Evaristo Eduardo de Miranda: traduzindo realidade ambiental

Doutor em Ecologia na França, depois de lá ter se graduado em Agronomia, Evaristo Eduardo de Miranda é um especial quadro da Embrapa, de cuja área de Monitoramento Ambiental por Satélite, em Campinas, é diretor.

Sua tese foi trabalhada a partir de estudos, “in loco”, sobre oligoelementos, feitos no Benim, África.

Poucos quadros públicos têm o “background” científico como o dele, dono de obra técnica acima de contestações.

Diretor do Instituto Ciência e Fé de Curitiba (“Fidelis et Constans”), ele é requisitado no Brasil todo. Sua vida acadêmica compreendeu orientações de várias teses de mestrado e doutorado, no Brasil e exterior.

Na semana próxima, ele falará em São Paulo num Summit internacional de Agricultura.

Insistente em sua pregação de que o Brasil seria exemplar na defesa do meio ambiente, qualidade, segundo ele, não encontrada em outro país, passo ao leitor esta observação de Evaristo sobre o tema, publicado no jornal “Universidade”, do mesmo Instituto Ciência e Fé de Curitiba (vide web): http://www.cienciaefe.org.br/

ÁREAS PROTEGIDAS

No Brasil: áreas protegidas e preservadas

 

“Quinto país do mundo em extensão territorial, o Brasil é o primeiro em áreas protegidas, segundo dados da Unep e do WCMC. O Brasil destina 30% de seu território – mais de 2,5 milhões de quilômetros quadrados (km2) – para áreas protegidas, sejam unidades de conservação, sejam terras indígenas. As áreas terrestres protegidas pelo Brasil representam 14% de todas as existentes no planeta (18 milhões de km2) e mais da metade do total destinado à proteção na América Latina e Caribe.

SÃO 2,5 MILHÕES DE KM2

A média de áreas protegidas em todos os países com mais de 2,5 milhões de km2 de extensão é de 10%, contra 30% no Brasil. Como afirma o Protected Planet Report da Unep de 2016, o Brasil detém e mantém “a maior rede nacional de áreas protegidas do mundo”.

ÁREAS PRESERVADAS

Na zona rural brasileira, uma legislação ambiental exigente determina a manutenção de áreas destinadas à preservação da vegetação nativa, no interior dos imóveis rurais. Essa área varia de 20% do imóvel até 80%, naqueles situados na Amazônia. O mapa dessas áreas foi detalhado nos últimos três anos pelo Cadastro Ambiental Rural (CAR), em mais de 4,1 milhões de imóveis.

SEM SUBSÍDIOS

Hoje, os produtores rurais destinam à preservação da vegetação nativa e da biodiversidade uma área superior a 1,7 milhão de km2, no interior de seus imóveis e sem qualquer subsídio governamental. Isso corresponde a 20,5% da superfície do Brasil.

ÁREAS PRESERVADAS

Existem ainda, no Brasil, amplas áreas de vegetação nativa em terras públicas. E, também, muitos ecossistemas são explorados de forma sustentável e secular por atividades de pecuária extensiva. Isso conserva a vegetação nativa e a biodiversidade, como ocorre no Pantanal, Caatinga, Cerrados, Pampa e Campos de Altitude. No total, o Brasil dedica mais de 66% de seu território à proteção, preservação e conservação da vegetação nativa e da biodiversidade, conforme pode ser visto no mapa sobre uso e ocupação das terras no Brasil. As pastagens ocupam 21% do território nacional e todos os cultivos e florestas plantadas, apenas 9%. Mesmo assim tem gente achando que é pouco os 66% e muito os 9%.”


ONGs RECLAMAM DE FUTURO CEMITÉRIO EM CAMPO MAGRO

Paisagem típica de área rural de Campo Magro

Reclamações começam a chegar à Comissão de Turismo da Assembleia Legislativa, por parte de associações e ONGs que atuam em Campo Magro em defesa do meio ambiente e das realidades turísticas do município.

A mais insistente delas indica que moradores locais “estão apreensivos com a possibilidade de instalação de um cemitério particular na região da Colônia Rodrigues e Jardim Bom Pastor, Área de Preservação Ambiental do Passaúna”.

MANANCIAIS

Segundo os relatos, “o terreno em que se pretende construir o cemitério vertical está localizado em uma área que faz divisa com chácaras de produtores agrícolas, escolas de ensino fundamental, educação especial e residências da comunidade local.” Outro argumento dos moradores “é que na região existem vários mananciais de grande porte e que abastecem a população da cidade”, segundo relato dos que reclamam.

Antes de tudo – é minha opinião – têm de ser ouvidos organismo estaduais e federais técnicos, de áreas como preservação ambiental (IBAMA e Instituto Ambiental do Paraná) e de defesa do patrimônio histórico.

Acho que um cemitério particular não é, necessariamente, danoso a uma comunidade. Desde que assegurada a defesa do ambiente da história, além da lei de zoneamento local. Por isso, devagar com o alerta: ele pode proceder ou não.

Hoje em dia há conhecimentos técnicos suficientes que impedem a contaminação ambiental a partir de cemitérios.


RAPIDÍSSIMAS

RECURSOS LIBERADOS

O Estado contará com R$ 100 milhões para cerca de 250 municípios investirem em melhoria urbana, agricultura, esporte, caminhões para coleta seletiva de lixo, obras de combate à erosão. Além disso, o programa Águas Paraná realizará obras de saneamento para o controle de erosão no solo de 118 municípios, com valor aproximado de R$ 15,8 milhões.

