As instituições financeiras terão que publicar seus balanços na internet e poderão condensar informações nas demonstrações semestrais e trimestrais, aproveitando o já publicado no resultado anual, decidiu nesta quinta-feira (30) o Conselho Monetário Nacional.
A única demonstração que continua tendo obrigatoriedade de publicação em jornal de grande circulação é o balanço anual, por causa da Lei das Sociedades Anônimas.
A mudança atinge principalmente as demonstrações semestrais, que precisavam ser veiculadas em jornais. Agora, isso não será mais exigido, segundo João André Pereira, chefe do departamento de regulação do sistema financeiro do BC. O resultado trimestral também deve estar disponível online.
O Banco Central estuda centralizar essas demonstrações online em um site, e as instituições também serão obrigadas a disponibilizar os balanços em suas páginas. A exigência entra em vigor a partir de janeiro de 2020.
O CMN autorizou ainda a condensação das informações contidas nas demonstrações semestrais e trimestrais, para retirar informação considerada redundante já publicada no balanço anual.
“A ideia foi racionalizar as demonstrações contábeis individuais do sistema financeiro, em alinhamento com regras internacionais, no sentido de otimizar e modernizar as demonstrações”, afirma Pereira.
“A instituição faz um resumo e coloca aquilo que mudou. Pode haver uma economia de 40% a 50% do tamanho da demonstração, sem perda de informação.”