A crise entre o presidente Jair Bolsonaro e o presidente nacional do PSL, Luciano Bivar, ganhou novo capítulo nesta quarta-feira com a declaração de Bivar de que o presidente já está afastado da legenda. Ontem, Bolsonaro pediu para um apoiador esquecer o PSL e não divulgar vídeo sobre Bivar, porque o presidente do partido estaria “queimado para caramba”. O diálogo ocorreu na saída do Palácio da Alvorada, com um homem que se apresentou como pré-candidato pelo PSL no Recife. A legenda chegou a fazer uma reunião de emergência ontem à noite para avaliar o desgaste da declaração.

“A fala dele foi terminal, ele já está afastado. Não disse para esquecer o partido? Está esquecido” — disse Bivar ao blog da repórter Andréia Sadi, do G1. Também nesta quarta-feira, Bolsonaro disse que não pretende sair do PSL “de livre e espontânea vontade”. Em entrevista ao site “O Antagonista”, Bolsonaro alegou que Bivar tem o “direito” de expulsá-lo do PSL, mas ressaltou que uma eventual expulsão faria o partido “murchar”. “Comigo fora da legenda, a tendência do PSL é murchar. Se eu sair, é natural que muita gente saia também”.

Derrubar o veto

O deputado Giacobo (PL-PR) disse nesta quinta-feira, 10, que vai “lutar para derrubar o veto” do presidente Jair Bolsonaro ao projeto de lei que garante o atendimento de profissionais do serviço social e da psicologia nas equipes das escolas da rede básica de ensino de todo o país. “São profissionais que fazem falta e fundamentais no dia-a-dia das escolas, podem contribuir, de forma significativa, na resolução de conflitos e no apoio aos estudantes e suas famílias”, disse o parlamentar.

 

No Palácio Garibaldi

Com objetivo de conscientizar sobre o câncer de mama e arrecadar recursos para o Hospital das Clínicas (HC), o Palácio Garibaldi recebe no domingo (20) o evento “Tecendo Solidariedade – artesanato e cultura”. Das 10h às 15h, os jardins e salões do centenário palácio, localizado no centro histórico de Curitiba, receberão um bazar do projeto “Tecendo Solidariedade”, apresentações culturais e palestras sobre os hábitos que podem afastar os riscos do câncer de mama.

Bens apreendidos do tráfico

O plenário do Senado aprovou nesta quarta-feira (9) projeto que facilita a venda de bens apreendidos de traficantes. A matéria vai agora à sanção presidencial. Proposto pelo governo federal em junho como medida provisória (MP 885/19), o texto agiliza o repasse, a estados e ao Distrito Federal, de recursos decorrentes da venda de bens apreendidos relacionados ao tráfico de drogas. A MP dá à Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas (Senad) o poder de leiloar esses bens antes do término do processo criminal.

Fim da licença maternidade

Maria Victoria voltou ontem oficialmente à Assembleia, após cumprir licença maternidade. No registro, exibe, no celular, foto da filha Maria Antonia ao lado do presidente Ademar Traiano e do 1° Secretário Luiz Claudio Romanelli. No período em que esteve afastada, Maria Victoria foi substituída pelo suplente Elio Rusch.

Gratuidade de exames

O Deputado Federal Boca Aberta apresentou em Brasília e o Deputado Estadual Boca JR em Curitiba (simultaneamente) um projeto que garante atendimento oftalmológico e que disponibiliza óculos para alunos da rede pública de ensino. O projeto de lei visa à implantação da obrigatoriedade nos primeiros dias do ano letivo, de avaliação oftalmológica (exame de vista) para os alunos matriculados na educação infantil, no fundamental e no ensino médio em âmbito nacional.

TRF-4 confirma

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região confirmou nesta quarta a segunda condenação por lavagem de dinheiro do ex-deputado petista André Vargas na Operação Lava-Jato. As informações são da Marina Muniz na Veja. Por unanimidade, a 8ª Turma manteve a pena do ex-vice-presidente da Câmara em seis anos de reclusão.

Novo inquérito

O Ministério Público Eleitoral de Minas Gerais complicou ainda mais a situação do ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, pedindo à Justiça que determine a abertura de um segundo inquérito sobre ele, noticia a TV Globo. O ministro é acusado de caixa 2 nas eleições do ano passado. Duas novas testemunhas se apresentaram hoje para falar sobre o caso.

Novo partido

A alternativa para que deputados e senadores possam migrar de legenda sem perder o mandato é criar um novo partido, como a UDN, que está prestes a ser criada. Mas essa saída é vista como menos provável, uma vez que levaria um tempo maior até ser viabilizada. Mesmo assim, o caminho está sendo pavimentado, e o partido seria batizado de Conservadores. Aliados do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) estão, inclusive, finalizando o estatuto dessa nova legenda.

