULGA”

O “Tribunal” montado no gabinete do prefeito Rafael Waldomiro estende-se à Secretaria de Governo do Município, onde reina absoluto um dos que, de fato, detêm o poder na Prefeitura: o secretário Jamur.

Jamur é o poder, o resto é governo na Prefeitura.

Ele é parte saliente do “Tribunal” de que fariam parte (como ‘juízes privilegiados’, não funcionários da PMC), Margarita Sansone, Giovanni Gionédis. E mais: Israel Reinstein, secretário de Imprensa, e a chefe de Gabinete do prefeito, advogada Cibele Fernandes Dias, além de um procurador do Município e alguns menos cotados que ficam na geladeira.

CATANI, O SUSPEITO

Nesta sexta-feira, logo que o expediente começou, fonte da coluna garantiu-me que entre a muitas ilações tipo “quem está passando informações para jornalistas não amigos” – o nome mais citado como provável delator seria o de Marcelo Catani. A suspeita é alimentada fortemente pela “juíza” Margarita que, sabidamente, se opôs à nomeação do publicitário Catani feita por Rafael, um eterno agradecido ao homem que, comandando a publicidade de sua campanha, possibilitou sua eleição em 2016. Mesmo que à custa de “fake news”. Uma vitória sobre Ney Leprevost muito apertada, por 30 mil votos.

DESTILANDO RAIVA

Só não se sabe por que Margarita destila fel quando se refere a Catani, comportamento que não adota nem quando Lucas Navarro passa a ocupar “muito tempo” das atenções de Rafael Waldomiro. É quando ela age com severidade, dá “um chega para lá no moço”, com resultados temporários, é verdade.

Já com Catani, a arma tem sido insistir em criar suspeitas em torno do nome que foi um dos notáveis no grupo de Deonilson Roldo, no Governo Beto Richa.

GUARDA MUNICIPAL

Dizem os informantes da coluna que o ‘Tribunal’ até está suspeitando, agora, de funcionários que atuam na Comunicação Social (não necessariamente jornalistas) e mesmo pessoal da Segurança pessoal de Rafael Waldomiro.

Um dos mais novos investigados pela Inquisição na Prefeitura é até um guarda municipal. Sobre ele pesam suspeitas de vazar informações para o jornalista do blog PLURAL, que também não tem ficado silencioso diante dos desmandos de Rafael Waldomiro e seu “staff”.

CRIME DE NEPOTISMO

Boa (ou bom informante) trabalha deste jeito: nesta sexta, 29, ao final da manhã me garantiu que havia “uma corrida” no Gabinete de Rafael Waldomiro e na Secretaria de Governo para “apagar” a passagem do pai de Lucas Navarro pela Prefeitura.

Regis Ataíde Navarro de Souza, o pai, foi comissionado com “dez mil Grecas mensais” de janeiro de 2017 a julho de 2018 (nepotismo mais que explícito). Infração grave.

As ordens do “Tribunal” são para sumir com pistas deixadas pelo nepotismo, “antes que o assunto chegue ao Tribunal de Contas (TCE)”, como adverte, agitada, uma assessora da Secretaria de Governo, pressurosa em atender às ordens do alcaide.


DESTAQUE:

Sucessão em negócios familiares está em debate

Dois cases bem-sucedidos de sucessão familiar em duas grandes empresas paranaenses, baseados em boas práticas de governança corporativa, serão apresentados durante seminário, dia 4

 

Mário Petrelli Filho (Marco Santiago/ND) e Gino Oyamada

Os empresários convidados vão relatar as experiências vividas durante o processo que resultou na chegada das novas gerações ao controle. Na dinâmica do seminário, os depoimentos serão acompanhados de intervenções dos especialistas convidados para pontuar as questões legais e de governança envolvidas nos respectivos processos de sucessão.

