O presidente Jair Bolsonaro tem um recado claro: ele não vai mudar. A repercussão negativa, e até críticas de aliados, a suas declarações nos últimos dias, com ataques a governadores do Nordeste e contestação de dados históricos da ditadura militar, estão longe de fazê-lo repensar o próprio comportamento. Em conversa exclusiva, Bolsonaro confirma que continuará falando à parcela mais conservadora da população, a primeira a aderir à sua candidatura.

— Sou assim mesmo. Não tem estratégia. Se eu estivesse preocupado com 2022 não dava essas declarações — afirmou Bolsonaro, ao ser questionado se as falas recentes são planejadas ou apenas resultado de impulsividade.

O presidente recebeu a reportagem em seu gabinete no terceiro andar no Palácio do Planalto após a cerimônia em que lançou um amplo processo de flexibilização de segurança e saúde do Trabalho. Depois de uma curta entrevista coletiva com jornalistas, Bolsonaro estava subindo a rampa que liga o Salão Nobre ao seu gabinete quando foi abordado pela reportagem, que pediu uma conversa com ele. Imediatamente, sem ouvir seus auxiliares da área de comunicação, pediu que os seguranças liberassem a repórter para acompanhá-lo.

 

Tiro na prefeitura

Um homem foi baleado dentro da Prefeitura de Ponta Grossa na manhã desta quarta-feira (31). Ele foi atingido na perna por um tiro disparado por uma guarda municipal que atuava na segurança do prédio por volta de 10h40. As imagens das câmeras de segurança ainda serão analisadas pelas autoridades para esclarecer a situação e os relatos ainda são conflitantes.

Brasil pode liderar

O Brasil caminha para ser 1 dos líderes mundiais da produção de petróleo nos próximos 10 anos, disse nesta 3ª feira (30.jul.2019) o diretor da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis), Felipe Kury, durante seminário técnico da 16ª Rodada de Licitações de Blocos Exploratórios de Petróleo e Gás e da 6ª Rodada de Partilha da Produção do Pré-Sal, no Rio de Janeiro. As informações são do Poder 360. Além desses, a ANP espera realizar ainda este ano mais 2 leilões: de cessão onerosa e de oferta permanente.

violência contra mulher

Hoje, o LIDE MULHER Paraná recebe grandes nomes da liderança feminina do país para falar sobre o importante tema: “Violência contra a mulher”. O talk será realizado exclusivamente para as filiadas do grupo no mezanino do Pátio Batel. Quem comanda o debate é a Dra. Gabriela Mansur, promotora de Justiça do Estado de São Paulo do Grupo de Atuação Especial de Enfrentamento e Combate à Violência Doméstica – GEVID. Gabriela foi indicada pela Revista Forbes, neste ano, como uma das mulheres mais poderosas do Brasil e foi vencedora do Prêmio TRIP Transformadores 2018 e Prêmio VIVA MARIE CLAIRE 2018.

Normas trabalhistas

As novas normas de segurança e saúde do trabalho, sancionadas hoje (30) pelo presidente Jair Bolsonaro, gerarão economia de pelo menos R$ 68 bilhões nos próximos dez anos. A estimativa foi divulgada pela Secretaria de Política Econômica (SPE) do Ministério da Economia durante a solenidade de assinatura das novas regras. As mudanças abrangem três das 36 normas reguladoras (NRs). A NR 1, que trata das disposições gerais sobre saúde e segurança no trabalho; e a NR 12, que dispõe sobre a segurança na operação de máquinas e equipamentos, tiveram a redação modernizada, com regras menos rígidas. A NR 2, que previa inspeções prévias, foi revogada.

Caminhoneiros satisfeitos

Após o primeiro dia de reuniões para tentar chegar a um acordo em torno da tabela de piso mínimo de frete, caminhoneiros, transportadoras e embarcadores demonstraram otimismo na construção de um consenso até o final da semana. Hoje, as reuniões foram marcadas pela apresentação das propostas para a correção de valores pagos pelo transporte de carga por parte dos caminhoneiros.  Segundo os caminhoneiros, a resolução da ANTT suspensa no dia 22 de maio, só trazia a previsão do custo mínimo para o frete, deixando de fora a remuneração do caminhoneiro autônomo pela carga transportada. A resolução suspensa determinava que o cálculo do piso mínimo passaria a considerar 11 categorias na metodologia.

Itamaraty sobre Itaipu

O Itamaraty vai tentar reabrir negociação com os paraguaios em torno de Itaipu. O Brasil propôs corrigir defasagem que vê no contrato de fornecimento de energia, mas a população daquele país reagiu classificando o trato como “entreguista”. A chancelaria, agora, avalia fazer concessões.