Assembleia aprova

Por unanimidade, a Assembleia Legislativa do Paraná aprovou, nesta quarta-feira (9), a criação da Semana Estadual da Tecnologia e Inovação. Pelo projeto do deputado Hussein Bakri (PSD), a celebração ocorrerá anualmente entre os dias 16 e 22 de outubro. A proposta será sancionada na semana que vem pelo Governador Ratinho Junior (PSD) durante a cerimônia de abertura da primeira edição da Semana Paraná Inovador, que vai ocupar o segundo andar do Palácio Iguaçu e será aberta ao público em geral.

Virou atração

Por onde quer que passe, Gilmar Mendes, ministro do STF, atrai atenções e comentários, nem sempre agradáveis e muitos em voz alta. Nas redes, nesta semana, rola um vídeo onde Gilmar é insultado num voo de carreira, na classe econômica, por outros passageiros (e permanece imóvel, sem qualquer reação até os agressores cansarem). Ele tem dado entrevistas, agora, para Pedro Bial, aparece nos jornais dando aula de manhã cedo – e surpresa – pensa em ir ao programa do Ratinho falar sobre o Supremo. Só falta fazer participação em novela.

 

Concorrente

Ainda na área de exibição: o mais próximo concorrente de Gilmar Mendes é Dias Toffoli, presidente do Supremo, que também dá as caras em programas de televisão (às vezes fala sobre assuntos políticos na cadeira da presidência da Alta Corte, em plenário). Agora, foi a um programa novo do SBT e disse que “o Supremo é o maior instrumento do país contra a corrupção”. Nas redes, foi colocado na sequencia do que Toffoli falou, um vídeo onde a noiva rola de rir – e não consegue parar.

 

Campanha

Cresce nas redes sociais a campanha pró-cancelamento de assinatura Veja devido a seu conteúdo. Agora, a campanha ganha até “comerciais” bem produzidos (como se tivesse uma agência de publicidade engajada), com depoimentos de populares exibindo capas condenadas. No ano passado, entre edições impressa e digital, Veja perdeu 400 mil leitores. Agora, sob nova direção, faz os primeiros cortes e estuda a suspensão da Veja em São Paulo (em outras cidades, revistas semelhantes foram cortadas).

 

Quer embargar

A Sociedade Amigos do Itaim Bibi, uma das mais poderosas da cidade de São Paulo, quer embargar as obras da construtora Even no bairro sob bandeira do Grupo Fasano. É um empreendimento que mistura duas torres de hotel e residências, com 40 andares, cujas obras já começaram no coração da região que possui alta densidade demográfica. Agora, a entidade descobriu que a construtora não realizou o Estudo de Impacto de Vizinhança e Relatório de Impacto à Vizinhança com participação popular. E já pensa em recorrer à Justiça.

 

Amarelas

Os patinetes Yellow já dominam São Paulo e, no geral, depois de uso, são abandonados nas calçadas, em regiões onde serão posteriormente recolhidos. Agora, calçadas da cidade começam a ganhar também bicicletas Yellow que, igualmente, depois de usadas, também podem ser deixadas em qualquer lugar para serem recolhidas. As estações de bicicletas, iniciativa de bancos, por outro lado, já prejudicam a imagem de muitos bairros. Algumas são construídas na frente de prédios residenciais, afetando mesmo seus preços.

 

Influência da Corte

A proposta de emenda constitucional (PEC) da deputada Bia Kicis (PSL-DF), vice-líder do governo, para revogar a PEC da Bengala e permitir que Bolsonaro nomeie mais dois ministros para o STF, vai começar a tramitar na Câmara. A intenção é ampliar a influência do governo da Corte, com a indicação de quatro ministros e não apenas dois que se aposentarão até 2022. Contudo, pode ser alterada no Congresso e, na contramão, até elevar a idade da aposentadoria dos atuais ministros.

 

Vende-se

No Rio, o conhecido edifício A Noite, na Praça Mauá (foi o primeiro arranha-céu da América Latina) que está vazio, vai a leilão. Seu valor hoje, é estimado em R$ 85 milhões, bem abaixo dos R$ 137 milhões de poucos anos atrás. Faz parte do programa da Secretaria Especial de Desestatização, Desinvestimentos e Mercados do Ministério da Economia, que quer levantar R$ 1 bilhão neste ano e R$ 36 bilhões até o fim de 2022, vendendo imóveis da União.

 

Abandonados

O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), por acordo, mapeou os imóveis da União do país. São 750 mil cadastrados. Deles, 51 mil são reservados para o uso do governo, outros 3,8 mil não tem efetiva utilização (e tem potencial de venda) e a maioria do restante exibe estado de abandono. Só seriam vendidos com reformas que o governo de Bolsonaro não fará.

