O presidente Jair Bolsonaro resolveu retirar a deputada federal Joice Hasselmann (PSL-SP) da liderança do governo no Congresso. O substituto no cargo será o senador Eduardo Gomes (MDB-TO). Ele é vice-líder do governo no Senado atualmente.

A situação de Joice ficou insustentável no governo na quarta-feira, após a deputada assinar uma lista de apoio à permanência de Delegado Waldir (GO) na liderança do PSL na Câmara. Bolsonaro articulou para que um dos seus filhos, o deputado Eduardo Bolsonaro (SP), assuma o lugar.

Joice foi escolhida líder do governo em fevereiro, pela indicação dos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e tinha bom trânsito com o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, que no início do governo era responsável pela articulação política. Ela vinha perdendo espaço, no entanto, desde que a articulação foi repassada para a Secretaria de Governo, em agosto. O ministro Luiz Eduardo Ramos, titular da pasta, deu preferência ao líder do governo na Câmara, deputado Major Vitor Hugo (PSL-GO). Procurado, o Palácio do Planalto disse que não vai comentar no momento.

A convulsão de Gleisi

O general Eduardo Villas Bôas alertou para o risco de “convulsão social” causada pelas manobras do STF, informa O Antagonista. Gleisi Hoffmann reagiu: “Convulsão social só se for pelo desemprego no país, a fome que voltou e a baixa renda do povo, que o governo a que serve está causando. Recomponha-se general e aproveite para explicar por que aceitam a entrega da nossa soberania aos EUA.”

STF rejeita ajuda

Não prosperou a iniciativa para assegurar a continuidade da aposentadoria de ex-governadores e viúvas. A ministra Rosa Weber, relatora da ação (ADI 4545) no STF, que pede a extinção da aposentadoria de ex-governadores do Paraná e pensões de viúvas, indeferiu o requerimento de dona Arlete Richa para ingressar na causa na condição de amicus curiae – figura prevista na legislação processual que confere a uma parte atuar como “amigo da corte”, isto é, para colaborar no julgamento.

Terceira interessada

Weber considerou que dona Arlete, por ser viúva do ex-governador José Richa, atuaria apenas “como terceira interessada e não como expert da questão” e que “as informações e/ou justificativas” que usou para fazer o pedido “não caracterizam dados técnicos e/ou relevantes que possam contribuir de maneira diferenciada e agregativa com a ampliação do debate sobre o problema jurídico.”

Todos no Enem

Mais de 211 mil estudantes do Paraná tiveram a inscrição confirmada para a prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2019.Todos podem consultar o cartão de confirmação, liberado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) nesta quarta-feira (16). Nele estão local e horário das provas. Para acessar o documento, é necessário digitar o CPF e a senha cadastrada na inscrição na página do participante.

Bolsonaro irritado

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) ficou muito irritado com áudio vazado na noite desta quarta-feira (16). A gravação, divulgada com exclusividade pela revista Crusoé, mostra presidente articulando para tirar o Delegado Waldir da liderança do PSL na Câmara dos Deputados e colocar o filho dele, Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), no posto. O chefe do Executivo declarou que não trata publicamente de assuntos sobre a liderança e, se caso o telefone dele tenha sido grampeado, foi uma “desonestidade”.

Desonestidade

“[Parlamentares] deram uma de jornalista? Eu converso com deputados. Não trato publicamente desses assuntos, converso individualmente. Se alguém grampeou o telefone, primeiro é uma desonestidade”, disse o presidente ao sair do Palácio da Alvorada, ontem.

DEM puxa ala do PSL

A cúpula do DEM articula com o grupo político ligado ao presidente do PSL, Luciano Bivar (PE), uma possível fusão entre os dois partidos. Na noite de terça-feira, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (RJ), disse a líderes do Centrão – bloco formado por DEM, PP, PL, Republicanos e Solidariedade – que, se o presidente Jair Bolsonaro sair mesmo do PSL, as negociações com a sigla comandada por Bivar podem avançar.