Dose Certa

A Receita Estadual deflagrou, nesta terça-feira (30 de julho), uma operação integrada de fiscalização no setor de bebidas em todo Paraná. A intenção é coibir a circulação e comercialização de mercadorias sem documentação fiscal ou com documentação fiscal irregular. A ação, denominada “Dose Certa”, mobiliza 120 auditores fiscais. A operação conta com apoio “total” da Associação Brasileira de Bares e Casas Noturnas (Abrabar/SindiAbrabar) e da Federação das Empresas de Hospedagem, Gastronomia, Entretenimento e Similares do Paraná (Feturismo).

Lula ataca Bolsonaro

Em nota dirigida a Felipe Santa Cruz, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva criticou Jair Bolsonaro no episódio envolvendo o pai do presidente da OAB. O petista disse que o Brasil não merece ouvir “as palavras de ódio de quem, pelo cargo que ocupa, deveria se referir com respeito aos que sacrificaram a vida pela liberdade em nosso país”.

STF sugere mordaça

Ao comentar as declarações recentes de Jair Bolsonaro (PSL), o ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal, sugeriu que o presidente usasse uma mordaça. A afirmação foi feita ao blog de Tales Faria, do UOL. “No mais, apenas criando um aparelho de mordaça”, disse, quando questionado o que poderia ser feito para evitar manifestações polêmicas do presidente. “Tempos estranhos. Aonde vamos parar?”

Sem dignidade

A caserna está em pé de guerra: generais da ativa e da reserva, incluindo os que participam do atual governo, consideraram as duas falas de Bolsonaro sobre o pai de Felipe Santa Cruz (na primeira, ameaçava contar o que acontecera com Fernando Santa Cruz na repressão da ditatura militar; na segunda, afirmam que fora morto por companheiros de guerrilha) mais do que desastrosas. O que os militares menos querem – e já há algum tempo – é ressuscitar quaisquer episódios de tortura e assassinato na época do governo militar. E acham que, com suas declarações, Bolsonaro acabou fazendo crer que participava dos porões daqueles tempos.

 

Fugindo à verdade

O que incomoda profundamente os militares é ver Bolsonaro inventando episódios que nunca aconteceram. Há dias, foi a vez de Miriam Leitão. Agora, dados oficiais revelam que Fernando Santa Cruz, aos 26 anos, foi torturado e morto na prisão – e seu corpo jamais foi devolvido à família. A versão de que foi morto por companheiro de guerrilha nunca aconteceu.

 

Defesa de tortura

Os militares achavam que, se eleito presidente do país, Bolsonaro passaria a respeitar a liturgia do cargo, deixando de lado seu radicalismo. No passado, cuspiu no busto de Rubens Paiva, na frente da família, exaltou o torturador Brilhante Ustra em rede nacional, na campanha presidencial disse que Vladimir Herzog se suicidou e agora, o episódio de Fernando Santa Cruz.

 

Contra-ofensiva

Além da OAB, que recorrerá à Justiça por Bolsonaro ter desqualificado a entidade, enquanto seu presidente Felipe Santa Cruz pede ao Supremo que abra processo contra o Chefe do Governo para que revele suas informações sobre o guerrilheiro Fernando Santa Cruz, entidades da sociedade civil igualmente tentarão enquadrar o presidente na lei 1.079, artigo 9º, que fala sobre crime de responsabilidade passiveis de impeachment do presidente da República. Diz: “Proceder de modo incompatível com a dignidade, a honra e o decoro do cargo”.

 

Primeiro round

O presidente Jair Bolsonaro está mais do que irritado com a posição assumida pelo governador João Doria, de São Paulo, criticando suas declarações sobre o pai do presidente da OAB, Felipe Santa Cruz, que ataca por conta de Adélio Bispo ter sido considerado inimputável pela Justiça (é o autor da facada na campanha em Juiz de Fora). Doria disse que era uma posição “inaceitável”. A reação do governador paulista, fatalmente, criará uma distancia entre ele e Bolsonaro.

 

Festa do grampo

Nem só de hackers vive a cena nacional: 976 linhas telefônicas foram grampeadas em três estados. Entre as vítimas, presidentes de Altas Cortes até lideranças de partidos. As investigações são mantidas em segredo. Na área dos vazamentos de comunicações, contam-se vítimas aos milhares, todos os dias (já registros na base de clientes de Uber, Banco Inter e Netshoes), sem se falar do livre comércio de cadastro de 150 milhões extraídos da Receita, INSS, bancos, telefônicas e entidades de saúde.

 

Filho de peixe

Enquanto o pai ultrapassa quaisquer limites, inspirados pelo poder e pela caneta, o filho Carlos Bolsonaro, o famoso Carlucho, que ainda não desistiu de derrubar o porta-voz da presidência, general Rêgo Barros, passeia pela cidade de Charleston, no estado South Caroline, nos EUA, usando uma camiseta que tem no peito o rosto de Olavo de Carvalho.