 

Tranquilo

Luciano Bivar, presidente do PSL, está mais do que tranquilo em relação às investidas de Bolsonaro, especialmente porque, de acordo com a legislação eleitoral, se o presidente sai e leva parlamentares (é difícil por normas baixadas pelo TSE), o partido manteria toda sua verba de Fundo Partidário e do Fundo Eleitoral (para quatro anos, são projetados R$ 737 milhões). Os deputados que abandonariam o partido não levariam recursos para nova legenda. O Fundo Partidário seria rateado pela proporção de votos obtidos na Câmara.

 

Outro também

Ainda diante da hipótese de Bolsonaro abandonar o PSL e levar alguns deputados com ele para uma nova legenda (supostamente chamada Conservadores): também o Fundo Eleitoral permanece com a sigla comandada por Luciano Bivar. Segue critério do Fundo Partidário, de acordo com número de deputados e senadores eleitos por cada legenda. Eventuais mudanças no tamanho das bancadas do PSL na Câmara e no Senado não modificam o volume da verba que cabe ao partido. E nada disso, Bolsonaro ou seus filhos podem mudar.

 

De volta

Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), depois de licença pedida para permanecer com seu pai operado de uma hérnia, já está de volta à sua cadeira de vereador na Câmara Municipal do Rio. Ele não pretende disputar sua reeleição no ano que vem: quer se dedicar à candidatura de sua mãe Rogéria, ex-mulher do Chefe do Governo. Usará a mesma estrutura de redes utilizada na campanha presidencial. Depois, Carlucho quer permanecer em Brasília.

 

Âncora gay

Matheus Ribeiro, âncora do Jornal Anhanguera, da TV Anhanguera, de Goiás, será o primeiro apresentador gay do Jornal Nacional, que está festejando 50 anos e convidando âncora de filiadas à Rede Globo para ocuparem, por uma noite, a cadeira do noticioso. Ele está radiante nas redes sociais e aproveitando a ocasião para apresentar seu noivo, um militar chamado Yuri Piazzarollo.

 

Nova dose

Revistas e editoriais de jornais especializadas em automóveis agora estão criticando o chinês Tiggo5, da Caoa Chery, o primeiro produzido no Brasil na fábrica de Anápolis. A ideia é que ele substitua no mercado o Tucson da sul-coreana Hyundai.

 

Pelado elegante

O ator Theodoro Cochrane, filho de Marília Gabriela, está brindando seus admiradores com uma foto feita no litoral de São Paulo, onde aparece “pelado, mas sempre elegante e distante pois não sou vulgar”. Depois que Reynaldo Gianecchini, que foi casado com sua mãe, assumiu já ter tido “romance com homens”, Theodoro garante que não teve nada com ele.

 

Sem benefício

Na ditadura militar, mais de três mil cabos da Aeronáutica foram afastados das Forças Armadas e posteriormente, se tornaram anistiados políticos. Agora, a Advocacia-Geral da União deve apoiar posição do Planalto do Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos que, de acordo com a Comissão de Anistia, estão decidindo pelo cancelamento do benefício dos ex-integrantes da FAB. Eles teriam sido afastados por excesso de contingente, nada a ver com perseguição política.

 

Funcionalismo caro

Novos relatórios “Gestão de Pessoas e Folha de Pagamento”, do Banco Mundial, mostra que o gasto do setor público brasileiros com folha de pagamento é alto para os padrões internacionais e isso deve ao alto valor da remuneração e não ao número de funcionários. Em 2017, foram gastos R$ 725 bilhões com 11,5 milhões de servidores ativos (mais de 20 vezes o gasto atual com a Bolsa Família). Até 2022, segundo projeções do Banco Mundial, 26% desses servidores estarão aposentados.

 

Queda

Analistas políticos acreditam que qualquer que seja o capítulo final do imbróglio Bolsonaro-PSL a imagem do Chefe do Governo será afetada. Muitos apostam ainda, que isso resultará numa nova queda de aprovação nas próximas avaliações.

 

Força total

O ex-PSL e atual tucano, o deputado federal Alexandre Frota, está com armamento total apontado para o presidente Bolsonaro. Nem os mais negativistas acreditavam que Frota se tornaria um rival tão feroz. Agora, Frota lança uma campanha em seu Twitter na tentativa de derrubar Bolsonaro. A campanha pede “Estou aberto a ideia e a disposição para começarmos a elaboração e criação para retirada de Bolsonaro, ok. Aceito ideias, propostas, debates e reuniões para iniciarmos essa força tarefa #vamosconsertaroerro”.

