A inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) deve ficar, neste ano, em 4,41%, segundo a opinião de analistas de mercado ouvidos pelo Banco Central (BC).

Marcio Ferreira
da redação

A inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) deve ficar, neste ano, em 4,41%, segundo a opinião de analistas de mercado ouvidos pelo boletim Focus, divulgado ontem pelo Banco Central (BC). A projeção anterior era de 4,40%. No mês de março, o IPCA deve ficar em 0,35%.

Além do IPCA, que é usado pelo governo como base oficial para definir as metas de inflação, outros índices também fazem parte da pesquisa do BC que colhe semanalmente as opiniões dos analistas. Em relação ao Índice de Preços ao Consumidor da Fundação Instituto de Pesquisa Econômica (Fipe), que mede os índices inflacionários no mercado paulista, a previsão fala em uma taxa de 4,03% em 2008, o que representa uma queda de 0,02 ponto percentual em relação à pesquisa da semana anterior.

O Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI), que mede os preços no mercado atacadista, deve fechar o ano em 5,19%, número maior do que a previsão anterior de 5,17%. Em março, a taxa deve ficar em 0,45%, segundo a pesquisa do BC. Outro índice avaliado é o Índice Geral de Preços de Mercado (IGP-M), que deve finalizar o ano em 5,22%, uma queda na comparação com a projeção anterior, que foi de 5,24%. Já neste mês de março, o IGP-M marcará uma taxa de 0,39%.

 Juros

Em relação à taxa básica de juros da economia (Selic), os analistas de mercado esperam uma taxa de 11,25% ao ano na reunião desta semana do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central. Durante o ano, a Selic não deve cair, segundo o boletim Focus.

A previsão dos analistas em relação ao juros é a mesma há seis semanas. Para o final de 2009, a expectativa dos analistas com relação à taxa Selic passou de 10,38% para 10,50%.