A maneira como o sistema político brasileiro funciona, desde a colonização pelos portugueses, é marcada por falta de transparência, suborno, escândalos dos mais variados e demais retrocessos que levam o povo a uma descrença total em relação ao trabalho dos seus representantes no poder. Com tanta dificuldade assim, é difícil esperar dos políticos uma mudança de comportamento que leve o país a vivenciar novos horizontes. Segundo a ministra Laurita Vaz, da Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), o Brasil precisa “ser passado a limpo”. A afirmação foi feita durante julgamento da soltura do ex-presidente Michel Temer.

Tendo ou não tendo razão em votar pela liberdade de Temer, o fato é que Laurita Vaz está certa em sua declaração. É preciso passar a limpo, arrancar da sociedade toda injustiça e impunidade que predomina há séculos, já que a maior parte dos entraves existe, única e exclusivamente, por causa da desonestidade dos agentes públicos, que buscam em primeiro lugar seus interesses pessoais em detrimento das necessidades da população. Enquanto isso, a sociedade clama por mudanças. No entanto, de que adianta os movimentos populares se unirem em torno de propostas aos poderes públicos se esses últimos estão corrompidos com a ganância? Para mudar isso, só mesmo com o voto consciente de cada eleitor.