 

Nova moda

Há uma nova moda entre gays mais conhecidos e outros tantos anônimos: posarem, nus, para ensaios fotográficos e exibir os resultados em redes sociais.

 

Olho na CNN

Mari Palma e Phelipe Siani, que pediram demissão da Globo, já estão a caminho da CNN Brasil, comandada por Douglas Tavolaro, sobrinho do bispo Edir Macedo. À propósito: não é verdade que a versão tupiniquim da famosa rede internacional tenha oferecido R$ 800 mil mensais a William Bonner. E ele não aceitaria.

 

Família no ar

Se o presidente pode carregar sua família a bordo de aeronaves oficiais, de um lado para outro, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, também pode. Ele foi passar férias na Flórida, levou toda família e usou avião da FAB. A justificativa, nos dois casos, é que se trata de questão de segurança.

 

Outro lado

O jornalista Ricardo Lessa, que comandou o Roda Viva (TV Cultura) está contando num artigo como conheceu melhor o ex-ministro Santos Cruz e como o convenceu, mesmo depois de demitido, de ir ao programa. Só que, segundo Lessa, a direção da TV Cultura proibiu, como proibiu também levar Gustavo Bebianno e o diplomata Marco Troyjo. A direção alegou “falta de interesse jornalístico”.

 

Trio

A ex-deputada Manuela D’Ávila foi convocada pela Polícia Federal a prestar depoimento sobre suposta intermediação entre os hackers que invadiram o celular de Sérgio Moro e Glenn Greenwald. Ela nega, é claro. Como está em curso desde o final de junho na Escócia, seus advogados já avisaram a PF que ela volta ao Brasil no próximo dia 15, ficando à disposição para depor. Enquanto isso, um trio de “amigos” sai em sua defesa: Fernando Haddad, Flávio Dino e Guilherme Boulos.

 

Tem que pagar

O partido Rede, através do senador Randolfe Rodrigues (AP), entrou na Justiça e na Procuradoria-Geral da República com ação que pede o ressarcimento do valor gasto pela família Bolsonaro usando um helicóptero da FAB para translado da família durante o casamento de Eduardo Bolsonaro. O partido quer que a “carona” seja paga pelo presidente ou pelo chefe do GSI Augusto Heleno.

 

Cirurgia

A primeira-dama Michelle Bolsonaro, agora morena, sempre discreta, se submeteu a um pequeno procedimento cirúrgico no sábado. A cirurgia foi feita no Hospital Militar (o presidente tem um convênio médico familiar), já estava agendada algum tempo e foi para corrigir desvio de septo. No domingo de manhã, já havia recebido alta. Enquanto Michelle estava se submetendo a esta intervenção, o presidente Jair Bolsonaro assistia ao jogo entre Palmeiras e Vasco em São Paulo.

 

A verdade

O presidente Jair Bolsonaro desmarcou uma reunião com o ministro da Relações Exteriores da França, Jean-Yves Le Drian alegando questão de agenda. Logo depois, apareceu cortando os cabelos. A verdade é que nem o corte de cabelo estava agendado. Jair Bolsonaro desmarcou a reunião porque o ministro francês se encontrou com ambientalistas brasileiros no domingo e ele não gostou.

 

Subiu na cabeça

Analistas políticos acreditam que diante das últimas declarações de Jair Bolsonaro começa-se entender o quanto despreparado ele é para estar no cargo que está e quanto o poder está subindo a cabeça do Chefe do Governo, que acha que não será cobrado ou punido, por causa da posição que ocupa. E lembram a famosa frase do pensador Aislan Dlano: “Quer conhecer uma pessoa, dê poder a ela, mas se, em si, quiser verdadeiramente conhece-la, retire o poder dela”.

 

Responsável

Na cerimônia de inauguração do aeroporto Glauber Rocha, em Vitória da Conquista, com a presença de Jair Bolsonaro (e a ausência do governador Rui Costa), o prefeito da cidade, Herzem Pereira, em seu discurso, citou enfaticamente o baiano Geddel Vieira Lima como o grande responsável pela execução da oba, provocando uma saia justa total. Geddel é presidiário na Penitenciária da Papuda desde setembro de 2017.

 

Dividida

O presidente da OAB, Felipe Santa Cruz, não tem poupado ataques a Jair Bolsonaro e especialmente ao ministro Sérgio Moro, o que não signifique que as OABs regionais rezem na mesma cartilha. O presidente da OAB/MS, Mansour Karmouche diz que Santa Cruz critica Moro sozinho, mas os ataques do presidente ao pai dele “são inaceitáveis” e Ricardo Breir, do Rio Grande do Sul partilha das mesmas posições.