Segunda instância

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, disse que o julgamento sobre a validade da prisão em segunda instância deve se estender até a semana que vem. Segundo Toffoli, na sessão desta quinta-feira (17), quando o caso começará a ser analisado, somente as manifestações das partes envolvidas no processo serão ouvidas. Os votos serão proferidos na sessão da próxima quarta-feira (23).

 “MP do Contribuinte Legal”

O presidente Jair Bolsonaro assinou nesta quarta-feira (16) uma medida provisória que dá até 70% de desconto no total das dívidas de pessoas físicas e empresas junto à União. A medida, chamada de “MP do Contribuinte Legal”, foi assinada em uma cerimônia do Palácio do Planalto. De acordo com Ministério da Economia, a negociação da dívida será aplicada em cobranças de dívidas ativas e transações de contencioso tributário. No primeiro caso, segundo a publicação, a modalidade pode auxiliar a regularizar quase 2 milhões de devedores.

Positivo abre os cofres

O Grupo Positivo concretizou, na semana passada, três novas aquisições, envolvendo um total de seis unidades de ensino no Paraná: duas em Curitiba, duas em Foz do Iguaçu e duas em Cascavel. O planejamento do plano de expansão do próximo ano prevê investimentos na ordem de 200 milhões de reais. Na capital, as duas unidades custaram aos cofres do grupo 58,3 milhões.

 “Cachorro grande”

Um ministro do STF comentou, nesses dias, que a guerra entre Bolsonaro e o presidente do PSL, Luciano Bivar, “é briga de cachorro grande”, a se usar a expressão popular. A operação da PF de busca e apreensão em dois endereços de Bivar gera impacto, mas não deve produzir nenhum resultado ruim para o dirigente partidário. Afinal, ninguém consegue imaginar que o veterano político do Nordeste e ex-cartola, mais do que prevenido nas últimas semanas, tenha deixado nem mesmo um bilhetinho romântico à disposição dos agentes. E a disposição de encontrar “laranjas” usando verba do Fundo Eleitoral é pífia: antes de Bivar, tem o já denunciado ministro Marcelo Álvaro Antônio, do Turismo.

 

Três filhos

Se Bolsonaro tem três filhos na linha de frente, Luciano Bivar também tem outros três filhos ajudando na condução do PSL: Sérgio, Cristiano e Luciano. No mês passado, Luciano também introduziu uma alteração no estatuto da sigla, apontada como manobra: aumentou o tamanho do diretório nacional de 101 para 159 titulares e de 33 para 51 os suplentes. Os atuais suplentes virarão titulares nas vagas novas e Bivar aumentou sua influência na agremiação.

 

Estratégia

A estratégia de Luciano Bivar é falar o menos possível e seus filhos seguem a mesma cartilha. Há dias, Sérgio Bivar, presidente da Fundação Indigo do PSL, gastou R$ 800 mil para promover a Conferência de Ação Política Conservadores, a CPAC Brasil, protagonizada por Eduardo Bolsonaro e outros ministros. Eduardo, aliás, é o nome do filho que Bolsonaro quer ver na presidência nacional do PSL à medida em que a indicação para Washington vai ficando cada vez mais distante.

 

Causa e efeito

Bolsonaro é capaz de jurar que não tem nada a ver com a operação de busca e apreensão da PF em dois endereços de Luciano Bivar, mesmo depois de ter brigado por nomeações de delegados. Só que não esperava tão rápido contra-ataque: de cara, o partido obstruiu a votação de uma MP do presidente na Câmara. E em outro gesto de retaliação, a sigla excluiu os deputados Major Vitor Hugo (GO) líder do governo na Casa e General Girão (RN) da comissão especial que analisa a reforma da Previdência dos militares. Pior: no embalo, entraram em obstrução PT, PSB, PDT, Psol e PCdoB.