PLANEJAR SUCESSÃO

O seminário é uma iniciativa da 3G Consultoria e da CMT – Carvalho, Machado e Timm Advogados. Será realizado em Curitiba na manhã de 4 de abril, quinta-feira. O evento gratuito, mas com vagas limitadas, será dividido em dois painéis. O primeiro dedicado ao Planejamento Sucessório e o segundo à Sucessão e Governança.

OS CONVIDADOS

O painel sobre Planejamento Sucessório terá a participação do empresário Mário Petrelli Filho, do setor de telecomunicações, e do advogado Orlando Celso da Silva Neto, professor de Direito Empresarial da UFSC e sócio do CMT em Florianópolis.

O segundo painel, sobre Sucessão e Governança, reunirá o especialista em governança Gino Oyamada, sócio da 3G Consultoria, e o empresário Fabio Napoli Martins, diretor presidente da Ibemapar.

No dia, será divulgado o resultado de um levantamento sobre governança e os desafios da sucessão.

SERVIÇO

O papel das novas gerações nos negócios de família

Quando: 04/04, quinta-feira, às 9h

Onde: Avenida Anita Garibaldi, 850/Auditório


DOS LEITORES:

Sobre fé e luxuria

De: Valmir Bernardo <valmircascavel@gmail.com>

Assunto: fé e luxuria

Por favor, qual o nome desse Padre mencionado na reportagem Fé e Luxuria?

E qual o impacto até o momento?

RESPOSTA: o que posso adiantar é que se trata de padre incardinado pelas bandas de Curitiba. É diocesano, já foi religioso.

Não posso citar o nome, pois a matéria está “suspensa” – sabe só Deus o porquê – no jornal paulista que me informou que a estava preparando.

Mas posso garantir que o alvoroço foi enorme, com pressões, mensagens pró e contra. Só no portal da Rádio Banda B, no qual a coluna é postada, houve 30 mil acessos da matéria. (AMGH)

A luxúria representada por Pieter Bruegel

Secretaria comemora aniversário da cidade

Curitiba vista da torre panorâmica

O Governo do Estado, por meio da Secretaria da Justiça, Família e Trabalho, em parceria com o 27º Batalhão Logístico do Exército Brasileiro e com a Sanepar, promoveu nesta sexta-feira (29) ações em comemoração aos 326 anos de Curitiba, na praça Rui Barbosa, central da capital, das 9h às 15h.

Ao longo do dia foram ofertados serviços nas áreas do idoso, mulher, assistência social, pessoa com deficiência, juventude, socio educação, família paranaense, Procon-PR; justiça, garantia de direitos fundamentais e de cidadania, além de atrações culturais e lúdicas.

O Procon-PR participou da ação com a distribuição de material educativo e orientação aos consumidores. Durante todo o dia foram entregues flyers com explicações sobre a plataforma ‘consumidor.gov.br’, serviço prestado pelo órgão, que permite a solução de conflitos de consumo pela internet.

DIREITO DO IDOSO

Também foram divulgados materiais informativos que direcionam os canais para garantia de direitos da pessoa idosa e promovem um debate sobre planejamento de vida após 60 anos, com o processo de envelhecimento.

CUIDANDO DA MULHER

O Departamento de Garantia dos Direitos da Mulher alertou sobre os tipos de violência. Além disso, divulgou telefones e locais de atendimento à mulher em situação de violência. O Departamento de Políticas para Pessoas com Deficiência esteve presente informando a população sobre o benefício Passe Livre. Coordenação da Juventude cadastrou jovens entre 15 e 29 anos no programa IDJovem.

ALISTAMENTO

– O 27º Batalhão Logístico do Exército Brasileiro realizou alistamento e orientação sobre ingresso para as forças armadas, além de atendimentos médico e de dentista.

“BEBÊ SACUDIDO”

A União Brasileira dos Trovadores, a Academia de Poesia e o Centro de Letras mostraram poemas, que foram colocados num varal, e também a exposição de banners com poesias sobre Curitiba. Também participaram da ação da ONG Mãos Sem Fronteiras, que falou sobre estimulação Neural e meditação, e o Rotary Club esteve presente com o projeto Distrital Síndrome do Bebê Sacudido.

