Brasil fatura 10 pódios no Aberto da Alemanha de judô paralímpico

320

A seleção brasileira de judô paralímpico obteve excelente desempenho no German Open (Aberto da Alemanha), disputado no sábado (8.02), em Heidelberg, em mais uma etapa de preparação rumo aos Jogos de Tóquio 2020. Dos 11 atletas que foram para a Europa, dez conseguiram pódio.

Os pesados Wilians Araújo (+ 100 kg) e Meg Emmerich (+ 70 kg), além de Alana Maldonado (- 70 kg) foram medalhistas de ouro. Alana, atual líder do ranking na sua categoria e campeã mundial, teve um gostinho especial com a conquista, já que se tratou de seu primeiro evento após a lesão que a afastou do Pan de Montreal, em janeiro.

“Foi a primeira competição de um ano tão importante, a 199 dias da abertura dos Jogos Paralímpicos. Essa conquista traz uma motivação grande na reta final da preparação. Assim como abri meu ano dourado, espero encerrá-lo realizando o sonho de ser medalhista de ouro em Tóquio”, comentou a atleta da Amei-SP e do Palmeiras.

Ficaram com a prata Lúcia Teixeira (-57 kg), Maria Núbea Lins (-52 kg) e Rebeca Silva (+70 kg). Já Antônio Tenório (-100 kg), Arthur Silva (-90 kg), Harlley Arruda (-81 kg) e Thiego Marques (-60 kg) faturaram o bronze. A única atleta fora do pódio foi Giulia Pereira, medalhista de ouro no último Parapan, realizado em Lima, no Peru, no ano passado.

O torneio não conta pontos para o ranking mundial. A delegação ainda permanecerá em treinamento na cidade alemã por mais dois dias, quando embarcará para Madri, na Espanha, onde realizará um intercâmbio apenas de treinos, sem competição oficial.

“O saldo é positivo e os resultados foram ótimos. Mas temos a consciência de que há pontos a evoluir para as duas últimas competições que marcam pontos para o ranking mundial e classificar o maior número de categorias para os Jogos Paralímpicos”, disse o técnico Jaime Bragança.

Neste ano, os judocas brasileiros já participaram do Pan de Montreal, no Canadá, onde ganharam nove medalhas, sendo cinco de ouro. Antes da Paralimpíada, eles terão duas etapas do Grand Prix da IBSA: uma na Inglaterra, em abril, e outra no Azerbaijão, em maio, para pontuarem. Vale lembrar que é com base no ranking que se define os participantes dos Jogos.

Fonte: Confederação Brasileira de Desportos de Deficientes Visuais (CBDV)