 

Fazendo caixa

O empresário Michael Klein está vendendo um portifólio de galpões avaliado em R$ 2 bilhões. As áreas somam quase um milhão de metros quadrados e entre os interessados formam Blackstone/BlueMacaw, Brookfield, Credit Suisse, Kinea, Hemisfério Sul Investimentos e outros. Cerca de 90% do portifólio está estabilizado, ou seja, tem contratos de alugue com a Via Varejo (Casas Bahia, Ponto Frio, Extra e móveis Bartira). No ano passado, para fazer liquidez, ele vendeu lojas comerciais no valor de R$ 550 milhões.

 

Plano abordado

As delações de Antônio Palocci acusando André Esteves de ter recebido informações privilegiadas, mudou os planos do banqueiro. Ele havia retornado sem muito alarde em 2018 à posição de sênior partner do BTG, tornou-se comprador compulsivo de ações do próprio banco e o próximo passo seria voltar ao posto de presidente da instituição. A deduração de Palocci abortou o plano.

 

Spoiler

Na novela A dona do pedaço, Josiane (Agatha Moreira) vai virar feirante. Trabalhará numa barraca de peixes e quem arrumou o emprego para ela foi Carmelinda (Elisangela). E também lá acabará brigando com o patrão. À propósito: no final, Marlene (Sueli Franco) é que acabará com Antero (Ary Fontoura), que recuperará a memória – e de romance que tinha com ela.

 

Rápido

O ex-PGR Rodrigo Janot, que conseguiu vender mais exemplares de seu livro Nada menos que tudo na noite de autógrafos em Brasília do que em São Paulo, acaba de pedir licença de advocacia na OAB. Ou seja: não quer ser vítima de processos da própria classe onde muitos querem até que sua carteira da OAB seja cancelada.

 

Melhor não

Bolsonaro até cogitou viajar ao Vaticano para a cerimônia de canonização da Irmã Dulce, no próximo dia 13. Olavo de Carvalho, contudo, entrou em campo e alertou para a realização simultânea do Sínodo da Amazônia e risco de protestos contra Bolsonaro.  E a viagem também poderia ser interpretada como um gesto de aproximação da Igreja Católica, que anda numa fase mais à esquerda. Melhor ficar com os evangélicos, sempre à direita.

 

Preparando

O secretário da Fazenda de São Paulo e ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles anda colhendo colaboração de muitas figuras de área diversas pensando em elaborar um programa econômico amplo, geral e irrestrito. Ele não deverá ser candidato pelo MDB à prefeitura de São Paulo e continuará ao de João Doria. Esse programa poderia ser a base da campanha do tucano ao Planalto em 2022 na área econômica. Se Doria leva, Meirelles assume o Ministério da Economia.

 

Ironia

O cantor Chico Buarque ficou indiferente à fala do presidente Bolsonaro, que afirmou “ter até 31 de dezembro para assinar o diploma do Prêmio Camões de Literatura”, concedido a ele. E ironizou: “A não assinatura do Bolsonaro no diploma é para mim um segundo Prêmio Camões. Aliás, que tipo de livro Bolsonaro lê? Cartas para a redação”.

 

Dica

Ainda sobre o episódio da saída ou não de Jair Bolsonaro, o também ex-PSL e ex-Secretário-Geral da Presidência, Gustavo Bebianno, que é outro recém-inimigo do Chefe do Governo, dá dicas para onde o Capitão deveria ir: “O Jair tem que criar um partido só com os filhos. Só vai dar certo num novo partido, se for só ele e os filhos. O presidente não respeita ninguém, faz questão de desprezar deputados que se empenharam para ajudar a elegê-lo em várias regiões, como no Nordeste”.

 

Colocando fogo

Ainda Bebianno: ele garante que Luciano Bivar e o Bolsonaro tinha um acordo dentro do partido: “para que o presidente ficasse com Fundação e o PSL Mulher, que dão juntos uns 25% do Fundo Partidário”. E completa: “Esse dinheiro seria administrado pelo Jair. O resto pelo partido. Mas bastou ser eleito para o acordo ser desfeito. O Eduardo quis tomar à força o diretório do PSL em São Paulo e ignorar a existência do Bivar, que é o dono do partido. A família Bolsonaro se preocupa exclusivamente com a família Bolsonaro. Não com o Brasil.”

 

Novo livro

A ex-primeira-dama norte-americana Michelle Obama lançará seu segundo livro. A obra reunirá 150 frases e textos inspiradores em vários temas que busca provocar reflexões sobre o autoconhecimento. O novo livro chegará às livrarias de todo mundo no dia 19 de novembro. Seu primeiro livro foi editado em 30 idiomas e o segundo promete número ainda maior de traduções.

Frases

 “Se houver fusão, o próprio grupo do Bolsonaro escolherá o partido com o qual iremos nos fundir. O Bolsonaro está ciente de que o Patriota o ama.”

Adilson Barroso, presidente do Patriota,