A Secretaria da Justiça, Família e Trabalho, em parceria com o 27º Batalhão Logístico do Exército Brasileiro e com a Sanepar, promoveu nesta sexta-feira (29) ações em comemoração aos 326 anos de Curitiba. (Foto: Arquivo SEJUF)

Preciosidade litorânea

A paradisíaca Ilha do Mel, no litoral paranaense, é o destaque da revista Panorama do Turismo desse mês de março. No local os visitantes encontram belas praias, uma raridade geológica (a Gruta das Encantadas), e dois importantes monumentos históricos (a Fortaleza de Nossa Senhora dos Prazeres e o Farol das Conchas). Para conferir a edição clique nesse link:

http://panoramadoturismo.com.br/revista/panoramadoturismomarco.pdf

 

 

 

 


Não é sobrinha

Cibele Fernandes Dias

Causou muitas indagações a nomeação de Cibele Fernandes Dias, advogada, para chefe de Gabinete da Prefeitura de Curitiba. Tudo por conta do nome.

Mas ela não é nem parente de Álvaro ou Osmar. É de outros Fernandes Dias.

 

 

 

 

 


ESTILO DE VIDA

Como ensinar os filhos a valorizar a honestidade

Atitudes simples podem ajudar os filhos a apreciarem honestidade

6 dicas concretas e simples de serem aplicadas desde cedo em casa

Sempre Família | Aleteia

1) Ajude o seu filho a reconhecer a diferença entre o certo e o errado.

Uma coisa é dizer ao seu filho que certa coisa é boa e aquela é má. Outra é explicar por que certo comportamento é bom e por que outro comportamento é mau. O seu filho não deve apenas saber o que fazer e o que não fazer, mas ter uma profunda compreensão da moral e dos seus fundamentos. Não diga simplesmente que ele tem que cumprimentar o vizinho. Explique por que é importante ser educado com as pessoas.

2) Ensine ao seu filho a rejeitar a trapaça.

Mostre a ele que toda forma de trapacear, desde o suborno até esconder uma carta no jogo de tabuleiro, é um sintoma da falta de honestidade, que mancha a reputação e fere a consciência. Diga a ela que trapacear em uma prova é o comportamento de alguém covarde, que não confia nas próprias capacidades. Ser honesto é a única maneira legítima de ter sucesso de verdade e avançar na vida.

3) Faça com que o seu filho desenvolva um código moral interno.

Não ensine o seu filho a seguir as regras só para evitar encrencas. Embora esta até seja uma razão aceitável para comportar-se bem, o seu filho deve ser capaz de reconhecer quando uma regra é justa e que ele prejudica os outros e a si mesmo quando não as segue. Quando ele quebrar alguma regra, pergunte por que fez isso. É verdade, contudo, que nem todas as regras lhe parecerão justas. Quando a dúvida surgir, conversem sobre isso. É assim que se desenvolve o raciocínio moral.

4) Ajude o seu filho a desenvolver empatia pelos outros.

Ele não precisa se lamentar por toda pessoa que é menos privilegiada do que ele, o que pode ser exaustivo. Mas é importante que o seu filho desenvolva a empatia, a habilidade para entender o que outra pessoa sente e se colocar no lugar do outro. Isso o ajudará a ver o mundo de outra forma e a melhorar o seu comportamento em relação aos outros. Por exemplo, se ele chega chateado porque a professora gritou com ele, ainda que a atitude da professora seja condenável, tente conversar sobre o que a teria levado a fazer isso, em vez de simplesmente dizer que ela é má.

5) Ensine-o a repudiar o roubo.

