GUSTAVO URIBE
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quarta-feira (20) que o esforço de seu governo é para que o dólar fique em um patamar abaixo de R$ 4.
Na entrada do Palácio do Alvorada, onde cumprimentou um grupo de eleitores, ele ponderou, no entanto, que a cotação da moeda norte-americana não depende apenas de políticas do governo.
“Eu gostaria do dólar abaixo de R$ 4, mas não são só questões internas. O problema é que o mundo tá todo conectado, qualquer problema lá fora tem reflexo no todo”, disse.
Na segunda-feira (18), o dólar fechou a R$ 4,207, maior valor nominal da história. O recorde em valores reais é de 2002, quando a moeda chegou a R$ 4 nominalmente, que hoje seriam R$ 10,80.
A moeda está em trajetória de alta desde o leilão do pré-sal, em 6 de novembro. A expectativa do mercado era de alta participação dos estrangeiros e grande entrada de dólares no país, o que não se concretizou.
Na terça-feira (19), o dólar seguiu no patamar de R$ 4,20 e a Bolsa de Valores recuou 0,4%, menor patamar desde 18 de outubro. O Banco Central não indicou intervenção para baixar a cotação, que acumula alta de 4,5% no mês.
Além do aumento da moeda norte-americana, pesou para a queda do Ibovespa o viés negativo do índice Dow Jones, da Bolsa de Nova York. Ele recuou 0,36% com uma previsão menor de vendas no final de ano da gigante do varejo Home Depot.