Além da recessão econômica, que já abrange aumento do desemprego, inflação, elevação da inadimplência e tantas outras dificuldades, o brasileiro ainda precisa conviver com a alta carga tributária. Os impostos no Brasil são, definitivamente, uma pedra no sapato do cidadão, pois levam para o alto o preço de produtos e serviços altamente necessários para o dia a dia do trabalhador e de sua família. Segundo informações divulgadas pela Secretaria da Receita Federal do Ministério da Economia (SRF), a arrecadação das receitas federais somou R$ 113,278 bilhões em maio de 2019.

Houve aumento real de 1,92%, na comparação com o mesmo mês de 2018. Esse foi o maior resultado para o mês de maio desde 2014, quando a arrecadação ultrapassou R$ 116 bilhões. De janeiro a maio, as receitas federais totalizaram uma arrecadação de R$ 637,649 bilhões, um aumento real de 1,28% em relação ao mesmo período de 2018, quando haviam sido arrecadados R$ 603,400 bilhões. Com impostos tão altos assim, a vida financeira da população fica muito comprometida. A saída, naturalmente, é uma boa reforma tributária, não como os ensaios de reforma feitos anteriormente, mas sim uma mudança profunda e definitiva.