Se o seu filho de seis anos ainda não entende que desviar grandes quantidades de dinheiro é errado, ele pode entender que pegar um brinquedo escondido de outro amigo é errado. Ensinar isso em pequena escala vai ajudá-lo a entender depois a larga escala. Isso evita o pensamento de que, contanto que você não seja pego, não há problema algum em cometer pequenos furtos. Se o seu filho roubou algo, faça-o devolver e explicar o que fez. Mesmo que isso o faça se sentir envergonhado, será uma boa lição.

6) Ensine ao seu filho que mentir é errado.

A mentira é outro sintoma de uma sociedade corrupta. O seu filho deve entender a importância de dizer a verdade o mais cedo possível. Diga que é mais importante dizer a verdade e sofrer as consequências do que viver como uma mentira e iludir as pessoas ao seu redor. Ele deve entender que a mentira não pode ser feita com boa consciência e que dizer a verdade é muito mais importante do que proteger a si mesmo. Assim, ele será menos propenso a mentir no futuro, em sua vida profissional. Quando ele ficar um pouco mais velho, você poderá lhe ensinar a refinar melhor a forma de dizer a verdade, evitando, por exemplo, que a franqueza seja confundida com indelicadeza.

A partir de “Sempre Família”


AÇÕES DE GOVERNO

Concessões romperam a barreira ideológica, aponta Ratinho Junior

O governador propõe concessões e parcerias público-privadas (PPPs) sem entraves ideológicos. (Foto: Rodrigo Félix Leal/ANPr)

Para o governador, o Brasil perdeu muito tempo discutindo a desestatização, um modelo que pode resolver gargalos históricos, melhorar os custos de produção, o tempo, a infraestrutura de logística e deslocamento, e gerar novos vetores de desenvolvimento e oportunidades.

As concessões de serviços e as parcerias público-privadas (PPPs) não têm mais barreiras ideológicas e respondem a necessidade de intensificar a capacidade de resposta do Estado para demandas cada vez mais complexas da sociedade. A observação foi feita pelo governador Carlos Massa Ratinho Junior ao participar do simpósio GRI PPPs e Concessões 2019, realizado em São Paulo na quinta-feira (28).

“O maior empecilho que tínhamos era o campo ideológico”, comentou ele. “O mundo já não discute mais isso. Essa é uma pauta da década de 80 e nós perdemos muito tempo nas discussões”, acrescentou. “O Paraná conseguiu romper a barreira ideológica para fazer os investimentos necessários para a população”, destacou Ratinho Junior.

O governador disse que é fundamental haver sintonia entre o Estado e a iniciativa privada, uma vez que a máquina pública está com reduzida capacidade de investimento e a desestatização pode resolver gargalos históricos, além de gerar novos vetores de desenvolvimento e oportunidades.

PRECISA AVANÇAR

Ratinho Junior frisou a importância do encontro na capital paulista. “Estivemos com cinco governadores, cada um com seu partido, posicionamentos políticos distintos, mas que entendem de forma muito clara que a gestão pública brasileira precisa avançar”, pontuou. “É um ganho de compreensão da necessidade de entregar um serviço de qualidade, independente se o prestador for um servidor público ou um funcionário de uma empresa”.

SAÚDE

Durante a reunião, Ratinho Junior agendou com o colega baiano, Rui Costa, uma visita para conhecer o modelo de PPP da saúde pública realizado pelo Governo da Bahia. O Estado concentra 30% de todas as parcerias da área no Brasil.

Entre os projetos em execução pelo governo baiano está o Hospital do Subúrbio, primeira PPP na área de saúde do país e única que inclui serviços médicos assistenciais. O hospital foi inaugurado em 2010 e já recebeu prêmios importantes da ONU, do Banco Mundial e da World Finance and Infrastructure 100.

O evento sobre PPPs e concessões realizado em São Paulo também contou com a participação de governadores Eduardo Leite (RS), Wellington Dias (PI), Flávio Dino (MA) e Romeu Zema (MG) – e reuniu investidores, especialistas em concessões e empresários.