Você que é apreciador de vinhos já ouviu falar na nova região brasileira produtora de Vinhos Finos?

O pampa gaúcho, na fronteira do Rio Grande do Sul com o Uruguai, apresenta seu cartão de visitas como produtor de vinhos finos do Brasil. A meta da região é conquistar o selo de indicação de Procedência. O poeta Mario Quintana disse, em sua obra, que “só o vinho consegue ser excelente”. Natural de Alegrete, no RS, mostrou em seu verso o que viria a ser o potencial da região em que nasceu, quando ainda a produção vinícola era no máximo para consumo próprio, na área predominantemente tomada pela pecuária e plantio de grãos. Só a partir da década de 1990 as oito cidades de fronteira com o Uruguai, a Campanha Gaúcha, apostaram na excelência da bebida de Baco e no potencial de seu terroir para a produção de vinhos. E agora querem ser reconhecida nacionalmente como principal fonte de vinhos finos brasileiros. Alegrete, Bagé, Candeota, Dom Pedrito, Santana do Livramento, Rosário do Sul, Quaraí e Itaqui estão no Pampa Gaúcho, na altura do Paralelo 31, faixa em que se encontram algumas das melhores regiões vitiviniculturas do mundo como Austrália, Nova Zelândia, África do Sul, Argentina e Chile. A Campanha Gaúcha tem a seu favor um terroir plano, chuvoso no inverno e de estiagem no verão, essencial para a manutenção de grãos. O resultado é a soma de condições ideais para a produção de vinhos finos, aromáticos frutados e de boa graduação alcoólica natural. De lá vem o ícone da Seival Estate, o Sesmarias -o primeiro vinho brasileiro enquadrado no  segmento de luxo, você sabia? Resultado de um corte de seis variedades de uvas. Em Santana do Livramento, fronteira do Uruguai com Rivera, nasceu o novo ícone da Almadén, o Tannat Vinhas Velhas (foto em anexo) produzido com as mais antigas parreiras da vinícola (plantadas há 35 anos) a venda no Supermercado Angeloni). E a grande surpresa Rastros do Pampa, o Cabernet Sauvignon da Guatambú, lançado em 2009. O próximo passo é aregulamentação de Indicação para incluir o título ” VINHO DA CAMPANHA GAÚCHA” nos mais de cem rótulos produzidos na região para que todos saibam sua origem. “Hoje, 70% da nossa produção está aqui, na Campanha. A Serra Gaúcha sempre se abasteceu de uvas daqui, mas ninguém fala sobre isso. Temos de fazer aparecer essa região fantástica para vinhos, a melhor do Brasil”, diz o superintendente do Miolo Wine Group, Adriano Miolo, que corresponde por 40% do mercado de vinhos finos no Brasil. No Pampa, além de comandar a Seival Estate e Almadén, presta suporte técnico para a Vinícola Bueno Bellavista Estate, do locutor Galvão Bueno. O futuro da vitivinicultura brasileira está nesta faixa de terra, destaca Miguel de Almeida, enólogo da Seival Estate. Este é o futuro do Brasil no mundo vínico a descoberta de novos terroirs para que possamos produzir sempre melhores vinhos. Matéria mais completa você encontra em nosso site www.icnews,com, colunistas, coluna VINUM VITA EST, agora um livro que também já está na nossa Biblioteca Pública do Paraná a disposição de nossos leitores.

Osvaldo Nascimento Juniors.: Estudioso há mais de 20 anos do mundo vínico.

COMPARTILHAR
AnteriorSalvador da Pátria
PróximoÍndices preocupantes