Batizada por Beezip, uma sacolinha feita com cera de abelha e tecidos descartados, leva assinatura de 24 alunos do segundo ano do Ensino Médio do Colégio Positivo, em Curitiba, tendo em conta que um caminhão de lixo de produtos têxteis é aterrado ou incinerado no mundo a cada segundo.
Além de valer-se do descarte da indústria da moda, as peças são biodegradáveis e impermeáveis. Pedro de Almeida Silveira, de 16 anos, que preside a empresa Beezip, conta que a ideia partiu da vontade de substituir o ziplock, sacos plásticos com fechos herméticos. E revela: “Tentamos criar sacolas de tecido a partir da fécula de batata, mas não era uma ideia tão viável. Quando descobrimos a cera de abelha, os dois formatos se uniram e criamos uma substituta do ziplock e que ainda reutiliza o tecido descartado”.
A bolsa, disponível em dois tamanhos, é versátil e pode cumprir diversas funções, como de nécessaire, porta medicamentos, materiais de higiene, celular, estojo escolar, porta-joias, organizadora para malas e mochilas, entre outros.
A produção pode chegar a 80 bolsas diárias. E custam 15 reais (modelo pequeno) e 25 reais (grande). Parte da renda é revertida para o Lar O Bom Caminho, instituição que acolhe crianças. O projeto é uma parceria entre o Colégio Positivo e a Junior Achievement Paraná, organização social que promove o empreendedorismo na juventude. Aquisição das bolsas em (@beezip.sae) ou pelo site https://mebeezip.wixsite.com/organization.
A empresa Beezip é formada por presidente, diretores, gestores de marketing, RH e finanças. “Temos diferentes funções, mas na hora da produção não existe hierarquia; todos os envolvidos fazem parte do processo de forma igual”, diz Pedro, contando que esse trabalho é extraclasse – às segundas-feiras, das 18h30 às 21h30, com duração de 15 semanas.
“Os produtos só podem ser produzidos na escola e os horários da jornada também precisam ser seguidos à risca, sob pena de perda de pontos. Ao final, os resultados de todas as escolas e projetos participantes são analisados e as equipes são premiadas pela produção, finanças, marketing e gerenciamento”, explica a professora Daniela Tatarin, assessora pedagógica de Formação Humana do Centro de Inovação Pedagógica Positivo.