 

Olho na Vale

A bancada da mineração está se mobilizando para barrar o possível aumento de royalties do setor no parecer final do senador Carlos Viana, relator da CPI de Brumadinho, já a proposta de elevação do CFEM. Recomenda aumento de taxação de 3% para 10% do faturamento bruto das empresas. Tendo como base 2018, a tributação sobre a vale passaria de R$ 4 bilhões para R$ 13 bilhões.

 

Na ladeira

A média anual dos financiamentos do BNDES diminuiu de R$ 162,3 bilhões entre 2010 e 2015 para R$ 76,1 entre 2016 e 2018. Ninguém sabe se as exigências aumentaram, se não há dinheiro disponível ou se os candidatos resolveram recuar.

 

Nada de mágica

Na reunião em que se anunciou a nova fórmula de saque do FGTS, o presidente do Bando do Brasil, Rubem Novaes, disse que “ninguém melhor que o cidadão sabe onde aplicar seu dinheiro”. E disse que essa era a “filosofia do governo”. Só não falou porque não liberou tudo de uma vez só. E o secretário da Política Econômica, Adolfo Sachsida, acrescentou que ali “ninguém estava fazendo mágica, não”.

 

Recuo

Nem mesmo os mais chegados explicam essa perseguição de Bolsonaro aos generais, dentro e fora de seu governo. Alguns arriscam lembrar que possa ser um rescaldo de seus tempos de caserna (foi expulso com apenas 15 anos de serviço). Mais: ele estaria disposto a explodir todas as pontes que possam permitir um recuo estratégico em caso de extrema necessidade. Militares mais irônicos acham que ele não assistiu as aulas de tática.

 

Vende-se

A operação de venda do Hotel Fasano Itaim pela Even Construtora e Incorporadora deve ser concluída em oito meses. O Credit Suisse está assessorando a venda do ativo. A operação deverá ficar no patamar de R$ 80 milhões. A negociação atinge, além do Hotel Fasano, dois restaurantes, dois bares, áreas de eventos, business center e estacionamento. O hotel deverá ser erguido até o fim de 2022 e operado pelo grupo Fasano.

 

Captação

Enquanto Jair Bolsonaro estuda se extinguirá mesmo Ancine, a agência autoriza a captação de R$ 8 milhões para um filme que falará sobre o assassinato do prefeito de Santo André, Celso Daniel.  O longa será feito pela Escarlate Conteúdo Audiovisual com previsão de lançamento para o segundo semestre de 2020. Titulo: Quem mantou Celso Daniel.

 

De tornozeleira

Condenado a 9 anos e 10 meses de prisão, em segunda instância na Lava Jato, José Carlos Bumlai, o homem mais poderoso e amigo de Lula no primeiro mandato, conseguiu o direito de cumprir a pena em casa. O TRF-4 reconheceu “grave estado de saúde e idade avançada”, mas determinou que ele passe a usar tornozeleira para ser fiscalizado. Para se livrar da cadeia, terá de pagar R$ 82,4 milhões em multa e reparação de danos. Bumlai, a propósito, é frequentador fiel nos finais de semana das missas da igreja de N. Sra. do Brasil, em São Paulo. E sempre comunga.

 

Aposta

À propósito de Lula: quem acompanha seu caso no STF duvida que o processo do tríplex possa ser anulado pela Segunda Turma. O período de perigo foi em junho, quando Gilmar Mendes pilotou uma manobra para soltá-lo e foi derrotado por 3 a 2. E de lá para cá, os alaridos de Glenn Greenwald não produziram nada especial.

 

Em alta

Maria Julia Coutinho está em alta na Globo: domingo aparecerá ao lado de Tadeu Schmidt na apresentação do Fantástico. Maju substituirá Poliana Abritta por duas semanas, já que Ana Paula Araújo habitual substituta, está cobrindo férias de Renata Vasconcellos no Jornal Nacional.

Investigar Toffoli

O senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) entrou com uma representação na Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), Dias Toffoli. O parlamentar quer que a PGR investigue Toffoli por improbidade administrativa após o CNJ decidir alugar um novo prédio em Brasília com custo anual de R$ 23,3 milhões.

Justificativa

O movimento do CNJ foi relevado pelo Estado no último dia 27. A principal justificativa do órgão é a necessidade de dar mais “espaço” aos funcionários e garantir maior “proximidade” com o Supremo Tribunal Federal. O atual prédio fica a dez minutos da Corte e custa R$ 16,8 milhões por ano. Mesmo tendo optado por alugar um novo prédio, o CNJ ainda vai precisar de parte das atuais instalações para abrigar a área de processamento de dados, a um custo de R$ 2,4 milhões ao ano.

Frases

 “Nós estamos dentro de um quadro de insanidade, a mais absoluta. Não é mais caso de impeachment, é caso de interdição.”

Miguel Reale Jr.