Os benefícios pagos pelo programa Bolsa Família passarão a ter prazo inicial de dois anos, segundo a secretária-executiva-adjunta do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Rosilene Rocha.

Os benefícios pagos pelo programa Bolsa Família passarão a ter prazo inicial de dois anos a partir da concessão, segundo a secretária-executiva-adjunta do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Rosilene Rocha. A partir desse prazo, os benefícios passarão por uma revisão para o governo definir se continuarão a ser pagos.
Rocha informou que a regra estabelecendo o prazo bienal de reavaliação da renda familiar que dá direito ao benefício será criada por um decreto a ser assinado hoje pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, durante a comemoração de quatro anos do ministério.
Segundo ela, o prazo estabelecido é uma saída que garante o direito à renda e sinaliza para a emancipação da família, resolvendo o dilema da permanência indefinida do benefício ou da sua retirada precoce em uma situação que ainda não há garantia de mínima de subsistência da família. "Se a pessoa arrumar um emprego informal ela tem que largar o benefício no mesmo dia? É um dilema. Se a a gente disser que sim, há um risco porque, é um emprego informal, pode não dar certo. Se a gente disser que não ficamos com um conflito com o critério do programa. Então o decreto vai regulamentar isso", afirmou.
Reportagem publicada hoje pelo jornal "O Estado de S. Paulo" informa que o cartão do Bolsa Família também dará acesso a uma conta bancária simplificada. O objetivo da mudança é facilitar a concessão de crédito para a população atendida pelo benefício.