 

Semana quente

Numa semana quente, enquanto Bolsonaro e Bivar brigam, o líder do PSL na Assembleia Legislativa de São Paulo, deputado Gil Diniz é denunciado por suposta prática de “rachadinha”, como é conhecido o esquema em que parlamentares se apropriam de parte dos salários lotados em seu gabinete. Diniz é conhecido pelo apelido “Carteiro Reaça” e estava na lista de Bolsonaro para disputar a prefeitura de São Paulo no ano que vem.

 

Olho em Goiás

Uma CPI criada pela ordem do governador de Goiás, Ronaldo Caiado (agora brindado com um stent), para investigar a concessão de incentivos fiscais, está deixando investidores em pânico. Eles têm procurado estados vizinhos em busca de facilidades semelhantes oferecidas por Goiás em administração anterior e, especialmente, nos tempos de Marconi Perillo, em troca de incentivos fiscais bilionários.

 

Delírio

O Congresso Nacional está discutindo o fechamento da Justiça do Trabalho, que não existe em países mais civilizados. E apesar de 60% a menos no número de ações trabalhistas, o Tribunal Regional do Trabalho na Bahia quer comprar o Complexo 2 de julho, com três torres de 20 andares cada uma por R$ 240 milhões.

 

Prego torto

Fernanda Montenegro, nascida Arlete Pinheiro, chega aos 90 anos, é católica, “reza muito” segundo o filho Claudio Torres e educou ele e Fernanda Torres na religião. Só que seu livro de cabeceira, que relê com frequência, é Memórias, sonhos e reflexões, de Carl Gustavo Jung, expoente da psicanálise. E tem uma mania: quando encontra qualquer prego torto pelo caminho, nos estúdios de cinema ou bastidores da TV e do Teatro, caído em algum cenário, pega e segura até a hora de entrar em cena.

 

Impunidade

Num dos trechos do último volume dos Diários da Presidência, FHC fala sobre o chamado “abuso de autoridade” de juízes e procuradores, que gera debates e até é chamado de “estímulo à impunidade”. Diz que os procuradores estão reclamando por causa de uma MP (foi retirada) que permitia que até juízes multassem procuradores caso eles acusassem alguém sem provas. “Para eles, é possível acusação sem base e não acontecer nada. Os procuradores dizem que multá-los seria cerceamento de liberdade. Liberdade para que? Para caluniar?”.

 

Sobremesa

Nada de música clássica na festa anual do Masp, em São Paulo, dia 6 de novembro. O respeitado museu já arrecadou mais de R$ 2 milhões para o evento, com mesas custando até R$ 60 mil. E a grande atração será Anitta, para alegria geral.

 

Pró-ditadura

O ex-astrólogo Olavo de Carvalho, guru da família Bolsonaro determinou nova frente de trabalho nas redes sociais e está pregando uma ditadura militar comandada pelo ocupante do Planalto. “Só uma coisa pode salvar o Brasil: a união indissolúvel do povo, presidente e Forças Armadas”. Allan dos Santos, principal líder dos olavistas nas redes sociais, também afirma que “o povo quer um novo AI-5 (Ato Institucional da ditadura em 13 de dezembro de 1968), que resultou na perda de mandato de parlamentares contrários aos militares, fechamento do Congresso, intervenção nos Estados e municípios – e institucionalização da tortura.

 

Redução da frota

O governador de São Paulo, João Doria, está empenhado na renovação da frota de veículos no Estado, começando por caminhões. A Anfavea prepara estudo que mostrará impacto da circulação de veículos velhos nas ruas. A entidade calcula que, da frota total de caminhões no país, que soma cerca de dois milhões de unidade, ao menos 230 mil tem mais de 30 anos.