LITORAL EM OBRAS

Está aprovada a licença prévia para a implantação de uma nova rodovia ligando o entroncamento com a PR-407 a Ponta do Poço, em Pontal do Paraná. A implantação de acostamento, melhorias diversas e adequação de acessos em 7,8 km da PR-412, trecho compreendido entre os balneários de Shangrilá e Pontal do Sul, no município de Pontal do Paraná.

RESPONSABILIDADE SOCIAL

Duas entidades foram premiadas pelo Programa Nota Paraná. No sorteio de novembro, as APAES de Arapongas, no norte, e de Terra Rica no noroeste receberam dois dos três maiores prêmios. A de Arapongas foi a grande vencedora, ganhando R$ 50 mil. A APAE de Terra Rica foi contemplada com R$ 20 mil. A dona de casa Leila Lilian Hass Schebeski, de Ponta Grossa, ganhou R$ 30 mil.

PROGRAMAÇÃO NATALINA

As comemorações de Natal em Curitiba começaram oficialmente. Neste ano, as regionais e os parques Barigui e Tanguá devem receber uma decoração especial, com luzes e árvores de Natal. A iluminação será ligada sempre a partir das 19h. O Parque Lago Azul terá um presépio, para contar a história do nascimento de Jesus Cristo. A programação completa das atividades de Natal em Curitiba está disponível no site: http://www.natalcuritiba.com.br/.

SAÚDE NO NORTE

A Regional de Saúde de Maringá, em parceria com a Escola de Saúde Pública do Paraná, promove até dezembro a Capacitação em Suporte Básico de Vida. Cerca de 400 profissionais médicos e enfermeiros da Atenção Primária e da Rede de Urgência e Emergência da região participam do curso.

AVENTURAS LITERÁRIAS

Biblioteca Pública: olhando futuro leitor
Escritor Gustavo Vazquez; ensinando novas gerações

A Biblioteca Pública do Paraná promove nesta sexta, 24, mais uma edição do projeto “Aventuras Literárias”. O convidado é o escritor Gustavo Vazquez, que conversa com o público infanto-juvenil sobre suas experiências de leitura e escrita. O evento acontece no auditório, às 14h30, com entrada gratuita. Vazquez nasceu em Brasília, em 1980, e está radicado em Curitiba desde 1990.

CULINÁRIA ITALIANA

O Jantar Típico Italiano é uma das atrações de Renascença, no sudoeste paranaense, no dia 26 de novembro. O evento é perfeito para saborear o que há de melhor da culinária italiana com pratos preparados em fogo de lenha. O sabor incomparável do espaguete a carbonara junto ao vinho produzido na região é a dica para quem passar pelo evento.

ECONOMIA EM FOCO

O Comércio de Rua em Maringá funcionará em horário estendido em dezembro. Nos dias 4, 5, 6, 7, 8 e 11, 12, 13 e 14 as lojas atenderão até as 20 horas; nos dias 15 e de 18 a 22, até as 22 horas. Em todos os sábados as lojas abrirão até as 18 horas. O comércio de rua também abrirá na véspera de Natal. As lojas ficarão fechadas no dia 26 de dezembro; no dia 30 de dezembro, fecharão ao meio-dia; no dia 2, o comércio funcionará normalmente.

PARE DE FUMAR

Fumante: SUS ensina a deixar de fumar

O governo estadual oferece tratamento gratuito para quem deseja parar de fumar. O Programa de Controle do Tabagismo está presente em 662 Unidades de Saúde espalhadas pelo Paraná. O tratamento oferecido pelo SUS é determinado dependendo das necessidades de cada paciente. O programa envolve consultas com avaliações clínicas e psicológicas, grupos de apoio e medicamentos, de acordo com o grau de dependência.

NOS CAMPOS GERAIS

A Prefeitura de Ponta Grossa abre as inscrições para 1.090 vagas em cursos de qualificação profissional gratuitas. As oportunidades são para inscritos no Cadastro Único, do governo federal. Os 13 cursos do projeto “Capacitação Inclusiva” terão duração de um ano e serão divididos em 60 turmas.

(AB-NOTícias, fonte)


“NÃO OUVI NADA… AINDA”

Caro jornalista,

Embora a forma muito “elegante” com que a coluna anunciou possíveis demissões em cargos públicos comissionados no Paraná, a informação muito repercute. Há muita gente se perguntando quem será cortado dentre os majorengos que ganham fortunas do erário federal.

Eu não tenho nomes, estou à procura deles, por curiosidade e até para “decodificar” quem está se preparando para substituir esses “asponias”.

HUMBERTO B.KRACHOWSKI, Ponta Grossa

————-

ARAMIS MILLARCH

Prezado jornalista:

A sua coluna continua sendo uma espécie de “memória crítica do Paraná”: sempre chama a atenção para o desleixo com que o poder público, e nós em geral, tratamos a memória dos que aqui plantaram grandes obras. Assim, parabéns: a matéria que tratou de Aramis Millarch e o percussionista Airton Moreira foi muito oportuna.

CINTIA BRANDÃO DE ASSSIS MOURA, Curitiba

————-

LEANDRO KARNAL

Leandro Karnal: novas lições

Prezado jornalista: sua coluna foi de novo oportuna e prudente, ao tratar, semana passada, do crescimento da AmCham, a Câmara de Comércio Americana de Curitiba. E, especialmente, ao apontar que esse crescimento da instituição, na comunidade, decorre de ações simples – mas valiosas -, como a apresentação de notáveis da vida cultural do país. É o caso de Leandro Karnal, que em palestra, lá passou outra de suas inigualáveis lições de vida.

MARIA CELESTE P. WACHOWICZ, Araucária, PR