 

Falso poder

Em rara entrevista, Luciano Bivar disse que estão tentando lhe vender “coisa não éticas” no PSL e “não vão ter”. Ele acha que “o fundo partidário é da bancada e eu tenho de preservar isso. Eu não posso me dobrar a contratos e ofertas de serviços que não representem realmente nenhum processo”. E enumera: “Contratos para assessoria de imprensa, publicidade, advogados, compliance…”.

 

Vale tudo

Enquanto um grupo pensa em Luciano Huck na Presidência da República (Ciro Gomes agora só o chama de “estagiário”), outro bloco do PT de São Paulo tenta convencer o médico Dráuzio Varella a se lançar candidato à prefeitura da cidade.

 

Frente única

Marta Suplicy, sem partido, fala que quer permanecer longe das urnas, mas trabalha na criação de uma frente encabeçada por ela para disputar a prefeitura de São Paulo. Deveria se filiar ao PDT e concorreria à frente de um bloco formado por PSB, PCdoB e PT, além de sua sigla. Ela está conversando com Carlos Lupi, presidente do PDT, esta semana. Ciro Gomes pré-candidato ao Planalto pela agremiação, gosta da ideia.

 

Artilharia

Os aliados de Luciano Bivar já estão montando uma artilharia contra Bolsonaro, à medida em que acreditam que “as vísceras de todos os grupos da legenda” ficarão expostos. Começarão com um nome do partido, o ministro Marcelo Álvaro Antônio, investigado por usar laranjas e esticarão com cobrança de contas pré-campanha, exposições de financeiras atípicas do senador Flávio Bolsonaro e cobrança até mesmo do próprio Bolsonaro sobre depósito de R$ 24 mil feitos por Fabrício Queiroz na conta de Michelle Bolsonaro.

 

Guerra é guerra

A Advocacia-Geral da União vai recorrer ao Supremo Tribunal Federal solicitando que a decisão do governador do Rio, Wilson Witzel de criar a patente “general” na Polícia Militar de lá seja declarada inconstitucional.

 

Espere sentado

A ministra Damares Alves, da Mulher, Família e Direitos Humanos, está comemorando: o ministério conseguiu reduzirem para dez dias o período médio de atendimento a denúncias feitas pelo Disque 100, uma ouvidoria nacional de agressões e crimes de preconceito, entresexo. No passado, o brasileiro esperava quatro meses por um retorno.

 

Estilo passado

Publicitários estão preocupados com edital de licitação do governo Bolsonaro para contratar agências, que é semelhante ao modelo que fez Marcos Valério, nos tempos do PT, reinar absoluto: a agência licitada contratava serviços (gráfica, produtora, assessorias e outros) e Valério subcontratava suas próprias empresas. O governo, aliás, agora quer reduzir a 3,5% os honorários das agências pagos pelos veículos que o TCU já reduziu de 20% para 10%. A consulta pública acabou na sexta-feira (11) e pouca gente ficou sabendo.

 

Coragem

Rosângela Moro, mulher do ministro da Justiça, Sérgio Moro nesses dias, postou no Twitter mensagem polêmica, que muitos acreditam que seja uma indireta para o marido. A mensagem dizia. “Tenha coragem para dizer eu mereço mais e vá embora”. Rosângela desmentiu a mensagem seja para o ex-juiz e garante que nem tudo que posta é referente a Moro. “Esse post é somente para as pessoas que se lamentam e que precisam de uma injeçãozinha de autoconfiança para entender que a mudança é positiva. Sempre”.

 

Adiada

Enquanto o governo vai liberando o uso de vários agrotóxicos para o uso na agricultura, que em outros países são totalmente proibidos, a Anvisa adia mais uma vez a decisão sobre o plantio de maconha para o uso medicinal.

 

Por cima, não

O deputado Enrico Misasi (PV-SP) defendeu a posição do STF na votação da PEC que estabelece a prisão de condenados em segunda instância. E garante que “que os deputados não podem passar por cima do STF, expondo ao constrangimento o colegiado”.

 

Claro que justifica

O senador Chico Rodrigues (DEM-GO) resolveu mandar recado ao senador Álvaro Dias (Podemos-PR) que disse que não era necessária uma comitiva tão grande na canonização da Irmã Dulce, no Vaticano. “O Álvaro tem que caçar o que fazer e deixar de ser fariseu. Irmã Dulce é a primeira santa nascida no Brasil. O Brasil é a maior nação católica do mundo. É claro que se justificava uma representação oficial no evento”.

 

Sob medida

Um bloco “terrivelmente evangélico” do MPF faz campanha para que o procurador Guilherme Shelb ocupe a Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão na cúpula do PGR. Ele é ex-diretor da Associação Nacional dos Juristas Evangélicos, é forte opositor da ideologia do gênero e entusiasta do projeto Escola sem Partido. Há dois anos, criou um modelo de “notificação extrajudicial” destinado a proibir assunto de gênero e sexualidade nas escolas. O documento foi implodido pela subprocuradora titular do órgão, Deborah Duprat.

 

Sem IR

Lula tem se recusado a passar para o regime semiaberto e poderá em breve, ser beneficiado por uma “progressão previdenciária”. Com base da Lei de Anistia de 2002, seus benefícios passarão a ser pagos diretamente pela União e não pelo INSS, como todos os casos enquadrados como “aposentado anistiado”. O que significa isenção de Imposto de Renda em todos seus proventos.

 

Vai recorrer

José Eduardo Cardozo, ex-ministro e advogado de Dilma (poderá concorrer à Prefeitura de São Paulo no ano que vem), aconselhou o ex-presidente a recorrer ao STF caso a Comissão de Anistia negue seu pedido de indenização. Assessores de Dilma dão o indeferimento como líquido e certo. Ela quer uma pensão mensal de R$ 10,7 mil retroativa em 17 anos.

 

Oratória

O deputado Hélio Negão, que costuma entrar mudo e sair calado de eventos (e até mesmo em viagens internacionais) ao lado de Jair Bolsonaro vai fazer aulas de oratória, por conselho do capitão. Bolsonaro acha que ele poderia ser um bom nome para concorrer á prefeitura do Rio de Janeiro.

 

Fora de controle

O governador de São Paulo, João Dória perdeu o controle ao ser alvo de manifestantes, muitos deles bolsonaristas no interior do estado. E aos gritos atacou alguns mais ousados. A um deles falou: “Vai pra casa, vagabundo. Vai comer sua mortadela com a sua mãe, seu sem-vergonha”. A outro, disparou: “Vai cobrar do Major Olímpio os seus duzentinhos para vir aqui falar bobagem no microfone”.

 

Munição

Ainda sobre o destempero de João Doria: ele também atacou um aposentado mandando a figura ir para casa. Com isso, deu munição para seu ex-adversário na disputa pelo governo Márcio França (deve disputar a prefeitura de São Paulo no ano que vem). “Xingar aposentados não é uma forma, correta nem digna de tratar alguém que, por direito, conquistou o merecido descanso. Isso depois de anos de trabalho, sustentando, muitas vezes, gente que se aproveita de benefícios e de dinheiro público”.

 

Festa

O novo tucano Alexandre Frota, acaba de completar 56 anos e Rodrigo Maia, presidente da Câmara abriu as portas de sua residência oficial para uma festa para 60 convidados. Frota chegou acompanhado de Pedro Paulo (DEM). A festa era baseada num típico churrasco gaúcho com muitas carnes, vinhos e coquetéis servidos a vontade onde todos se esbaldavam, com exceção do aniversariante que preferiu ficar no suco. Maia deu uma gravata preta para Frota.

Frases

 “É como um Big Brother onde todo mundo quer ganhar e só tem um cofre. A briga é pela chave desse cofre.”

Delegado Waldir, líder do PSL na Câmara,